RAI­MUN­DO SALLES ‘NOS­SA ME­TA É FOR­TA­LE­CER O EN­SI­NO DE 0 A 14 ANOS’

Can­di­da­to do PPS faz crí­ti­cas às úl­ti­mas ges­tões em San­to An­dré, diz que saiu do go­ver­no Gra­na por ques­tões po­lí­ti­cas e que quer in­ves­tir na edu­ca­ção fun­da­men­tal na ci­da­de

Metro Brazil (ABC) - - Foco - CA­DU PROIETI ME­TRO ABC

Rai­mun­do Salles foi o ter­cei­ro can­di­da­to mais vo­ta­do pa­ra a pre­fei­tu­ra de San­to An­dré em 2012, com 48.744 vo­tos. Fo­ra da dis­pu­ta pe­lo se­gun­do tur­no, re­sol­veu apoi­ar Carlos Gra­na (PT) ao in­vés de Ai­dan Ra­vin (no PTB na­que­la oca­sião). Co­mo prê­mio, foi con­vi­da­do pa­ra co­man­dar a Se­cre­ta­ria de Cul­tu­ra, car­go que ocu­pou por 22 me­ses. Mas não foi a pri­mei­ra vez que Salles co­man­dou uma pas­ta. Ele já foi tam­bém se­cre­tá­rio de Go­ver­no de São Ber­nar­do e de Co­mu­ni­ca­ção de Mauá. Tam­bém não foi a pri­mei­ra elei­ção de­le, que já ha­via dis­pu­ta­do o plei­to mu­ni­ci­pal em 2008 - fi­cou em ter­cei­ro, com 70.918 vo­tos. Ago­ra, em sua ter­cei­ra ten­ta­ti­va de con­du­zir o Pa­ço, Salles pro­me­te en­xu­gar gas­tos pú­bli­cos e fa­zer uma ges­tão com trans­pa­rên­cia.

Qual é a ban­dei­ra da sua cam­pa­nha?

Sou re­sul­ta­do da edu­ca­ção. Saí de uma fa­mí­lia ex­tre­ma­men­te hu­mil­de, fui açou­guei­ro, ser­ven­te de pe­drei­ro, fei­ran­te, e che­guei a uma con­di­ção de ad­vo­ga­do e pro­fes­sor, uma pes­soa qua­li­fi­ca­da ao mer­ca­do pro­fis­si­o­nal por meio dos es­tu­dos. En­tão, só pos­so acre­di­tar que a edu­ca­ção é o ca­mi­nho. Se ela foi efe­ti­va e deu re­sul­ta­do na trans­for­ma­ção da mi­nha vi­da, di­go que mi­nha ban­dei­ra é a edu­ca­ção. Não só por eu ser pro­fes­sor há mais de 16 anos, mas o que fal­ta pa­ra o Bra­sil é um pro­ces­so ma­ci­ço de ofer­tar opor­tu­ni­da­des às pes­so­as. Elas nun­ca se­rão iguais, mas o as­pec­to de ofer­tar es­sa opor­tu­ni­da­de é im­por­tan­te. E não ve­jo ou­tra for­ma que não se­ja pe­la edu­ca­ção. Po­lí­ti­cas com­pen­sa­tó­ri­as, de ren­da mí­ni­ma, po­dem ser im­por­tan­tes pon­tu­al­men­te, mas não trans­for­mam a so­ci­e­da­de.

En­tão co­mo vo­cê acha que po­de me­lho­rar a edu­ca­ção na ci­da­de?

