Gra­na ten­ta re­e­lei­ção com fé em seu le­ga­do

Can­di­da­to do PT é sa­ba­ti­na­do em sé­rie de en­tre­vis­tas so­bre San­to André

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - CADU PROIETI

Pou­co co­nhe­ci­do na ci­da­de na elei­ção de 2012, Car­los Gra­na, que tem his­tó­ri­co em mo­vi­men­tos sin­di­cais e na épo­ca já era de­pu­ta­do es­ta­du­al pe­lo PT, con­se­guiu im­pe­dir a re­e­lei­ção do en­tão pre­fei­to Ai­dan Ra­vin (no PTB há qua­tro anos e ho­je no PSB) com a for­ça das cam­pa­nhas pe­tis­tas, que têm for­te his­tó­ri­co em San­to André. Nes­ta elei­ção, ele ten­ta mos­trar que o que foi fei­to du­ran­te sua ges­tão me­re­ce ter con­ti­nui­da­de. Ao Me­tro Jor­nal, o can­di­da­to fa­la do ce­ná­rio po­lí­ti­co, das es­tra­té­gi­as de cam­pa­nha, o que fez de bom e o que pre­ten­de me­lho­rar em um fu­tu­ro no­vo man­da­to.

Qual se­rá o fo­co da cam­pa­nha nes­te ano?

Vamos dar ên­fa­se e apre­sen­tar pa­ra a ci­da­de qu­ais fo­ram as re­a­li­za­ções do nos­so man­da­to e fo­car que qu­e­re­mos continuar me­lho­ran­do. O que nos va­li­da pa­ra ser can­di­da­to à re­e­lei­ção é a gen­te não in­ter­rom­per os pro­je­tos que es­tão em an­da­men­to. A ideia é de con­ti­nui­da­de pa­ra não abrir mão das con­quis­tas que ti­ve­mos. Te­rei seis can­di­da­tos ques­ti­o­nan­do meu man­da­to e irei fa­zer a de­fe­sa. Na elei­ção pas­sa­da vo­cê foi opo­si­ção ao go­ver­no. Des­ta vez, es­tá com a “má­qui­na” em mãos e seu tra­ba­lho es­ta­rá sob ava­li­a­ção e crí­ti­cas dos de­mais can­di­da­tos. Co­mo vai li­dar com es­sa tro­ca de po­si­ção? Ve­jo uma van­ta­gem, pois te­re­mos a opor­tu­ni­da­de de com­pa­rar o que foi o man­da­to de­le (Ai­dan Ra­vin) pa­ra a ci­da­de e o que es­tá sen­do o nos­so. Ve­jo is­so po­si­ti­va­men­te. Temos mui­to o que apre­sen­tar. Pa­ga­mos mais dí­vi­das do pas­sa­do, co­mo pre­ca­tó­ri­os, ti­ve­mos que­da na ati­vi­da­de econô­mi­ca e mes­mo as­sim não dei­xa­mos a ci­da­de parar.

Qu­ais os pon­tos po­si­ti­vos do go­ver­no que po­dem ser ex­plo­ra­dos na cam­pa­nha?

