Ai­dan Ra­vin apos­ta na com­pa­ra­ção de ges­tões

Ex-pre­fei­to, can­di­da­to do PSB à Pre­fei­tu­ra de San­to An­dré diz que es­tá mais pre­pa­ra­do pa­ra co­man­dar a ci­da­de pe­la se­gun­da vez e qu­er tra­zer idei­as dos mo­ra­do­res pa­ra o go­ver­no

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

Ex-pre­fei­to é o en­tre­vis­ta­do de hoje na sé­rie com can­di­da­tos em Sto. An­dré

‘AS PES­SO­AS ENXERGAM QUE PERDERAM COM A TRO­CA’

Com o pe­so de já ter co­man­da­do a ci­da­de (de 2009 a 2012) e ter si­do o pri­mei­ro pre­fei­to a não con­se­guir se re­e­le­ger, Ai­dan Ra­vin vol­ta ao ce­ná­rio elei­to­ral de San­to An­dré. Ago­ra pe­lo PSB (an­tes era do PTB), ele se diz mais pre­pa­ra­do pa­ra exer­cer o car­go no­va­men­te. Em en­tre­vis­ta ao Metro Jor­nal, faz crí­ti­cas ao atu­al go­ver­no, ne­ga acu­sa­ções de cor­rup­ção no Se­ma­sa sob seu co­man­do e pro­me­te um no­vo man­da­to com mai­or par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar. Qual é a ban­dei­ra da sua cam­pa­nha? O fo­co mai­or das quei­xas na ci­da­de é em re­la­ção à saú­de. Não tem re­mé­dio no pos­to, de­mo­ra pa­ra fa­zer a con­sul­ta com um clí­ni­co ge­ral, pa­ra fa­zer um exa­me de san­gue ou he­mo­gra­ma é três, qu­a­tro me­ses, não tem co­po des­car­tá­vel, não tem po­te pa­ra fa­zer exa­me de uri­na. Es­tá ca­la­mi­to­so. En­tão, nos­sa ban­dei­ra mai­or é a saú­de. Cons­truí­mos três UPAs (Uni­da­des de Pron­to Aten­di­men­to), cons­truí­mos um pron­to-so­cor­ro em Pa­ra­na­pi­a­ca­ba, fi­ze­mos o AME (Am­bu­la­tó­rio Mé­di­co de Es­pe­ci­a­lis­da­des) do Estado, pe­ga­mos o Hospital da Mu­lher com du­as es­pe­ci­a­li­da­des só e mon­ta­mos o hospital in­tei­ro, que ga­nhou co­mo o ter­cei­ro me­lhor do Estado de São Pau­lo. Nos­so AME é o se­gun­do mai­or em ta­ma­nho e o pri­mei­ro em es­pe­ci­a­li­da­des em to­do o Estado. Do­bra­mos o aten­di­men­to no PID (Pro­gra­ma de In­ter­na­ção Do­mi­ci­li­ar), co­lo­ca­mos re­mé­dio em to­da a re­de. In­clu­si­ve, te­mos 720 mil ha­bi­tan­tes e 1,3 mi­lhão de pes­so­as que pas­sam (pe­lo SUS) em San­to An­dré. É qu­a­se o do­bro da po­pu­la­ção. Va­mos fa­zer um car­tão an­dre­en­se, pe­lo qual o mu­ní­ci­pe te­rá pri­o­ri­da­de no aten­di­men­to. O SUS vai ser obri­ga­do a aten­der to­do mun­do, mas na emer­gên­cia. Quan­do vo­cê pas­sa pa­ra fa­zer o aten­di­men­to es­pe­ci­a­li­za­do, po­de­rá dar qua­li­da­de e van­ta­gens pa­ra o ci­da­dão an­dre­en­se. Vo­cê foi o pri­mei­ro pre­fei­to da ci­da­de que não con­se­guiu se re­e­le­ger. A que atri­buiu is­so? Na ver­da­de fo­ram vá­ri­os fa­to­res. Um de­les, que nin­guém po­de ne­gar, é que hou­ve uma in­va­são enor­me de di­nhei­ro de fo­ra. Fi­ze­ram uma cam­pa­nha mi­li­o­ná­ria, que hoje não vão po­der fa­zer mais. Hoje es­ta­mos aben­ço­a­dos com uma cam­pa­nha mais sim­ples, ob­je­ti­va, de quem re­al­men­te gos­ta de vo­cê ou não. En­tão, is­so a gen­te já con­se­guiu cor­tar. Ti­ve pro­ble­ma com o pró­prio se­cre­ta­ri­a­do. Te­ve um se­cre­tá­rio meu (Nil­son Bo­no­me) que me aju­da­va mui­to, mas vi­rou opo­si­ção e saiu can­di­da­to a pre­fei­to. En­tão, di­vi­diu o go­ver­no e a gen­te aca­bou ten­do pro­ble­ma, por­que ele le­vou cin­co par­ti­dos que es­ta­vam no meu ar­co de ali­an­ças. Ou­tra coi­sa foi a pró­pria co­mu­ni­ca­ção. Co­mo mé­di­co, nun­ca pre­ci­sei fa­zer pro­pa­gan­da, mas co­mo pre­fei­to o pes­so­al qu­er ver a gen­te na rua, qu­er que a gen­te par­ti­ci­pe mais. Fiz mui­to tra­ba­lho de ga­bi­ne­te e co­lo­ca­va os as­ses­so­res pa­ra fa­zer (cam­pa­nha). Quan­do o as­ses­sor fa­zia, pa­ra­béns pa­ra o as­ses­sor. Quan­do ele não con­se­guia fa­zer, a cul­pa era do pre­fei­to. Ago­ra a gen­te tem uma no­va pos­tu­ra, va­mos es­tar mais pró­xi­mos da po­pu­la­ção, agin­do mais rá­pi­do e fa­zen­do o que po­de ser fei­to. No seu go­ver­no, al­gu­mas obras fo­ram ini­ci­a­das e não con­cluí­das, co­mo a re­for­ma do es­tá­dio Bru­no Daniel, do te­a­tro Carlos Go­mes e a cons­tru­ção do Hospital da Vi­la Lu­zi­ta. Acre­di­ta que is­so co­la­bo­rou pa­ra não ser re­e­lei­to? Na ver­da­de, o Bru­no Daniel a gen­te te­ve que ti­rar aque­la par­te (co­ber­tu­ra) de con­cre­to, que exis­tia há 40 anos. Ti­nha um TAC (Ter­mo de Ajus­te de Con­du­ta) de 12

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.