JO­SÉ AURICCHIO

Can­di­da­to tu­ca­no à Pre­fei­tu­ra de São Ca­e­ta­no cri­ti­ca ges­tão de Pau­lo Pi­nhei­ro (PMDB) e apos­ta na ex­pe­ri­ên­cia pa­ra ven­cer elei­ção

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

‘VA­MOS REORGANIZAR OS SER­VI­ÇOS PÚ­BLI­COS’

Pre­fei­to de São Ca­e­ta­no en­tre 2005 e 2012 pe­lo PTB, Jo­sé Auricchio Jú­ni­or ten­ta nes­te ano seu ter­cei­ro man­da­to, des­ta vez pe­lo PSDB. Na elei­ção mu­ni­ci­pal pas­sa­da, lan­çou co­mo su­ces­so­ra Re­gi­na Mau­ra, mas a cha­pa per­deu a elei­ção pa­ra Pau­lo Pi­nhei­ro (PMDB), atu­al pre­fei­to. Em 2013, as­su­miu a Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Es­por­te, La­zer e Ju­ven­tu­de, on­de per­ma­ne­ceu até 2015. No­va­men­te can­di­da­to a pre­fei­to, Auricchio apos­ta em ex­pe­ri­ên­cia de ges­tão e ofe­re­ce co­mo fo­co de cam­pa­nha a re­or­ga­ni­za­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos. Qu­al é o fo­co da cam­pa­nha? É a mu­dan­ça. O ei­xo prin­ci­pal de­la é a re­or­ga­ni­za­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos, que pas­sa­ram por uma ava­lan­che nos úl­ti­mos qua­tro anos. Ga­nhan­do a elei­ção, o de­sa­fio de go­ver­no é reorganizar os ser­vi­ços pú­bli­cos. Co­mo ava­lia o go­ver­no atu­al? Acho que ele vi­veu os qua­se qua­tro anos na per­ma­nen­te cri­se de ges­tão. Vo­cê tem uma au­sên­cia com­ple­ta na fi­gu­ra do co­man­do exe­cu­ti­vo da ci­da­de e com is­so vo­cê per­mi­te que vá­ri­os ou­tros gru­pos co­man­das­sem a pre­fei­tu­ra, se­ja gru­po fa­mi­li­ar, de par­ti­dos de fo­ra, de po­lí­ti­cos de fo­ra... Ca­da ho­ra al­guém co­man­da a ci­da­de. Com is­so, en­tra na­que­la his­tó­ria: “Ca­chor­ro que tem mui­to do­no, mor­re de fo­me”. A ci­da­de en­trou em uma der­ro­ca­da dos ser­vi­ços pú­bli­cos, le­van­do ra­pi­da­men­te à de­te­ri­o­ra­ção de al­guns des­ses ser­vi­ços. É pos­sí­vel fa­zer elo­gio ao go­ver­no atu­al? Com to­da ele­gân­cia, eu vou me per­mi­tir não res­pon­der. Eu sou de­vo­to de São Se­bas­tião e de San­to Agos­ti­nho. San­to Agos­ti­nho di­zia o se­guin­te: “Quan­do não pu­de­res fa­lar bem de al­guém, ca­la-te”. O que acha que dá pa­ra me­lho­rar em re­la­ção aos seus dois man­da­tos? Vá­ri­as coi­sas, por­que ho­je já te­nho a ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da não só dos meus oi­to anos co­mo pre­fei­to e dos oi­to anos co­mo se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Saú­de, mas tam­bém os qua­se três anos que fui se­cre­tá­rio de Es­ta­do. En­tão acho que, sem de­mé­ri­to a ne­nhu­ma ou­tra