DIL­MA SE DE­FEN­DE > No Se­na­do, ela re­a­fir­mou ser al­vo de um ‘gol­pe’ e dis­se não ter co­me­ti­do os cri­mes pe­los qu­ais é acu­sa­da

Úl­ti­mo ato. Em de­poi­men­to ao Se­na­do, Dil­ma re­a­fir­ma que pro­ces­so é gol­pe – par­la­men­tar – de Es­ta­do e ne­ga ter co­me­ti­do ile­ga­li­da­des

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - FOTOS: FOLHAPRESS

Fren­te a fren­te com os juí­zes do pro­ces­so do im­pe­a­ch­ment, a pre­si­den­te afas­ta­da, Dil­ma Rous­seff, fez on­tem um du­ro dis­cur­so de de­fe­sa: afir­mou não ter co­me­ti­do cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de; dis­se ser ví­ti­ma de um gol­pe de Es­ta­do “par­la­men­tar”; re­lem­brou a pri­são e a tor­tu­ra so­fri­das du­ran­te a di­ta­du­ra; e de­cla­rou que só te­me “a mor­te da de­mo­cra­cia”. “Di­an­te das acu­sa­ções que con­tra mim são di­ri­gi­das nes­te pro­ces­so, não pos­so dei­xar de sen­tir, na bo­ca, no­va­men­te, o gos­to ás­pe­ro e amar­go da in­jus­ti­ça e do ar­bí­trio”, afir­mou.

Em 46 mi­nu­tos de pro­nun­ci­a­men­to da tri­bu­na do Se­na­do, a pe­tis­ta man­dou re­ca­dos. Re­pe­tin­do que a con­de­na­ção sem cri­me con­fi­gu­ra­ria um gol­pe, apon­tou pa­ra o go­ver­no Te­mer. “O re­sul­ta­do se­rá um go­ver­no usur­pa­dor. Um go­ver­no que não tem mu­lhe­res, que dis­pen­sa os ne­gros e ma­ni­fes­ta des­pre­zo pe­lo pro­gra­ma es­co­lhi­do pe­lo po­vo em 2014.”

Dil­ma atri­buiu a cri­se econô­mi­ca no país, que exi­giu uma mu­dan­ça na po­lí­ti­ca fis­cal, ao ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal, à cri­se hí­dri­ca e, so­bre­tu­do, às di­fi­cul­da­des im­pos­tas pe­lo Con­gres­so. “Não se pro­cu­rou dis­cu­tir e apro­var uma me­lhor pro­pos­ta pa­ra o país. O que se pre­ten­deu foi a afir­ma­ção do ‘quan­to pi­or, me­lhor’.”

A pre­si­den­te afas­ta­da atri­buiu o des­gas­te po­lí­ti­co do go­ver­no a se­to­res da “eli­te con­ser­va­do­ra” e dis­se ser ví­ti­ma de uma “chan­ta­gem ex­plí­ci­ta”. “En­con­tra­ram, na pes­soa do ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos Edu­ar­do Cu­nha o vér­ti­ce da sua ali­an­ça gol­pis­ta”, ata­cou.

Dil­ma se emo­ci­o­nou por du­as ve­zes du­ran­te o dis­cur­so: ao fa­lar das tor­tu­ras na di­ta­du­ra mi­li­tar e ao men­ci­o­nar o câncer; e ao lem­brar a Co­pa do Mun­do e a Olím­pi­a­da co­mo con­quis­tas do PT. De­fe­sa téc­ni­ca So­bre as de­nún­ci­as, Dil­ma ne­gou ir­re­gu­la­ri­da­des na edi­ção de três de­cre­tos de su­ple­men­ta­ção or­ça­men­tá­ria sem aval do Con­gres­so. Ela afir­mou que a au­to­ri­za­ção foi da­da pe­la LDO (Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as) e não trou­xe pre­juí­zos.

A pe­tis­ta afir­mou ain­da que des­de 1992 o pre­si­den­te não é res­pon­sá­vel di­re­ta pe­la exe­cu­ção do Pla­no Sa­fra.

Dil­ma tam­bém afas­tou ter co­me­ti­do ato ilí­ci­to na prá­ti­ca de atra­sar pa­ga­men­tos a ban­cos pú­bli­cos de re­cur­sos des­ti­na­dos a pro­gra­mas so­ci­ais, ba­ti­za­das de pe­da­la­das fis­cais. Vol­tou a di­zer que nem o TCU (Tri­bu­nal de Con­tas da União) nem o Con­gres­so fi­ze­ram aler­tas ou con­si­de­ra­ram as prá­ti­cas ile­gais em go­ver­nos an­te­ri­o­res.

Afir­mou que com o agra­va­men­to da cri­se econô­mi­ca hou­ve uma re­du­ção na ar­re­ca­da­ção de R$ 180 bi­lhões. Jus­ti­fi­cou que, pa­ra man­ter pro­gra­mas so­ci­ais, não fez no­vo con­tin­gen­ci­a­men­to após pe­dir a revisão da me­ta fis­cal.

DE­NÚN­CI­AS “Não pra­ti­quei ne­nhum cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de. Cas­sar em de­fi­ni­ti­vo meu man­da­to é co­mo me sub­me­ter a uma pe­na de mor­te po­lí­ti­ca”

COM­PA­RA­ÇÕES “O pre­si­den­te Ge­tú­lio Var­gas, que nos le­gou a CLT e a de­fe­sa do pa­trimô­nio na­ci­o­nal, so­freu uma im­pla­cá­vel per­se­gui­ção; a he­di­on­da tra­ma or­ques­tra­da pe­la ‘cha­ma­da “Re­pú­bli­ca do Ga­leão”, que o le­vou ao sui­cí­dio.”

RES­PON­SA­BI­LI­DA­DE “A ver­da­de é que o re­sul­ta­do elei­to­ral de 2014 foi um ru­de gol­pe em se­to­res da eli­te con­ser­va­do­ra bra­si­lei­ra.”

CONSEQUENCIAS “A de­ci­são po­de abrir pre­ce­den­tes pa­ra ou­tros pre­si­den­tes, go­ver­na­do­res e pre­fei­tos. Con­de­nar sem pro­vas subs­tan­ti­vas. Con­de­nar um ino­cen­te.”

LEM­BRAN­ÇA DA DI­TA­DU­RA “Não es­pe­rem de mim o ob­se­qui­o­so si­lên­cio dos co­var­des. No pas­sa­do, com as ar­mas, e ho­je, com a re­tó­ri­ca ju­rí­di­ca, pre­ten­dem no­va­men­te aten­tar con­tra a de­mo­cra­cia e con­tra o Es­ta­do do Di­rei­to.”

Dil­ma fa­lou por 46 mi­nu­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.