No ge­ral, nem tu­do é en­si­no de gra­du­a­ção. Tem que atu­ar no en­si­no téc­ni­co e, pri­o­ri­ta­ri­a­men­te, no en­si­no fun­dan­da­men­tal. Em uma ci­da­de com o or­ça­men­to em R$ 3,1 bi­lhões, nos­sa me­ta é, de fa­to, ze­rar es­se dé­fi­cit es­co­lar e, fun­da­men­tal­men­te, for­ta­le­cer o en­si­no de 0 a 14 anos. E tam­bém con­ve­ni­ar e ter apoio for­te ao en­si­no téc­ni­co. Não po­de­mos ter es­sa con­cep­ção de que to­do mun­do nas­ceu pa­ra ter gra­du­a­ção. O que o Fi­es e o Prou­ni (pro­gra­mas do go­ver­no fe­de­ral) pro­por­ci­o­na­ram foi en­tra­da enor­me no sis­te­ma uni­ver­si­tá­rio e no mer­ca­do de trabalho de pes­so­as que pen­sa­ram e qui­se­ram a gra­du­a­ção. Mas en­ten­do que is­so, por si só, não é su­fi­ci­en­te. Pre­ci­sa­mos de téc­ni­cos em to­das as áre­as. O en­si­no téc­ni­co é tão im­por­tan­te quan­to a gra­du­a­ção. Mas a ba­se de tu­do es­tá no en­si­no de 0 a 14 anos, es­pe­ci­al­men­te na pré-es­co­la, em que a vo­ca­ção do mu­ni­cí­pio é to­tal. En­tão, vou lu­tar pe­la ban­dei­ra que trans­for­mou mi­nha vi­da, que é a edu­ca­ção.

O que o le­vou a par­ti­ci­par do go­ver­no Gra­na e o que te fez sair?

Par­ti­ci­pei do go­ver­no Gra­na, não apoi­ei o PT. Dis­pu­tei a elei­ção no pri­mei­ro tur­no, per­di e um agen­te po­lí­ti­co não po­de fi­car em ci­ma do mu­ro, tem que to­mar uma po­si­ção. Por to­da a elei­ção fiz opo­si­ção a quem es­ta­va no po­der, que era o Ai­dan Ra­vin. Na elei­ção an­te­ri­or (de 2008), ti­nha apoi­a­do o Ai­dan no se­gun­do tur­no. Nes­sa elei­ção (2012), en­ten­di que o Ai­dan não ti­nha cum­pri­do su­as ta­re­fas, em es­pe­ci­al por es­tar en­vol­vi­do em mui­tas de­nún­ci­as de cor­rup­ção. E não ha­via es­pa­ço pa­ra que a gen­te con­ti­nu­as­se nes­se apoio ao Ai­dan, por is­so, apoi­ei o Gra­na. Pos­te­ri­or­men­te ele me cha­mou pa­ra ocu­par uma se­cre­ta­ria. Eu fiz a op­ção de ir pa-

ra a de Cul­tu­ra, que é a me­nor da pre­fei­tu­ra. Lá fiz um bom trabalho por 22 me­ses. Quan­do ele deu uma en­tre­vis­ta di­zen­do que quem es­ta­va no go­ver­no ti­nha que apoi­ar a Dil­ma (na elei­ção pre­si­den­ci­al) e o Ale­xan­dre Pa­di­lha (na es­ta­du­al), ime­di­a­ta­men­te apre­sen­tei mi­nha car­ta de de­mis­são a ele di­zen­do que eu não ti­nha ne­nhum ti­po de com­pro­mis­so com o PT, que iria apoi­ar o Aé­cio (Ne­ves, do PSDB), o (Ge­ral­do) Alck­min (tam­bém do PSDB) e o (Alex) Ma­nen­te (que foi elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo PPS na oca­sião), o que de fa­to se con­fi­gu­rou. A pes­soa tem que ter uma po­si­ção po­lí­ti­ca. Di­fe­ren­te­men­te do Pau­li­nho Ser­ra, que con­ti­nu­ou no go­ver­no mes­mo com o Gra­na sa­li­en­tan­do que quem fi­cas­se de­ve­ria apoi­ar a Dil­ma e o Pa­di­lha. O Pau­li­nho fi­cou mais um ano. Fi­quei 22 me­ses, fiz um bom trabalho, fiz o que pu­de.

O que acha que po­de fa­zer me­lhor que a atu­al ges­tão?