Nos­sa pro­je­ção é con­cluir 85% do pla­no de go­ver­no até o final do man­da­to. Is­so em vá­ri­as áre­as. Em mo­bi­li­da­de ur­ba­na ve­jo um gran­de avan­ço, com re­no­va­ção da fro­ta (de ôni­bus), bi­lhe­te úni­co, pas­se es­co­lar gra­tui­to, GPS nos ôni­bus, o City­mo­bi­le, que é um apli­ca­ti­vo que de­fi­ne o horário em que vai pas­sar o ôni­bus no pon­to, cor­re­do­res ex­clu­si­vos. Ti­ve­mos bons avan­ços. Na edu­ca­ção, am­pli­a­mos o horário das es­co­las em mais du­as ho­ras. Tam­bém ti­ve­mos o “OP (Or­ça­men­to Par­ti­ci­pa­ti­vo) Cri­an­ça”, que nos le­vou a ser pre­mi­a­dos en­tre as seis melhores prá­ti­cas do Bra­sil pe­la Fun­da­ção Abrinq. Im­ple­men­ta­mos mais ati­vi­da­des, prin­ci­pal­men­te o pro­gra­ma “Música na Es­co­la”, em que as cri­an­ças le­vam, in­clu­si­ve, os ins­tru­men­tos pa­ra ca­sa. Antes os pro­fes­so­res eram tem­po­rá­ri­os e con­tra­ta­mos pra­ti­ca­men­te 2 mil no­vos pro­fis­si­o­nais pa­ra nos­sa re­de. Ago­ra eles são con­cur­sa­dos. Tam­bém temos o pro­gra­ma de cre­ches. En­tre­ga­mos qua­tro novas e temos outras seis em an­da­men­to que de­vem ser con­cluí­das em cur­to es­pa­ço de tem­po. Ou se­ja, au­men­tou em mais de 2 mil novas va­gas em cre­che. Na saú­de, es­ta­mos trans­for­man­do os PAs (Pron­to-Aten­di­men­tos) an­ti­gos em UPAs (Uni­da­des de Pron­to-Aten­di­men­to). Já fi­ze­mos is­so no Cen­tro e es­ta­mos em pro­ces­so de con­clu­são pa­ra fa­zer o mes­mo na Vi­la Lu­zi­ta. Pre­ten­de­mos continuar es­se pro­gra­ma no Ban­gu. E vamos inau­gu­rar a UPA Es­pe­ci­a­li­da­des em bre­ve, que é o gar­ga­lo (da saú­de). Temos boa re­de de uni­da­des de Saú­de da Fa­mí­lia, de UBSs (Uni­da­des Bá­si­cas de Saú­de), um bom ser­vi­ço de pron­to-aten­di­men­to, com a re­for­ma do CHM (Cen­tro Hos­pi­ta­lar Mu­ni­ci­pal), am­pli­a­mos o pro­gra­ma Mais Mé­di­cos, que deu sal­to de qua­li­da­de. Ago­ra pre­ci­sa­mos in­ten­si­fi­car o tra­ba­lho

‘A IDEIA É DE CON­TI­NUI­DA­DE PA­RA NÃO ABRIR MÃO DAS CON­QUIS­TAS’

nas es­pe­ci­a­li­da­des. A gen­te pre­ci­sa avan­çar nos exa­mes mais com­ple­xos. Por is­so, a ideia de trans­for­mar a UPA da Pe­ri­me­tral em es­pe­ci­a­li­da­des. Além das ino­va­ções, temos o com­ba­te à vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e a Se­cre­ta­ria dos Direitos Hu­ma­nos, que dá su­por­te aos hai­ti­a­nos da ci­da­de. Em mo­ra­dia, tal­vez se­ja o mai­or pro­gra­ma de ha­bi­ta­ção da ci­da­de. En­tre­ga­mos mais de 2 mil mo­ra­di­as e vamos fi­na­li­zar outras 500 até o fim do ano. Vamos con­cluir o que es­ta­va no pro­gra­ma de go­ver­no, que era 3 mil novas uni­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais.

E qu­ais os pon­tos ne­ga­ti­vos que os ad­ver­sá­ri­os po­dem apon­tar ?

Eles vão ter tem­po de so­bra pa­ra apon­tar e eu vou sem­pre des­ta­car o que fiz de po­si­ti­vo. Mas re­co­nhe­ço que a gen­te tem al­gu­mas de­bi­li­da­des. Co­mo ci­tei, pre­ci­sa­mos am­pli­ar es­sa re­de de es­pe­ci­a­li­da­des e di­mi­nuir es­se tem­po de es­pe­ra. Com cer­te­za, a saú­de é sem­pre um te­ma que se­rá ques­ti­o­na­do. Acho que, sem dú­vi­da, vão que­rer ques­ti­o­nar es­sa de­mo­ra pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas. A gen­te não tem ofer­ta pa­ra aten­der es­sa gran­de de­man­da da ci­da­de, que não é só de San­to André. Tem mui­ta gen­te que vem da zo­na les­te de São Pau­lo pa­ra cá.

