APOS­TA NO SEMINOVO

Opor­tu­ni­da­de. En­quan­to os fa­bri­can­tes amar­gam a cri­se e cus­tam pa­ra em­pla­car os mo­de­los ze­ro quilô­me­tro, con­su­mi­dor po­de en­con­trar no mer­ca­do de usa­dos veí­cu­los re­che­a­dos de equi­pa­men­tos e atra­ti­vos ao bol­so

Metro Brazil (ABC) - - Motor -

“Pe­lo mes­mo va­lor (de um ze­ro quilô­me­tro), vo­cê po­de com­prar um car­ro mais equi­pa­do e com mais itens de in­te­res­se pa­ra o com­pra­dor” RE­NA­TO PASSOS, SÓCIO-PROPRIETÁRIO DA ALFA CONSULTORIA AUTOMOTIVA

Di­an­te do ce­ná­rio de es­tag­na­ção econô­mi­ca, as pes­so­as vêm op­tan­do pe­la com­pra de se­mi­no­vos ou usa­dos em de­tri­men­to dos no­vos. De acor­do com da­dos da Fe­na­bra­ve (Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da Dis­tri­bui­ção de Veí­cu­los Au­to­mo­to­res), 957.180 au­to­mó­veis ze­ro quilô­me­tro fo­ram co­mer­ci­a­li­za­dos no pri­mei­ro se­mes­tre. No mes­mo pe­río­do, se­gun­do a Fe­nau­to (Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal das As­so­ci­a­ções dos Re­ven­de­do­res de Veí­cu­los Au­to­mo­to­res), 4.741.617 se­mi­no­vos e usa­dos fo­ram ven­di­dos - o equi­va­len­te a 4,95 uni­da­des co­mer­ci­a­li­za­das pa­ra ca­da em­pla­ca­men­to de no­vo. Con­si­de­ran­do o mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, a pro­por­ção de ven­das en­tre veí­cu­los ze­ro e se­mi­no­vos era mais fa­vo­rá­vel aos fa­bri­can­tes: 3,92.

A op­ção por veí­cu­los que já te­nham pas­sa­do pe­las mãos de ou­tros pro­pri­e­tá­ri­os se dá por al­gu­mas van­ta­gens in­te­res­san­tes na com­pra. “Pe­lo mes­mo va­lor (de um ze­ro quilô­me­tro), vo­cê po­de com­prar um car­ro mais equi­pa­do e com mais itens de in­te­res­se pa­ra o com­pra­dor”, co­men­ta o en­ge­nhei­ro Re­na­to Passos, sócio-proprietário da Alfa Consultoria Automotiva. A em­pre­sa pres­ta ser­vi­ços a cli­en­tes que de­se­jam com­prar um au­to­mó­vel seminovo ou usa­do de acor­do com su­as de­man­das.

“O pri­mei­ro pas­so é sa­ber o quan­to a pes­soa tem pa­ra gas­tar. Den­tro des­te mon­tan­te de­vem ser con­si­de­ra­dos não so­men­te o cus­to de aqui­si­ção do veí­cu­lo, mas tam­bém se­gu­ro, do­cu­men­tos, im­pos­tos e ma­nu­ten­ção”, ex­pli­ca Passos. “São tam­bém con­si­de­ra­das ne­ces­si­da­des e pre­fe­rên­ci­as do com­pra­dor pa­ra que um per­fil do veí­cu­lo ide­al se­ja tra­ça­do”, com­ple­ta. Va­le des­ta­car que mais de uma pos­si­bi­li­da­de é ofe­re­ci­da a quem con­tra­ta os ser­vi­ços de consultoria, ca­ben­do ao cli­en­te a de­ci­são fi­nal so­bre qual mo­de­lo le­var pa­ra ca­sa.

A re­por­ta­gem do Au­to Pa­po tra­çou um per­fil hi­po­té­con­su­mi­dor ti­co pa­ra que o con­sul­tor pu­des­se ofe­re­cer ao cli­en­te du­as op­ções de veí­cu­los que se en­cai­xas­sem em su­as de­man­das. A con­su­mi­do­ra ima­gi­ná­ria se cha­ma Le­ti­cia, tem 40 anos, é des­qui­ta­da e tem um fi­lho de 10. Ela bus­ca um car­ro pa­ra uso ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te ur­ba­no, mas quan­do necessário, sir­va pa­ra fa­zer vi­a­gens cur­tas. Além dis­so, que te­nha ao me­nos ar-con­di­ci­o­na­do, di­re­ção elé­tri­ca e ban­cos de cou­ro. Le­ti­cia tem até R$ 40 mil pa­ra gas­tar com o au­to­mó­vel.

De acor­do com a consultoria, em aná­li­se en­vi­a­do ao Au­to Pa­po, a de­man­da da cli­en­te pe­de um veí­cu­lo “prá­ti­co, com ver­sa­ti­li­da­de no ar­ran­jo in­te­ri­or e com dis­po­si­ção pa­ra pe­gar es­tra­da”. Se­guin­do es­ta li­nha, fo­ram ofe­re­ci­das à cli­en­te du­as op­ções que se en­cai­xam nos pe­di­dos: um Nis­san Ti­i­da SL au­to­má­ti­co 12/13, por R$ 32 mil, que se­gun­do o con­sul­tor “é con­for­tá­vel, re­la­ti­va­men­te econô­mi­co e equi­pa­do, além de pos­suir bai­xo cus­to de ma­nu­ten­ção e se­gu­ro não tão ca­ro” e um Hon­da Fit 1.5 EX/ EXL 2009, por R$ 35 mil. “Ape­sar do so­bre­pre­ço, é econô­mi­co, es­pa­ço­so e fá­cil de man­ter”, ava­lia o con­sul­tor.

Além das pre­fe­rên­ci­as, o de­ve fi­car aten­to a al­guns por­me­no­res re­fe­ren­tes aos se­mi­no­vos e usa­dos. An­tes de com­prar um mo­de­lo, ele de­ve cer­ti­fi­car-se que o au­to­mó­vel pas­sou por to­das as re­vi­sões com o de­vi­do re­gis­tro das mes­mas no ma­nu­al do proprietário -, se não há mar­cas de abu­so ou aci­den­tes gra­ves. Ao con­trá­rio des­tas, “pe­que­nas ava­ri­as não de­põem con­tra o car­ro usa­do que é uti­li­za­do di­a­ri­a­men­te”, fri­sa Passos.

DIVULGAÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.