can­di­da­tu­ra, so­mos a que re­pre­sen­ta me­lhor a ex­pe­ri­ên­cia em ges­tão ad­mi­nis­tra­ti­va. Po­de­mos usar em to­das as áre­as, mas so­bre­tu­do na saú­de, que sem­pre foi uma mar­ca da mi­nha car­rei­ra. Só vi­rei pre­fei­to elei­to por cau­sa do tra­ba­lho que fiz na saú­de nos oi­to anos do pre­fei­to Tor­to­rel­lo e te­nho cer­te­za que es­se é o sen­ti­men­to mai­or das pes­so­as quan­to à nos­sa can­di­da­tu­ra. O atu­al go­ver­no foi re­al­men­te um fu­ra­cão que dei­xou pe­dra sob pe­dra. Quais são os mai­o­res pro­ble­mas na saú­de? Acre­di­to que é o aces­so. Uma con­sul­ta bá­si­ca de­mo­ra me­ses, quan­do não che­ga a bei­rar ano, no ca­so de al­gu­mas es­pe­ci­a­li­da­des. Quan­do vo­cê fa­la em aces­so, ele não exis­te em aten­ção bá­si­ca de con­sul­tas, mas tam­bém não tem em exa­mes, que é o fun­da­men­tal da área mé­di­ca. En­tão mui­tas ve­zes o coi­ta­do do pa­ci­en­te con­se­gue com du­ras pe­nas uma con­sul­ta mé­di­ca, aí quan­do vai pa­ra o exa­me de­mo­ra en­tre 15 e 16 me­ses uma res­so­nân­cia nu­cle­ar mag­né­ti­ca. Vai na por­ta de qual­quer uni­da­de de saú­de e per­gun­ta quan­to tem­po es­tão es­pe­ran­do. Eles vão fa­lar que es­tão en­tre 15 e 16 me­ses. Is­so é in­com­pa­tí­vel. Quan­do vo­cê vai em as­sis­tên­cia far­ma­cêu­ti­ca, que é o ou­tro pi­lar, to­do do­en­te pre­ci­sa de uma con­sul­ta pa­ra que te­nha o di­ag­nós­ti­co e se es­ta­be­le­ça o tra­ta­men­to. Is­so é o bá­si­co de qual­quer sis­te­ma de saú­de. En­tão se vo­cê já tem di­fi­cul­da­de na con­sul­ta, quan­do mui­to vo­cê con­se­gue se ras­te­jar pa­ra fa­zer o exa­me e dá a opor­tu­ni­da­de ao médico de fa­zer um di­ag­nós­ti­co, vo­cê pre­ci­sa ser tra­ta­do, e aí es­tá um

O ei­xo prin­ci­pal (da cam­pa­nha) é a re­or­ga­ni­za­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos, que pas­sa­ram por uma ava­lan­che nos úl­ti­mos qua­tro anos. Ga­nhan­do a elei­ção, o de­sa­fio de go­ver­no é reorganizar os ser­vi­ços pú­bli­cos. O tri­bu­nal não es­go­tou as fa­ses de jul­ga­men­to. Ele te jul­ga três ve­zes: pri­mei­ra e se­gun­da ins­tân­ci­as e em­bar­gos. Aca­bou o jul­ga­men­to da pri­mei­ra, trou­xe­ram pa­ra cá as con­tas e fi­ze­ram vo­ta­ção po­lí­ti­ca pa­ra me dei­xar fo­ra do pro­ces­so, te­men­do a dis­pu­ta elei­to­ral. Quan­do uma co­mu­ni­da­de te ele­ge pre­fei­to, ela ele­ge al­guém pa­ra cui­dar das coi­sas de­la, in­clu­si­ve das fi­nan­ças. E cho­ra­mi­gar é tu­do que não po­dia, por­que em qua­tro anos fo­ram ar­re­ca­da­dos R$ 5 bi­lhões. On­de foi apli­ca­do es­se va­lor to­do?