As atu­ais ges­tões so­fre­ram com cor­tes de ver­bas de pro­gra­mas fe­de­rais e es­ta­du­ais. Co­mo fa­zer um go­ver­no me­lhor com me­nos ver­ba nos co­fres mu­ni­ci­pais?

O ABC é o pri­mei­ro que so­fre com a de­sa­ce­le­ra­ção econô­mi­ca, mas tam­bém é o pri­mei­ro a sair. En­tão, te­nho expectativa de me­lho­ra na eco­no­mia da re­gião ain­da nes­te se­mes­tre. Temos pro­je­tos em an­da­men­to, in­de­pen­den­te de quem es­tá à fren­te do go­ver­no fe­de­ral. Po­dem até re­tar­dar, mas não po­dem ser des­con­ti­nu­a­dos. Tam­bém vou bus­car mais re­cur­sos no mu­ni­cí­pio. No pri­mei­ro man­da­to, fiz dois pro­gra­mas de re­fi­nan­ci­a­men­to de dí­vi­das, mas acre­di­to que foi pou­ca a ade­são. Ago­ra, se­re­mos mais en­fá­ti­cos na co­bran­ça de de­ve­do­res. Temos um or­ça­men­to e meio em dí­vi­das do mu­ni­cí­pio, al­go em tor­no de R$ 1,8 bi­lhão, e nos­so or­ça­men­to é de R$ 1,2 bi­lhão de re­cur­sos pró­pri­os. En­tão, vamos fa­zer es­for­ço pa­ra re­cu­pe­rar es­ses re­cur­sos que são da ci­da­de. Vamos par­ce­lar, ju­di­ci­a­li­zar. Vou ser mais enér­gi­co em re­la­ção àque­les que de­vem.

Nes­te ano, a pre­fei­tu­ra dei­xou de en­tre­gar uni­for­me aos alu­nos. Por que is­so acon­te­ceu e o que pre­ten­de fa­zer pa­ra que as cri­an­ças vol­tem a re­ce­ber as pe­ças?