A pri­mei­ra coi­sa é ges­tão. San­to An­dré já foi uma ci­da­de que te­ve um or­ça­men­to pá­reo ao de São Ber­nar­do, um or­ça­men­to con­sis­ten­te, com grau de in­ves­ti­men­to subs­tan­ci­al. Tí­nha­mos uma ci­da­de com to­das as con­di­ções pa­ra ser di­fe­ren­ci­a­da das ou­tras. O que a gen­te viu nes­se pe­río­do to­do foi um al­to grau de en­di­vi­da­men­to por dois fa­to­res: um “em­pre­guis­mo” de­sen­fre­a­do, in­cha­ço da má­qui­na pú­bli­ca e cons­tan­tes es­cân­da­los en­vol­ven­do su­per­fa­tu­ra­men­to das obras e das con­tra­ta­ções da pre­fei­tu­ra, tan­to no go­ver­no Ai­dan quan­to no do Gra­na. O que a gen­te tem vis­to aqui em San­to An­dré é aque­la má­xi­ma de que pa­ra o po­der pú­bli­co na­da ter­mi­na no preço e nem no pra­zo, jus­ta­men­te por­que es­ses go­ver­nos, ao ad­mi­nis­tra­rem mal, têm com­pra­do in­su­mos e ser­vi­ços aci­ma do preço. En­tão, o pro­ble­ma de San­to An­dré não es­tá na ar­re­ca­da­ção, mas na for­ma de gas­tar. Com ra­ci­o­na­li­za­ção do gas­to, ges­tão vol­ta­da a um pro­ces­so ge­ren­ci­al de pla­ne­ja­men­to, se­ria pos­sí­vel fa­zer a di­fe­ren­ça com ab­so­lu­ta cer­te­za. Mas a mi­nha “me­ni­na dos olhos” é um por­tal de trans­pa­rên­cia. Ele te­ria que ser ab­so­lu­ta­men­te aber­to em to­dos os se­to­res da pre­fei­tu­ra, in­clu­si­ve so­bre o es­to­que. Não ve­jo sen­ti­do em a pre­fei­tu­ra não ter uma au­di­to­ria ex­ter­na com um por­tal de trans­pa­rên­cia que se­ja exem­plo pa­ra o Bra­sil. Es­se é o meu com­pro­mis­so: um por­tal de trans­pa­rên­cia com to­das as in­for­ma­ções de flu­xo de com­pras, quan­to gas­ta, quan­to re­ce­be, o que tem no es­to­que. Pa­ra que nós, jun­to com a po­pu­la­ção e a im­pren­sa, pos­sa­mos es­tar vi­gi­an­do e acom­pa­nhan­do a apli­ca­ção dos re­cur­sos pú­bli­cos.

Co­mo in­ves­tir no atu­al ce­ná­rio de cor­tes de ver­ba fe­de­ral e es­ta­du­al?

Não acho que o pro­ble­ma da pre­fei­tu­ra es­te­ja no que ar­re­ca­da, es­tá na for­ma co­mo gas­ta. Quan­do vo­cê vê es­cân­da­los co­mo o da Pe­tro­bras, em que se­to­res ou em­pre­sas pú­bli­cas pa­gam até qua­tro ve­zes mais por um bem ou ser­vi­ço, o que es­tá em jo­go não é a dis­cus­são de am­pli­ar a ba­se de ar­re­ca­da­ção, e sim a ra­ci­o­na­li­za­ção dos gas­tos. Acho que no Bra­sil, co­mo na pre­fei­tu­ra, se gas­ta mal, su­per­fa­tu­ram, fa­zem com que nós, ci­da­dãos, te­nha­mos que ar­car com cus­to que po­de­ria ser re­du­zi­do se hou­ves­se trans­pa­rên­cia e ho­nes­ti­da­de na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. Ve­jo ho­je que as ad­mi­nis­tra­ções que pas­sa­ram por San­to An­dré são de­so­nes­tas.

Co­mo re­sol­ver a cri­se hí­dri­ca, que per­du­ra até o ho­je na ci­da­de?

