POR 61 VO­TOS A 20, SE­NA­DO APRO­VA O IM­PE­A­CH­MENT DE DIL­MA ROUS­SEFF, MAS PRE­SER­VA SEUS DI­REI­TOS PO­LÍ­TI­COS. MI­CHEL TE­MER É EM­POS­SA­DO E VAI À CHI­NA CO­MO O 37º PRE­SI­DEN­TE DAHISTÓRIA DO BRA­SIL.

Por 61 a 20, Se­na­do apro­va im­pe­a­ch­ment, mas ex-pre­si­den­te man­tém os di­rei­tos po­lí­ti­cos. Pe­la pri­mei­ra vez, Re­nan Ca­lhei­ros re­ve­lou sua po­si­ção - a fa­vor do afas­ta­men­to

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - MAR­CE­LO FREI­TAS

A bi­o­gra­fia da pri­mei­ra mu­lher pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pas­sa a re­gis­trar o se­gun­do im­pe­a­ch­ment da his­tó­ria do país em 24 anos. Às 13h35 de on­tem, Dil­ma Rous­seff foi cas­sa­da pe­lo Se­na­do – 61 se­na­do­res afir­ma­ram que ela co­me­teu cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de; 20 fo­ram con­tra. O pre­si­den­te do Se­na­do, Re­nan Ca­lhei­ros (PMDB-AL), vo­tou pe­la pri­mei­ra vez – e pe­la cas­sa­ção; Tel­má­rio Mot­ta (PDT-RR) mu­dou de po­si­ção e se ali­nhou aos an­ti-Dil­ma. Ali­a­dos de Dil­ma não con­se­gui­ram re­ver­ter ne­nhum vo­to.

Mi­chel Te­mer as­su­me até 31 de de­zem­bro de 2018. Se­rá o ter­cei­ro po­lí­ti­co do PMDB al­ça­do ao car­go sem ser o prin­ci­pal ator no tes­te das ur­nas. Em 1989, Jo­sé Sar­ney as­su­miu de­vi­do à mor­te de Tan­cre­do Ne­ves. Em 1992, Ita­mar Fran­co foi em­pos­sa­do após a de­po­si­ção de Fernando Col­lor.

A de­fe­sa de Dil­ma ain­da ten­ta­rá re­ver­ter a de­ci­são no STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral), es­tra­té­gia con­si­de­ra­da de ris­co e com pou­ca chan­ce de pros­pe­rar.

Nu­ma se­gun­da vo­ta­ção, po­rém, o Se­na­do pre­ser­vou os di­rei­tos po­lí­ti­cos da ex-pre­si­den­te. Fo­ram 42 vo­tos a fa­vor, 36 con­tra e du­as abs­ten­ções – eram ne­ces­sá­ri­os 54 vo­tos pa­ra ina­bi­li­tá-la a ocu­par car­gos pú­bli­cos (leia mais na pá­gi­na 10). O gru­po pró-im­pe­a­ch­ment ava­lia ir ao STF pa­ra con­tes­tar a li­be­ra­ção. Vol­ta à opo­si­ção A que­da de Dil­ma car­re­ga um im­por­tan­te sím­bo­lo. Após 13 anos, che­ga ao fim a era do PT no co­man­do do país, e o par­ti­do re­tor­na à opo­si­ção, pa­pel que o pro­je­tou na­ci­o­nal­men­te.

“Não hou­ve acor­do do PMDB em re­la­ção à se­gun­da vo­ta­ção [que man­te­ve di­rei­tos po­lí­ti­cos de Dil­ma]. Sou pre­si­den­te do par­ti­do e fa­lo pe­lo par­ti­do.” RO­ME­RO JU­CÁ, SE­NA­DOR (RR) E PRE­SI­DEN­TE NA­CI­O­NAL DO PMDB “Re­al­men­te é um gol­pe par­la­men­tar. Por­tan­to, acho que é um dia tris­te, nós va­mos ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.” JO­SÉ EDU­AR­DO CAR­DO­ZO, AD­VO­GA­DO DE DE­FE­SA

Dil­ma Rous­seff pro­me­teu ‘opo­si­ção im­pla­cá­vel’ em pro­nun­ci­a­men­to no Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da lo­go após ter co­nhe­ci­men­to da sen­ten­ça; mi­nu­tos de­pois, Mi­chel Te­mer foi em­pos­sa­do em ce­rimô­nia rá­pi­da no Se­na­do

| MÁ­RIO TAMA/GETTY IMA­GES

Dil­ma reu­niu cor­re­li­gi­o­ná­ri­os pa­ra o pri­mei­ro pro­nun­ci­a­men­to após ter o man­da­to cas­sa­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.