Jus­ti­ça au­to­ri­za co­bran­ça de cor­re­ta­gem na plan­ta

Mas, aten­ção: ta­xa já tem de fa­zer par­te do va­lor do imó­vel anun­ci­a­do pe­la cons­tru­to­ra, e não ser cal­cu­la­do com ba­se ne­le

Metro Brazil (ABC) - - Economia -

Ago­ra não tem mais es­ca­pa­tó­ria. Quem for com­prar um imó­vel na plan­ta vai ter de pa­gar a ta­xa de cor­re­ta­gem, mes­mo que ne­nhum cor­re­tor te­nha par­ti­ci­pa­do da ne­go­ci­a­ção. A de­ci­são foi anun­ci­a­da na se­ma­na pas­sa­da pe­lo STJ (Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça).

Ou se­ja, a co­bran­ça da ta­xa – que pa­ra imó­veis ur­ba­nos po­de che­gar a 8% do va­lor em al­guns lu­ga­res – vale mes­mo quan­do o com­pra­dor se di­ri­ge di­re­ta­men­te ao es­tan­de da cons­tru­to­ra e fe­cha o ne­gó­cio sem a in­ter­me­di­a­ção de nin­guém.

Di­ver­sas sen­ten­ças ju­di­ci­ais de pri­mei­ra e se­gun­da ins­tân­cia vi­nham con­de­nan­do em­pre­sas a de­vol­ve­rem a co­mis­são por con­si­de­rá-la abu­si­va. O con­su­mi­dor, se­gun­do es­se en­ten­di­men­to, não te­ria op­ção de con­tra­tar ou não o ser­vi­ço de cor­re­ta­gem e se­ria obri­ga­do a pa­gar por ele.

O ca­so che­gou ao STJ, que en­ten­deu que o pro­ce­di­men­to não se tra­ta de uma ven­da ca­sa­da e o con­su­mi­dor tem ci­ên­cia da co­bran­ça. Pa­ra as cons­tru­to­ras, a de­ci­são foi um alí­vio em um mo­men­to de cri­se, já que uma der­ro­ta po­de­ria re­sul­tar no pa­ga­men­to de va­lo­res mi­li­o­ná­ri­os.

O ad­vo­ga­do Jo­sé Car­los Bap­tis­ta Pu­o­li, que re­pre­sen­ta em­pre­sas do se­tor, diz que o mes­mo jul­ga­men­to se­rá apli­ca­do a ou­tras ações em cur­so. Já o vi­ce-pre­si­den­te da Co­mis­são de Di­rei­to do Con­su­mi­dor da OAB (Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil) de São Pau­lo, o ad­vo­ga­do Marcelo Ta­pai, ava­lia que a Jus­ti­ça er­rou.

O STJ, por ou­tro la­do, con­si­de­rou abu­si­va a co­bran­ça da ta­xa Sa­ti (Ser­vi­ço de As­ses­so­ria Téc­ni­ca Imo­bi­liá­ria), con­tra­ta­da pe­las cons­tru­to­ras pa­ra cui­dar da do­cu­men­ta­ção do com­pra­dor e de to­do o pro­ces­so pa­ra efe­ti­va­ção do fi­nan­ci­a­men­to ban­cá­rio. Os mi­nis­tros en­ten­de­ram que a Sa­ti não é um pro­du­to autô­no­mo, co­mo a cor­re­ta­gem, e não po­de ser re­pas­sa­do ao com­pra­dor.

| RIVALDO GO­MES/FOLHAPRESS

Fei­rão da Ca­sa Pró­pria, em São Pau­lo: co­bran­ça ain­da na plan­ta es­tá au­to­ri­za­da por lei

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.