Dil­ma se de­fen­de ho­je na ses­são do im­pe­a­ch­ment

Pre­si­den­te afas­ta­da fa­rá a sua de­fe­sa pes­so­al­men­te, ar­gu­men­tan­do au­sên­cia de cri­mes e lem­bran­do sua bi­o­gra­fia de lu­ta con­tra a di­ta­du­ra mi­li­tar. Se­na­do­res fa­rão per­gun­tas, mas ten­ta­rão evi­tar ba­te-bo­ca. Vo­ta­ção de­ve co­me­çar ama­nhã

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

A pre­si­den­te afas­ta­da, Dil­ma Rous­seff (PT), faz ho­je pes­so­al­men­te sua de­fe­sa no pro­ces­so do im­pe­a­ch­ment no Se­na­do. Ela es­ta­rá fren­te a fren­te com os 81 se­na­do­res que, em me­nos de 48 ho­ras, de­ci­di­rão seu fu­tu­ro po­lí­ti­co.

O de­poi­men­to de Dil­ma foi ela­bo­ra­do nos úl­ti­mos di­as de pró­prio pu­nho e com a aju­da de ex-mi­nis­tros. A fa­la ini­ci­al, de cer­ca de 30 mi­nu­tos, es­tá dis­tri­buí­da em pe­lo me­nos três ei­xos: a de­fe­sa do pro­ces­so, a po­lí­ti­ca e a bi­o­gra­fia.

No pri­mei­ro mo­men­to, a pe­tis­ta sus­ten­ta­rá que não pra­ti­cou cri­mes con­tra as leis que re­gem a exe­cu­ção do Or­ça­men­to.

Não fi­cou de­fi­ni­do se o ter­mo “gol­pe” e men­ções di­re­tas ao pre­si­den­te in­te­ri­no, Mi­chel Te­mer (PMDB), es­ta­rão nas fa­las. O ad­vo­ga­do Jo­sé Edu­ar­do Car­do­zo e o ex-mi­nis­tro Ja­ques Wag­ner de­fen­dem um tom mais agres­si­vo, com ata­ques aos con­si­de­ra­dos trai­do­res.

Com no­ve ex-mi­nis­tros co­mo juí­zes do pro­ces­so – cin­co dos quais já vo­ta­ram con­tra Dil­ma em fa­ses an­te­ri­o­res –, Dil­ma tam­bém pre­pa­ra pa­ra fa­zer ci­ta­ções às de­cla­ra­ções de ex-au­xi­li­a­res, prin­ci­pal­men­te de elo­gi­os so­bre a con­du­ção do go­ver­no. Es­sa se­rá a es­tra­té­gia fi­nal pa­ra fa­zê-los, se­não re­ver o vo­to pró-im­pe­a­ch­ment, ao me­nos op­tar por se abs­ter.

Dil­ma tam­bém pre­pa­ra de­cla­ra­ção so­bre a pró­pria his­tó­ria, lem­bran­do o pe­río­do que fi­cou pre­sa e so­freu tor­tu­ra du­ran­te a di­ta­du­ra mi­li­tar. Es­sa par­te te­ve a co­la­bo­ra­ção da ex-mi­nis­tra das Mu­lhe­res Ele­o­no­ra Me­nic­cu­ci, com­pa­nhei­ra de ce­la da pe­tis­ta no pre­sí­dio Ti­ra­den­tes, em São Pau­lo. Per­gun­tas O de­poi­men­to se­rá su­ce­di­do pe­las per­gun­tas de se­na­do­res. A mai­o­ria de­ve par­ti­ci­par des­ta fa­se. Dil­ma foi sub­me­ti­da a um trei­na­men­to pa­ra res­pon­dê-las, em­bo­ra te­nha o di­rei­to de fi­car em si­lên­cio quan­do qui­ser.

A ba­se ali­a­da de Mi­chel Te­mer de­ve se­le­ci­o­nar Ana Amé­lia (PP-RS) e Si­mo­ne Te­bet (PMDB-MS), que fi­ca­rão com as per­gun­tas ti­das co­mo mais du­ras. As iro­ni­as no ple­ná­rio são aguar­da­das dos se­na­do­res Jo­sé Me­dei­ros (PSD-MT) e Mag­no Mal­ta (PR-ES). Vo­to a me­nos O senador Wellington Fagundes (PR-MT) foi in­ter­na­do após pas­sar mal na ses­são de sá­ba­do do jul­ga­men­to de Dil­ma e não de­ve­rá par­ti­ci­par da vo­ta­ção fi­nal. Ele foi di­ag­nos­ti­ca­do com di­ver­ti­cu­li­te. Fagundes vo­tou pe­lo afas­ta­men­to tem­po­rá­rio da pre­si­den­te e por trans­for­má-la em ré há três me­ses. A vo­ta­ção A vo­ta­ção em si de­ve ser ama­nhã ou qu­ar­ta. Pa­ra que a pre­si­den­te se­ja afas­ta­da de­fi­ni­ti­va­men­te, são ne­ces­sá­ri­os 54 vo­tos.

Os par­ti­dá­ri­os do im­pe­a­ch­ment es­ti­mam con­tar com um to­tal de vo­tos en­tre 60 e 63. Já os ali­a­dos de Dil­ma con­ta­bi­li­zam ao me­nos 31 vo­tos. Pe­lo me­nos um dos gru­pos, por­tan­to, es­tá su­pe­res­ti­man­do seu apoio.

| ALAN MARQUES/FOLHAPRESS

Jor­na­lis­tas se pre­pa­ram pa­ra co­brir o im­pe­a­ch­ment

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.