O mo­de­lo tem que ser al­te­ra­do. A gen­te só con­se­gue en­tre­gar uni­for­me no meio do ano, quan­do fi­ca pron­to, em ju­lho. Is­so acon­te­ceu co­mi­go, com meu an­te­ces­sor e vai acon­te­cer com qual­quer ou­tro pre­fei­to que as­su­ma nes­se mo­de­lo atu­al. Em par­ti­cu­lar nes­te ano, ti­nha cer­te­za que iria ser acu­sa­do de en­tre­gar uni­for­me só por­que é vés­pe­ra da elei­ção. Fi­ze­mos es­sa op­ção com o ris­co de ser ques­ti­o­na­do. Es­ta­mos pla­ne­jan­do pa­ra que os alu­nos re­ce­bam, pu­lan­do es­te ano, o uni­for­me em fe­ve­rei­ro, quan­do começam as au­las. Es­se mo­de­lo é ques­ti­o­na­do pe­lo TCE (Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do). En­tão vai pas­sar a fa­zer li­ci­ta­ção por item, que é mais de­mo­ra­do. Vamos or­ga­ni­zar já pa­ra os alu­nos re­ce­be­rem no iní­cio. Tam­bém tem as ques­tões econô­mi­cas. O TCE não re­co­nhe­ce o uni­for­me co­mo ver­ba den­tro dos 25% (pa­ra a Edu­ca­ção). Co­mo eu po­de­ria ser acu­sa­do de fa­zer uso elei­to­ral da en­tre­ga, de­ci­di­mos não fa­zer. San­to André ain­da so­fre com fal­ta de água mes­mo de­pois do fim da cri­se hí­dri­ca. Qual a pro­pos­ta pa­ra me­lho­rar o for­ne­ci­men­to? A Sa­besp não au­men­tou, pe­lo con­trá­rio, di­mi­nui a quan­ti­da­de de água pa­ra San­to André. A solução a gen­te en­con­trou, que é cons­truir a nos­sa es­ta­ção de tra­ta­men­to de água. O que fal­tou pa­ra ini­ci­ar foi a vin­da dos re­cur­sos fe­de­rais. Acre­di­ta­mos que atra­sou, mas se­rá li­be­ra­do (o di­nhei­ro). Com a no­va es­ta­ção, su­bi­mos a ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de 5% pa­ra 25%. A ci­da­de cres­ceu, au­men­tou o con­su­mo, mas não au­men­tou a ofer­ta de água. E temos de­pen­dên­cia gran­de da Sa­besp. O ca­mi­nho (pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma) foi fei­to. A li­ci­ta­ção es­tá pron­ta, fal­ta a ver­ba. Co­mo pre­ten­de to­car a ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da bi­li­o­ná­ria com a Sa­besp em um pró­xi­mo man­da­to? Es­tá em âm­bi­to ju­di­ci­al. Eles in­ter­rom­pe­ram a ne­go­ci­a­ção, in­clu­si­ve pe­di­ram mi­nha pri­são. Fui ao STF (Su­pe­ri­or Tri­bu­nal Fe­de­ral), cas­sei es­se pe­di­do de­les, e, ao mes­mo tem­po, re­a­bri o diá­lo­go com o pre­si­den­te da Sa­besp. Tam­bém es­ta­mos con­sul­tan­do o Ca­de (Con­se­lho Administrativo de De­fe­sa Econô­mi­ca) pa­ra sa­ber se há ou não abu­so na co­bran­ça da ta­ri­fa. Es­pe­ro, em uma se­gun­da ges­tão, che­gar a um acor­do com a Sa­besp. Pau­li­nho Ser­ra e Rai­mun­do Salles fo­ram se­cre­tá­ri­os do seu go­ver­no e saí­ram da pre­fei­tu­ra pa­ra se can­di­da­ta­rem ao Pa­ço. Por que is­so acon­te­ceu? Saí­ram por­que ca­da um de­les ti­nha a von­ta­de de dis­pu­tar o car­go de pre­fei­to, e is­so é le­gí­ti­mo.

Vo­cê se sen­tiu traí­do? Não. Se de­pen­des­se da mi­nha von­ta­de, eles es­ta­ri­am até ago­ra co­mi­go. Mas é le­gí­ti­mo da par­te de­les que­re­rem meu lu­gar, e eu vou de­fen­der meu car­go.