Pro­du­zi­mos só 4% da água dis­tri­buí­da em San­to An­dré e com­pra­mos a mai­or par­te da Sa­besp, que tem cré­di­to com San­to An­dré em tor­no de R$ 3,5 bi­lhões. A Sa­besp não in­ves­tiu nas li­nhas tron­cos, em bom­be­a­men­to e no­vos re­ser­va­tó­ri­os na ci­da­de. O re­sul­ta­do dis­so é que hou­ve aden­sa­men­to de­mo­grá­fi­co e mui­tas ca­sas an­ti­gas de vi­las vi­ra­ram pré­di­os pe­que­nos. Ca­sas em que mo­ra­vam três, qua­tro pes­so­as ho­je têm pré­di­os com 8 apar­ta­men­tos. Es­se aden­sa­men­to le­vou uma de­man­da de con­su­mo de água mai­or, mas os ins­tru­men­tos de bom­be­a­men­to e a con­du­ção de água, prin­ci­pal­men­te em pon­tos mais al­tos, con­ti­nu­a­ram os mes­mos. É im­pres­si­o­nan­te es­se aden­sa­men­to, prin­ci­pal­men­te em bair­ros co­mo Vi­la Pi­res e Vi­la As­sun­ção. Co­mo o Se­ma­sa é mu­ni­ci­pal, acho que te­mos de dis­cu­tir com a so­ci­e­da­de qual o for­ma­to de ges­tão que qu­e­re­mos pa­ra o fu­tu­ro.

Pre­ten­de pas­sar a ges­tão da água pa­ra a Sa­besp?

Tem que ser dis­cu­ti­do, sa­ber de que for­ma pa­gar is­so. Ho­je, ca­da ci­da­dão an­dre­en­se de­ve apro­xi­ma­da­men­te R$ 40 mil de água. So­mos cer­ca de 800 mil e a dí­vi­da é de R$ 3,6 bi­lhões. Se fi­zer uma di­vi­são, dá qua­se R$ 40 mil por ha­bi­tan­te. É um va­lor ex­tre­ma­men­te al­to e que le­va as pes­so­as a uma pro­fun­da re­fle­xão de co­mo re­sol­ver es­sa ques­tão. Is­so im­pe­de, in­clu­si­ve, que pos­sa­mos ter qua­li­da­de na dis­tri­bui­ção de água de for­ma con­sis­ten­te e tran­qui­la.

En­tão é pos­sí­vel que a Sa­besp ge­ren­cie a água em seu go­ver­no?

O Se­ma­sa vai ter que me res­pon­der is­so. Os téc­ni­cos vão ter que me fa­lar qual a so­lu­ção. Se cri­ou a dí­vi­da, tem que pa­gar. Só o au­men­to da ta­ri­fa não bas­ta, se­ria pe­na­li­zar pe­la se­gun­da vez a po­pu­la­ção, que já pa­gou a água no dia cer­to.

Ho­je vo­cê acha que bri­ga por qual elei­to­ra­do?

Meu elei­to­ra­do sem­pre foi di­vi­di­do. Eles es­tão tan­to na pe­ri­fe­ria quan­to na clas­se mé­dia. Tam­bém não es­tou pre­o­cu­pa­do com os ad­ver­sá­ri­os. Quem se pre­o­cu­pa com os ad­ver­sá­ri­os não pen­sa em ga­nhar as elei­ções. Es­tou pre­o­cu­pa­do em fa­zer uma cam­pa­nha lim­pa, de­cen­te, trans­pa­ren­te e com pro­pos­tas.

Há pos­si­bi­li­da­de de ser se­cre­tá­rio no­va­men­te ca­so não se­ja elei­to?

Não con­to com a hi­pó­te­se de não ser elei­to. Já ti­nha afir­ma­do que não tenho a me­nor in­ten­ção em ocu­par car­gos de se­cre­ta­ria. Não tenho es­sa von­ta­de mais. Acho que já ser­vi, fiz o que eu pu­de. Acre­di­to que vou fa­zer uma cam­pa­nha ba­ca­na, tran­qui­la, com bas­tan­te pro­pos­tas e cer­ta­men­te se­rá vi­to­ri­o­sa.

