LÉO É O MASTER CHEF!

VEN­CE­DOR DIZ QUE JÁ PEN­SA EM ABRIR O SEU PRÓ­PRIO RES­TAU­RAN­TE

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - Metro Jor­nal.

Gru­da­do ao tro­féu de Mas­terChef, o em­pre­sá­rio Le­o­nar­do Young, de 30 anos, en­fren­tou on­tem uma ma­ra­to­na de en­tre­vis­tas so­bre a con­quis­ta, mas na­da dis­so se com­pa­ra à pres­são so­fri­da por ele ao lon­go da ter­cei­ra edi­ção do pro­gra­ma da Band, do qual saiu cam­peão e so­bre o qual fa­la ao

Você e Bru­na apre­sen­ta­ram na fi­nal pra­tos com ava­li­a­ções pa­re­ci­das. O que foi o di­fe­ren­ci­al pa­ra sua vi­tó­ria?

Foi pra­ti­ca­men­te a so­bre­me­sa que de­sem­pa­tou. A Bru­na se ar­ris­cou de­mais, co­lo­cou mui­tos ele­men­tos. Eu se­gui uma tá­ti­ca que ti­nha usa­do em ou­tras pro­vas, o fa­mo­so “me­nos é mais”. En­tão, por mais que eu tam­bém te­nha re­ce­bi­do crí­ti­cas, meu me­nu foi mais har­mo­ni­o­so.

Co­mo foi se as­sis­tir re­a­li­zan­do a pro­va jun­to com to­da a pla­teia pre­sen­te no es­tú­dio?

Foi di­fí­cil. Eu es­ta­va com um ner­vo­sis­mo di­fe­ren­te da­que­le da pro­va. De­pois de gra­var tu­do, pen­sei que na­da mais ia me aba­lar. A tor­ci­da no au­di­tó­rio me da­va mais pres­são pa­ra ga­nhar. Eu ti­nha 86% do pú­bli­co a fa­vor, e is­so me da­va uma afli­ção, por­que não era ele que vo­ta­va! (ri­sos)

Es­se fa­vo­ri­tis­mo se con­tra­pu­nha à fal­ta de apoio dos seus co­le­gas de co­zi­nha, que tor­ce­ram pa­ra a Bru­na. Você ti­nha no­ção da sua po­pu­la­ri­da­de fo­ra da­li?

Ne­nhu­ma. Eu me as­sus­tei com o ta­ma­nho da re­per­cus­são e da acei­ta­ção do pú­bli­co, que me aco­lheu tão bem. Ele me aju­dou mui­to quan­do o pro­gra­ma co­me­çou a pas­sar na TV e a gen­te ain­da es­ta­va gra­van­do. O su­por­te que eu não en­con­tra­va na co­zi­nha eu acha­va na mi­nha fa­mí­lia, nos ami­gos e no pú­bli­co.

O fa­to de ter si­do es­ca­la­do co­mo mu­so da tem­po­ra­da po­de atra­pa­lhar o fo­co em você mos­trar sua co­zi­nha?

Te­nho um pou­co de afli­ção com is­so. Eu não gos­to de mis­tu­rar mui­to, re­al­men­te ti­ra o fo­co. Pre­ci­so se­pa­rar bem as coi­sas pa­ra sa­ber apro­vei­tar es­se mo­men­to sem dei­xar de me con­cen­trar na co­zi­nha tam­bém.

Você de­cla­rou já ter in­te­res­se em abrir seu res­tau­ran­te. Que ti­po de co­zi­nha você ima­gi­na pa­ra ele?

É im­por­tan­te res­sal­tar que eu não sou chef. Fa­zer um pra­to é di­fe­ren­te de ser­vir um res­tau­ran­te. Vou es­co­lher uma pes­soa e vou fi­car por trás. Sei das mi­nhas li­mi­ta­ções e vou com cal­ma. Qu­e­ro fa­zer o cur­so e de­pois vou par­tir pa­ra al­go de co­zi­nha asiá­ti­ca.

E qual co­le­ga você cha­ma­ria pa­ra tra­ba­lhar com você?

A Ra­quel. Ela é ex­tre­ma­men­te com­pe­ten­te, tem um jei­to cal­mo, é fo­ca­da e con­cen­tra­da.

DI­VUL­GA­ÇÃO

LÉO YOUNG

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.