MARTINHO DA VI­LA

Sam­bis­ta de 78 anos co­men­ta seu pri­mei­ro lan­ça­men­to com mú­si­cas iné­di­tas em qu­a­se dez anos e fa­la tam­bém so­bre samba, rap e sua par­ti­ci­pa­ção na ce­rimô­nia de en­cer­ra­men­to da Olim­pía­da

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

O úl­ti­mo dis­co de iné­di­tas foi “Martinho da Vi­la do Bra­sil e do Mun­do”. No­ve anos de­pois, o sam­bis­ta aca­ba de lan­çar “De Bem Com a Vi­da”. En­tre as 14 fai­xas, que se­rão apre­sen­ta­das nos di­as 14 e 15 de ou­tu­bro no The­a­tro NET SP, cons­tam par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais de no­mes con­sa­gra­dos, co­mo Jor­ge Maut­ner, Ivan Lins e João Do­na­to, e su­ces­sos con­tem­po­râ­ne­os, co­mo o rap­per Cri­o­lo. O que vo­cê quis mos­trar com es­se dis­co? Pen­sei em fa­zer um dis­co co­mo não fa­zia há mui­to tem­po. A ideia ini­ci­al era fa­zer al­go pa­re­ci­do com o que eu já ti­nha fei­to no meu ál­bum de es­treia (“Martinho da Vi­la”, de 1969). Vo­cê te­ve vá­ri­os con­vi­da­dos, né? Sim. O que me mo­ti­vou a con­vi­dá-los foi a so­no­ri­da­de de ca­da um. Eles de­ram mui­ta luz ao som, con­se­gui­mos fa­zer uma mis­tu­ra en­tre o po­pu­lar e o eru­di­to. Foi vo­cê quem con­vi­dou o Cri­o­lo? Eu não co­nhe­cia mui­to o tra­ba­lho de­le, meu fi­lho que é fã e su­ge­riu. Eu gos­tei da ideia, con­vi­dei e ele gos­tou mui­to. Fi­ze­mos uma par­cei­ra in­te­res­san­te. Cri­o­lo é uma fi­gu­ra in­crí­vel. Vo­cê vê re­la­ção en­tre o rap e o samba? O rap e o samba são pa­ren­tes, por­que o samba tam­bém sur­giu do im­pro­vi­so, nas ro­das. Nos dois gê­ne­ros sem­pre sur­gem men­sa­gens so­ci­ais e coi­sas que a gen­te es­tá sen­tin­do. Sem­pre ro­la um re­ca­do. É pa­re­ci­do, são pa­ren­tes. E co­mo foi es­tar no en­cer­ra­men­to da Olim­pía­da? Emo­ci­o­nan­te! É um tra­ba­lho mui­to di­fí­cil, tu­do cro­no­me­tra­do, mas deu cer­to. A Rosa Ma­ga­lhães que me con­vi­dou, queria que eu ho­me­na­ge­as­se a nos­sa Vi­la Isa­bel, Pi­xin­gui­nha, No­el Rosa e Bra­gui­nha. Co­mo vo­cê vê sua car­rei­ra? Sem­pre acho que vou dar um tem­po, pa­rar, mas apa­re­ce um con­vi­te e a coi­sa aca­ba an­dan­do no­va­men­te. Achei que não iria lan­çar mais dis­co e a gra­va­do­ra re­sol­veu me con­tra­tar de no­vo. Eu acho óti­mo. Fi­co fe­liz, me sin­to co­mo iniciante. Mas fi­co an­si­o­so, a gen­te tem mui­to tra­ba­lho, tu­do de­mo­ra a fi­car pron­to e só re­la­xo quan­do pe­go o dis­co na mão.

‘ME SIN­TO CO­MO UM INICIANTE’

LEO AVERSA/DIVULGAÇÃO

“DE BEM COM A VI­DA” MARTINHO DA VI­LA SONY R$ 27

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.