hor­ror com­ple­to. A po­lí­ti­ca de as­sis­tên­cia far­ma­cêu­ti­ca da ci­da­de dei­xou de ser po­lí­ti­ca pú­bli­ca pa­ra ser pá­gi­na cri­mi­nal. A im­pren­sa trou­xe es­cân­da­los de com­pras de re­mé­di­os com 600% de su­per­fa­tu­ra­men­to, in­ci­ne­ra­ção de mais de um mi­lhão de com­pri­mi­dos de Ome­pra­zol. Is­so é um pre­juí­zo in­cal­cu­lá­vel. Não só no pon­to de vis­ta econô­mi­co, mas do de as­sis­tên­cia, de res­pei­to ao ci­da­dão. É um me­di­ca­men­to bá­si­co que mui­ta gen­te usa. O que di­zer pa­ra o mo­ra­dor quan­do vo­cê pa­ga 600% a mais do que Ati­baia pa­ga na mes­ma cai­xa de an­ti­bió­ti­co, do que San­to An­dré, São Bernardo, Di­a­de­ma ou Mauá, e ain­da quei­ma quan­do ven­cem um mi­lhão de com­pri­mi­dos. En­tão não se tem uma po­lí­ti­ca far­ma­cêu­ti­ca. Se vo­cê pe­gar o tri­pé bá­si­co da as­sis­tên­cia mé­di­ca fun­da­men­tal, que é con­sul­ta, exa­me e me­di­ca­men­to, o pa­ci­en­te es­tá na mão. O que po­de ser fei­to pa­ra con­ser­tar es­ses pro­ble­mas? Ime­di­a­ta­men­te um cho­que de ges­tão. Pre­ci­sa tra­zer quem en­ten­da de saú­de, te­nha con­di­ções téc­ni­cas de im­pri­mir de fa­to es­ses pi­la­res fun­da­men­tais que fo­ram cons­truí­dos ao lon­go de 16 anos. Fui oi­to anos se­cre­tá­rio e oi­to anos pre­fei­to. Nin­guém cons­truiu is­so em seis me­ses ou um ano. Che­ga­mos aos in­di­ca­do­res de me­lho­res ín­di­ces do país em mor­ta­li­da­de in­fan­til, em as­sis­tên­cia far­ma­cêu­ti­ca e em con­sul­tas pré-na­tal. Vo­cê pre­ci­sa­ria ter um fenô­me­no de ges­tão pú­bli­ca que tra­ga o res­ta­be­le­ci­men­to dis­so, com mais con­sul­tas, equa­ci­o­nan­do es­sa fi­la de exa­mes e com uma po­lí­ti­ca de as­sis­tên­cia far­ma­cêu­ti­ca re­al e ver­da­dei­ra to­ca­da por téc­ni­cos e não por quem quer fa­tu­rar com­pra em 600%. O Pau­lo Pi­nhei­ro re­cla­ma de uma dí­vi­da her­da­da do se­nhor. Qu­al é o pla­no pa­ra não afe­tar a saú­de fi­nan­cei­ra do mu­ni­cí­pio em um no­vo go­ver­no? Pri­mei­ro te­mos que cla­re­ar es­se cho­ra­min­go de­le que já en­jo­ou não só a mim co­mo a to­dos. Te­mos que co­lo­car cla­ra­men­te: não é dí­vi­da, são res­tos a pa­gar que qual­quer go­ver­no dei­xa e o de­le in­clu­si­ve vai dei­xar pa­ra o pró­xi­mo. Ho­je vo­cê tem for­ne­ce­dor da pre­fei­tu­ra atra­sa­do, for­ne­ce­dor de ces­ta bá­si­ca não re­ce­be, for­ne­ce­dor de me­ren­da es­co­lar não re­ce­be, o de re­mé­dio de­ve re­ce­ber, por­que fa­tu­ran­do 600% em com­pra de re­mé­dio, de­ve re­ce­ber. Mas gran­des for­ne­ce­do­res da pre­fei­tu­ra es­tão gi­ran­do aí com cin­co ou seis me­ses de atra­so. Ou se­ja, es­ses res­tos a pa­gar vão fi­car pa­ra o pró­xi­mo pre­fei­to. Te­mos que ter a cla­re­za e a ho­nes­ti­da­de com o ci­da­dão de mos­trar que es­se é um fenô­me­no que acon­te­ce em to­dos os lo­cais. E não sou eu que vou con­de­nar