Ajus­tes de­man­dam reu­ni­fi­ca­ção da ba­se

Si­glas que vo­ta­ram pe­lo im­pe­a­ch­ment co­bram pro­mes­sas pa­ra man­ter apoio

Metro Brazil (ABC) - - Brasil - RAPHA­EL VELEDA

Os ali­a­dos do pre­si­den­te efe­ti­vo Mi­chel Te­mer (PMDB) con­se­gui­ram reu­nir mais de dois ter­ços dos par­la­men­ta­res nas vo­ta­ções do im­pe­a­ch­ment na Câ­ma­ra e no Se­na­do, mas os in­te­res­ses ago­ra são ou­tros, e não há ga­ran­tia de apoio su­fi­ci­en­te pa­ra a apro­va­ção dos ajus­tes pro­me­ti­dos.

Es­pe­ran­do ace­le­rar a dis­cus­são em tor­no de me­di­das co­mo a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia So­ci­al e o li­mi­te de gas­tos anu­ais pa­ra o go­ver­no – prin­ci­pais ban­dei­ras do ajus­te –, o go­ver­no pre­ci­sa­rá de ha­bi­li­da­de pa­ra man­ter na ba­se seu prin­ci­pal par­cei­ro, o PSDB.

Os tu­ca­nos mos­tra­ram mui­ta in­sa­tis­fa­ção com o apoio de pe­e­me­de­bis­tas à vo­ta­ção que man­te­ve os di­rei­tos po­lí­ti­cos da ago­ra ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff (PT). “O PMDB co­me­ça seu go­ver­no fa­zen­do com o PSDB o que o PT fa­zia com eles”, re­cla­mou o se­na­dor Cás­sio Cunha Li­ma (PB), lí­der do PSDB no Se­na­do. “Não se cons­trói re­la­ção po­lí­ti­ca des­sa for­ma”, ame­a­çou. Gu­er­ra do di­nhei­ro A re­la­ção com os tu­ca­nos po­de aze­dar se o go­ver­no não dei­xar de au­men­tar gas­tos (o re­a­jus­te aos mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, com efei­to cas­ca­ta no Ju­di­ciá­rio, es­tá na mi­ra). Do la­do opos­to, ou­tros par­ti­dos da ba­se exi­gem re­cur­sos, em es­pe­ci­al os do cha­ma­do “cen­trão”, que es­tão ma­go­a­dos des­de que o Pla­nal­to aju­dou a ele­ger Rodrigo Maia (DEM-RJ) pa­ra a pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra.

“Ao mes­mo tem­po em que dá for­ça po­lí­ti­ca, o fim da in­te­ri­ni­da­de obri­ga Te­mer a me­xer de no­vo no acer­to da ba­se”, ava­lia o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Da­vid Fleis­cher, da UnB (Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia). Sem au­men­to de im­pos­tos Ho­mem for­te de um go­ver­no fo­ca­do na eco­no­mia, o mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, pro­je­tou on­tem ce­ná­rio em sin­to­nia com o PSDB. Após en­tre­gar o pro­je­to da Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as ao Con­gres­so, Mei­rel­les dis­se que o Exe­cu­ti­vo não pro­je­ta au­men­to de im­pos­tos e pre­viu sa­lá­rio mí­ni­mo sem re­a­jus­te re­al.

O mi­nis­tro dis­se que, ape­sar da re­ces­são pre­vis­ta pa­ra es­te ano, o país vai vol­tar a cres­cer em 2017. “Te­re­mos a re­cu­pe­ra­ção já do mer­ca­do de trabalho.”

“Va­mos con­tes­tar o ter­mo de gol­pis­ta. Gol­pis­tas são eles, que pro­põem a rup­tu­ra cons­ti­tu­ci­o­nal. Não va­mos le­var ofen­sa pa­ra ca­sa.” MI­CHEL TE­MER, ORI­EN­TAN­DO OS MI­NIS­TROS A RE­BA­TER AS CRÍ­TI­CAS “Es­ta­mos vi­a­jan­do exa­ta e pre­ci­sa­men­te pa­ra re­ve­lar aos olhos do mun­do que te­mos es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca.” MI­CHEL TE­MER, EX­PLI­CAN­DO OS MO­TI­VOS DA VI­A­GEM AO EX­TE­RI­OR

| PE­DRO LA­DEI­RA/FO­LHA­PRESS

Mei­rel­les, ho­mem-for­te do go­ver­no, cum­pri­men­ta Te­mer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.