Qual se­rá a es­tra­té­gia pa­ra fa­zer uma cam­pa­nha com me­nos tem­po e di­nhei­ro? É apos­tar na mi­li­tân­cia. Temos apoio de 11 par­ti­dos, e is­so vai aju­dar bas­tan­te. O que vai fa­zer a di­fe­ren­ça são três “s”: sa­be­do­ria, sa­li­va e so­la de sa­pa­to. As re­des so­ci­ais se­rão im­por­tan­tes tam­bém. Dis­se­mi­nar a in­for­ma­ção pe­las mí­di­as ele­trô­ni­cas é um gran­de di­fe­ren­ci­al, tem um al­can­ce ins­tan­tâ­neo. Acre­di­ta que a La­va Ja­to tenha efei­to na elei­ção mu­ni­ci­pal? Tem um des­gas­te da po­lí­ti­ca. É ine­gá­vel. Mas quan­do se tra­ta de uma elei­ção mu­ni­ci­pal, o elei­tor quer sa­ber o que vamos re­sol­ver na nos­sa ci­da­de. O de­ba­te é mui­to lo­cal. A in­fluên­cia na­ci­o­nal acho que é mui­to pe­que­na. Acha que o PT en­tra fra­gi­li­za­do na disputa? Não. Tem que ha­ver co­e­rên­cia. Con­ti­nuo acre­di­tan­do no PT. Em cer­to mo­men­to, al­guns in­te­gran­tes do par­ti­do aca­ba­ram en­tran­do pa­ra mu­dar a po­lí­ti­ca, mas a po­lí­ti­ca ve­lha to­mou con­ta de al­gu­mas pes­so­as. Eu vou continuar lu­tan­do pa­ra que a gen­te con­ti­nue tra­ba­lhan­do nos prin­cí­pi­os do PT. Não mu­dei de par­ti­do. Tem gen­te que mu­da de par­ti­do co­mo se fos­se mu­dar de ti­me de futebol. As pes­so­as es­tão aten­tas a is­so. Se­ria in­co­e­rên­cia da mi­nha par­te di­zer que por ra­zões elei­to­rais vou mu­dar de par­ti­do. Não sou can­di­da­to ape­nas do PT, temos 11 par­ti­dos. Na úl­ti­ma elei­ção eram 6. En­tão, temos um ar­co de ali­an­ças. Es­tou tra­ba­lhan­do com to­dos os seg­men­tos da so­ci­e­da­de, sou can­di­da­to mais am­plo. Não te­nho que re­pre­sen­tar um par­ti­do, te­nho que re­pre­sen­tar um pro­je­to. As pes­so­as não abra­çam um par­ti­do, apoi­am uma cau­sa. E mi­nha cau­sa é dar con­ti­nui­da­de no que fi­ze­mos nes­ses 3 anos e meio. Con­ta com o Lu­la na cam­pa­nha? O Lu­la me dis­se uma vez, quan­do ga­nhei as elei­ções, que pa­ra a (pri­mei­ra) elei­ção ele ti­nha pe­so na ci­da­de, mas pa­ra uma pos­sí­vel re­e­lei­ção quem te­ria que mos­trar se­ria eu. (Em 2012) Eu não era co­nhe­ci­do, es­ta­va bus­can­do um es­pa­ço. Na elei­ção vo­cê é jul­ga­do pe­lo que vo­cê re­a­li­zou na ci­da­de. En­tão, meu le­ga­do é meu go­ver­no, o que fiz ou dei­xei de fa­zer e que ain­da pos­so fa­zer. E a Dil­ma, con­ta com ela ou acha que o pe­so na cam­pa­nha po­de ser ne­ga­ti­vo por con­ta do im­pe­a­ch­ment? Ela não veio na mi­nha cam­pa­nha pas­sa­da e já era pre­si­den­te. Vou dar ên­fa­se que fo­mos nós que re­a­li­za­mos as coi­sas. As pes­so­as que es­tão no go­ver­no têm um pe­so mui­to im­por­tan­te. Não qu­e­ro “ter­cei­ri­zar” mi­nha re­e­lei­ção. Tem que ser por mim mes­mo, pe­lo meu go­ver­no.

Se­re­mos mais en­fá­ti­cos na co­bran­ça de de­ve­do­res. Temos um or­ça­men­to e meio do mu­ni­cí­pio em dí­vi­da, al­go em tor­no de R$ 1,8 bi­lhão. E nos­so or­ça­men­to é de R$ 1,2 bi­lhão. Vamos fa­zer es­for­ço pa­ra re­cu­pe­rar es­ses re­cur­sos que são da ci­da­de.

Te­re­mos a opor­tu­ni­da­de de com­pa­rar o que foi o man­da­to do Ai­dan e o que es­tá sen­do o nos­so. Temos mui­to o que apre­sen­tar. Pa­ga­mos mais dí­vi­das do pas­sa­do, co­mo pre­ca­tó­ri­os, ti­ve­mos que­da na ati­vi­da­de econô­mi­ca e mes­mo as­sim não dei­xa­mos a ci­da­de parar.

Con­ti­nuo acre­di­tan­do no PT. Em cer­to mo­men­to, al­guns in­te­gran­tes do par­ti­do aca­ba­ram en­tran­do pa­ra mu­dar a po­lí­ti­ca, mas a po­lí­ti­ca ve­lha to­mou con­ta des­sas pes­so­as. Vou continuar lu­tan­do pa­ra que a gen­te con­ti­nue tra­ba­lhan­do nos prin­cí­pi­os do PT.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.