se fi­car res­tos a pa­gar pa­ra a pró­xi­ma ad­mi­nis­tra­ção. Quan­do uma co­mu­ni­da­de te ele­ge pre­fei­to, ela ele­ge al­guém pa­ra cui­dar das coi­sas de­la, in­clu­si­ve das fi­nan­ças. E cho­ra­mi­gar é tu­do que não po­dia, por­que em qua­tro anos fo­ram ar­re­ca­da­dos R$ 5 bi­lhões. On­de foi apli­ca­do es­se va­lor to­do? Vo­cê tem sa­la de au­la sem pro­fes­sor por­que a pre­fei­tu­ra não con­se­gue pa­gar. Em con­tra­par­ti­da, tem uma Fun­da­ção ABC que tem 2 mil fun­ci­o­ná­ri­os, sen­do que me­nos de 400 são téc­ni­cos, 1,6 mil são fun­ci­o­ná­ri­os ad­mi­nis­tra­ti­vos. No po­pu­lês, cha­ma­mos de ca­bi­de de em­pre­go, ma­ra­já, fun­ci­o­ná­ri­os fan­tas­mas, etc. O que pre­ten­de fa­zer pa­ra co­lo­car o Hos­pi­tal São Ca­e­ta­no em ple­no fun­ci­o­na­men­to? Ele pas­sa a ser um pro­ble­ma de cu­nho re­gi­o­nal. Eu di­ria que das en­ti­da­des fe­de­ra­ti­vas. Não adi­an­ta achar que no âm­bi­to do Con­sór­cio In­ter­mu­ni­ci­pal do ABC vai ser re­sol­vi­da a ques­tão, mui­to me­nos no âm­bi­to mu­ni­ci­pal. O Hos­pi­tal São Ca­e­ta­no pre­ci­sa ser le­va­do, por meio do Con­sór­cio, que é o que foi fei­to, ao Go­ver­no do Es­ta­do e fe­de­ral, po­rém na­da an­dou. Em “N” reu­niões em Bra­sí­lia, as úni­cas coi­sas que trou­xe­ram fo­ram no­ta fis­cal de ho­tel, res­tau­ran­te e avião pa­ra pa­gar. De con­cre­to, na­da. O se­cre­tá­rio Da­vi Uip me fa­lou pes­so­al­men­te do in­te­res­se que ti­nha de pa­gar o cus­teio co­mo de hos­pi­tal re­gi­o­nal. O go­ver­no fe­de­ral não te­ria di­fi­cul­da­de de es­tru­tu­rá-lo do pon­to de vis­ta de obra fí­si­ca pa­ra co­lo­cá-lo em fun­ci­o­na­men­to. Vai man­ter a pro­pos­ta de trans­for­mar o ter­re­no da Ma­ta­raz­zo em par­que? Não só vou man­ter a pro­pos­ta co­mo vou re­a­li­zá-la. É um pro­ble­ma al­ta­men­te com­ple­xo em que uma par­ci­al so­lu­ção é le­var o par­que pa­ra uma área que per­ten­ça a pre­fei­tu­ra. Não es­tou fa­lan­do que es­sa se­ja a so­lu­ção, mas tem que ter um pon­to de par­ti­da que saia da ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal. Por que não con­cre­ti­zou a pro­pos­ta no seu go­ver­no? Por­que en­tra­mos com o pro­ces­so na Ce­tesb (Com­pa­nhia Am­bi­en­tal do Es­ta­do de São Pau­lo). É um pro­ces­so len­to, com inú­me­ras pe­rí­ci­as. Ti­ve­mos que en­co­men­dar du­as pe­rí­ci­as pa­ra a Ce­tesb re­la­ti­vas aos 20 mil me­tros qua­dra­dos que per­ten­cem a pre­fei­tu­ra, que é pro­du­to de uma exe­cu­ção fis­cal fei­ta pe­la mi­nha ad­mi­nis­tra­ção. Se não, nem is­so a pre­fei­tu­ra te­ria. Con­se­gui­mos ar­re­ma­tar a área com per­mu­ta de dí­vi­da fis­cal do gru­po Ma­ta­raz­zo. É a pri­mei­ra vez que es­tou fa­lan­do dis­so. As pes­so­as acham que te­mos es­se es­pa­ço e ele caiu do céu, mas não é não. Tu­do bem que tal­vez não re­pre­sen­te 10% do con­glo­me­ra­do