Co­mo fa­zer cam­pa­nha cur­ta e com me­nos di­nhei­ro?

Cam­pa­nha pe­que­na, com o pé no chão. Fi­ze­mos chapa pu­ra, não acre­di­ta­mos em co­a­li­zão. Es­se pro­ces­so só traz con­fu­são e ba­gun­ça. Fi­ze­mos chapa bem en­xu­ta e va­mos fa­zer cam­pa­nha bem pé no chão mes­mo, in­do pa­ra a rua, fa­lan­do com as pes­so­as. Na elei­ção pas­sa­da, mais de 510 pre­fei­tos fo­ram cas­sa­dos. Só em São Paulo, tem mais de 40 pre­fei­tos com man­da­do de se­gu­ran­ça pa­ra ter­mi­nar o go­ver­no. Acho que vai ser uma elei­ção com bas­tan­te ju­di­ci­a­li­za­ção. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co en­trou com ação con­tra o Ai­dan e o Gra­na, e o juiz tem to­tal au­to­no­mia pa­ra jul­gá-los.

A cam­pa­nha po­de ir pa­ra o la­do ju­di­ci­al?

Tenho ab­so­lu­ta cer­te­za

Em 2012, se lan­çou pe­lo PDT. Ho­je es­tá no PPS. Por que tro­cou de par­ti­do?

O PDT re­sol­veu fi­car com a Dil­ma, e eu não ti­nha con­di­ções po­lí­ti­cas de fi­car com ela. É sim­ples. E o PPS é um par­ti­do que não tem se­quer um de­pu­ta­do men­ci­o­na­do em La­va Ja­to ou ou­tra coi­sa, di­fe­ren­te do PT e do PDT.

Por que se con­si­de­ra mais ca­pa­ci­ta­do que os ou­tros can­di­da­tos à pre­fei­tu­ra?

Pri­mei­ro é a ex­pe­ri­ên­cia ad­mi­nis­tra­ti­va. Fo­ram 12 anos co­mo se­cre­tá­rio em vá­ri­as pre­fei­tu­ras. De­pois a ida­de. Com 53 anos, a gen­te vai to­man­do cons­ci­ên­cia do nos­so pa­pel so­ci­al e is­so faz com que a gen­te ama­du­re­ça. O ter­cei­ro as­pec­to é a na­tu­re­za téc­ni­ca. Eu me pre­pa­rei, es­tu­dei, en­ten­di a ci­da­de, con­se­gui for­ma­tar um pen­sa­men­to que ao ser co­lo­ca­do em prá­ti­ca, por meio do pla­no de go­ver­no, po­de­rá aju­dar a ci­da­de a sair des­sa si­tu­a­ção que es­tá ho­je.

Não acho que o pro­ble­ma da pre­fei­tu­ra es­te­ja no que ar­re­ca­da. Es­tá na for­ma co­mo gas­ta, co­mo em es­cân­da­los co­mo o da Pe­tro­bras, em que se­to­res ou em­pre­sas pú­bli­cas pa­gam até 4 ve­zes mais em uma com­pra. A dis­cus­são é so­bre a ra­ci­o­na­li­za­ção dos gas­tos pú­bli­cos.” Não po­de­mos ter es­sa con­cep­ção de que to­do mun­do nas­ceu pa­ra ter gra­du­a­ção. En­ten­do que is­so, por si só, não é su­fi­ci­en­te. Pre­ci­sa­mos de mais téc­ni­cos em to­das as áre­as. O en­si­no téc­ni­co é tão im­por­tan­te quan­to a gra­du­a­ção.” Quan­do o Gra­na deu en­tre­vis­ta di­zen­do que quem es­ta­va no go­ver­no ti­nha que apoi­ar a Dil­ma e o Ale­xan­dre Pa­di­lha, ime­di­a­ta­men­te apre­sen­tei mi­nha car­ta de de­mis­são di­zen­do que eu não ti­nha ne­nhum ti­po de com­pro­mis­so com o PT.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.