HABEMUS POPE!!!

VEN­CE­DOR DE 4 PRÊMIOS EISNER, CRI­A­DOR DE ‘BATMAN: AN0 100’ ES­TA­RÁ NA CCXP

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

Len­da vi­va da no­na ar­te, o qua­dri­nis­ta ame­ri­ca­no Paul Pope vem ao Bra­sil pe­la pri­mei­ra vez pa­ra par­ti­ci­par da 3ª edi­ção da CCXP – Co­mic Con Ex­pe­ri­en­ce 2016, que acon­te­ce de 1 a 4 de de­zem­bro no São Pau­lo Ex­po.

Do­no de qu­a­tro Eisner Awards, o cha­ma­do “Os­car” dos qua­dri­nhos, o ar­tis­ta es­tá por trás de obras ino­va­do­ras co­mo “THB”, “100%” e “He­avy Li­quid”, além de uma elo­gi­a­da re­lei­tu­ra do ho­mem-mor­ce­go em “Batman: Ano 100”. Con­fi­ra en­tre­vis­ta.

Su­as in­fluên­ci­as pas­sam pe­los EUA, Eu­ro­pa e Ja­pão. Co­mo co­nec­ta es­ses es­ti­los?

Tra­ba­lhei em to­dos os mer­ca­dos, li e vi mui­tas das obras de ca­da um, en­tão te­nho bas­tan­te ex­pe­ri­ên­cia com to­dos. Acre­di­to que os di­fe­ren­tes es­ti­los de nar­ra­ti­va têm seus pon­tos for­tes. Es­tou in­te­res­sa­do na cla­re­za vi­su­al e per­su­a­são vi­su­al. Ten­to usar as fer­ra­men­tas de to­das as es­co­las ao ex­pres­sar mi­nhas idei­as, em HQ ou ou­tra ar­te.

Vo­cê pas­sou 5 anos tra­ba­lhan­do com man­gás. Por que en­trou nes­sa aven­tu­ra?

Eu acha­va que o man­gá ti­nha uma ener­gia es­pe­ci­al que não era tão bem com­pre­en­di­da na épo­ca, em 1995. E gos­ta­va de apli­car no­vas re­gras na nar­ra­ti­va vi­su­al. Foi, e ain­da é, mui­to fas­ci­nan­te. Fiz is­so por­que acre­di­to na aven­tu­ra, e em se per­der. A úni­ca ma­nei­ra de tra­zer de vol­ta o fo­go ocul­to é pro­cu­rá-lo por on­de vo­cê veio.

Vo­cê foi da au­to­pu­bli­ca­ção aos li­vros de ni­cho, pas­san­do pe­lo mains­tre­am e as his­tó­ri­as pa­ra cri­an­ças. Co­mo ca­da uma des­sas eta­pas te aju­dou a se pre­pa­rar pa­ra o pró­xi­mo pas­so?

Acho que con­ti­nuo sen­do um ar­tis­ta instintivo e re­a­ci­o­ná­rio, no sen­ti­do de que uma vez que ve­jo a fal­ta de al­gu­ma coi­sa ou o ex­ces­so de ou­tra, eu re­a­jo de acor­do. Es­tou cons­tan­te­men­te per­se­guin­do a vi­ta­li­da­de.

Vo­cê cri­ou a sé­rie “Bom de Bri­ga” que fo­ca nos lei­to­res mais jo­vens. Quais são su­as prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções?

O que es­tou fa­zen­do com “Bom de Bri­ga” é cons­truir uma mar­ca e uma no­va ca­deia de DNA pa­ra os qua­dri­nhos. A mi­nha in­ten­ção é con­tar uma his­tó­ria que em seu co­ra­ção es­tá uma ver­da­de di­fí­cil e, pa­ra di­zer is­so, pre­ci­so usar a lin­gua­gem dos jo­vens. É uma gran­de hon­ra es­cre­ver pa­ra eles.

E o que tor­na “Bom de Bri­ga” tão in­te­res­san­te?

“Bom de Bri­ga” não é sub­ver­si­va e não é um re­bo­ot ou um spin-off. É ge­nuí­no. É uma his­tó­ria ba­se­a­da na mi­nha ex­pe­ri­ên­cia co­mo jo­vem. Além dis­so, es­tou usan­do a lin­gua­gem dos qua­dri­nhos pa­ra fa­lar com os jo­vens, e por is­so es­tá fun­ci­o­nan­do.

“Batman: Ano 100” é pro­va­vel­men­te o tra­ba­lho que mais te ren­deu fa­ma pe­lo mun­do. Co­mo vo­cê se re­co­nhe­ce nes­sa obra?

Batman é uni­ver­sal, sim, e eles me dei­xa­ram ter voz den­tro des­se uni­ver­so canô­ni­co. Mi­nha his­tó­ria é so­bre pri­va­ci­da­de e o di­rei­to a uma iden­ti­da­de se­cre­ta. No mun­do de ho­je, a ideia de al­guém ten­tan­do es­ca­par de uma so­ci­e­da­de vi­gi­lan­te pa­re­ce ain­da mais im­por­tan­te do que quan­do a ima­gi­nei em 1998-99.

Vo­cê tem pla­nos de es­cre­ver ou­tra gran­de his­tó­ria pa­ra a DC ou a Marvel? Li nu­ma en­tre­vis­ta que vo­cê es­tá pen­san­do em “Co­rin­ga: Ano 100”...

Res­pon­do is­so em ape­nas uma pa­la­vra: sim.

Os su­per-he­róis de qua­dri­nhos es­tão ocu­pan­do as sa­las de ci­ne­ma. Há qu­a­se um no­vo lan­ça­men­to por mês. Vo­cê acom­pa­nha os fil­mes?

Não mais do que pre­ci­so. Sou fã de Tar­kovsky, Mur­nau, Ku­brick e Jo­do­rowsky.

Quais são su­as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra a Co­mic Con bra­si­lei­ra?

Só ou­ço coi­sas bo­as so­bre is­so! Es­tou ani­ma­do pa­ra co­nhe­cer mui­tas pes­so­as no­vas no Bra­sil.

DI­VUL­GA­ÇÃO

HQ “Bom de Bri­ga - Vo­lu­me 1” (2013) HQ “The De­ath of Hag­gard West” (2013) “Stran­ge Ta­les”, da Marvel (2009), com ca­pa de Pope

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.