da área, mas é uma área viá­vel. A La­va Ja­to po­de in­ter­fe­rir nas elei­ções mu­ni­ci­pais? Meu ad­ver­sá­rio prin­ci­pal foi fi­nan­ci­a­do na ou­tra elei­ção por em­pre­sas li­ga­das à La­va Ja­to. Is­so a im­pren­sa no­ti­ci­ou. Ele tem um se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal que es­tá na lis­ta da Ode­bre­cht. Por­tan­to, acho que tem vín­cu­los com a La­va Ja­to. O par­ti­do de­le é o cen­tro da ques­tão da ope­ra­ção. Eu, par­ti­cu­lar­men­te, não te­nho vín­cu­lo com is­so. Na ver­da­de, a Ode­bre­cht es­ta­va em uma obra do meu man­da­to. No aque­du­to que le­va água da Sa­besp até Ca­pu­a­va e nós le­va­mos co­mo con­tra­par­ti­da a cons­tru­ção do Hos­pi­tal de Olhos do Cen­tro de Tra­ta­men­to de Cân­cer por in­ter­fe­rên­cia na via pú­bli­ca da ci­da­de. Mas não co­nhe­ço nin­guém, nun­ca ti­ve fi­nan­ci­a­men­to por par­te de­les, nem a Re­gi­na. En­tão, o vín­cu­lo com a La­va Ja­to ele po­de ex­pli­car me­lhor. Su­as con­tas co­mo pre­fei­to fo­ram re­pro­va­das no TCE (Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do), o que im­pe­di­ria sua can­di­da­tu­ra. Po­rém, o se­nhor con­se­guiu li­mi­nar pa­ra con­cor­rer. Acha que is­so po­de tra­zer im­pac­tos ne­ga­ti­vos pa­ra a cam­pa­nha? O tri­bu­nal não es­go­tou as fa­ses de jul­ga­men­to. Ele te jul­ga três ve­zes: pri­mei­ra e se­gun­da ins­tân­ci­as e em­bar­gos. Aca­bou o jul­ga­men­to da pri­mei­ra, eles trou­xe­ram pa­ra cá as con­tas e fi­ze­ram uma vo­ta­ção po­lí­ti­ca pa­ra me dei­xar fo­ra do pro­ces­so te­men­do na­tu­ral­men­te a dis­pu­ta elei­to­ral. Va­le a pe­na fa­lar: o tri­bu­nal não re­jei­tou em de­fi­ni­ti­vo. Eu te­nho du­as eta­pas de jul­ga­men­to ain­da pa­ra mu­dar o re­sul­ta­do. Fi­ze­ram uma ses­são ab­so­lu­ta­men­te si­nis­tra que a Jus­ti­ça cas­sou. Ela anu­lou o pa­re­cer do TCE por eu não ter exer­cí­cio das du­as eta­pas de de­fe­sa. Es­sa foi uma vi­tó­ria que ti­ve em plei­to de­fi­ni­ti­vo. Em pa­ra­le­lo a is­so, te­nho ou­tra ação que co­lo­ca­mos no dia des­sa ses­são que o juiz in­ter­pre­tou que já não ti­nha ob­je­to, já não ti­nha si­do a ses­são des­se man­da­to de se­gu­ran­ça. Re­cor­re­mos ao Tri­bu­nal de Jus­ti­ça em se­gun­da ins­tân­cia e ga­nha­mos, anu­lan­do tam­bém a ses­são. En­tão ela tem du­pla anu­la­ção de du­as sen­ten­ças dis­tin­tas, uma da Va­ra da Fa­zen­da Pú­bli­ca e ou­tra da Câ­ma­ra de Di­rei­to Pú­bli­co do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça. Na­da em fa­se li­mi­nar, tu­do em de­fi­ni­ti­va. E o pa­re­cer do TCE que na Va­ra da Fa­zen­da Pú­bli­ca foi anu­la­do. Por­tan­to, há uma des­cons­tru­ção po­lí­ti­ca des­sa pre­mis­sa que foi cons­truí­da de for­ma sor­ra­tei­ra, mar­gi­nal, po­li­ti­za­da e sa­be lá Deus por­que tro­ca­ram in­te­res­ses dis­so com a Câ­ma­ra. Ca­so ven­ça a elei­ção, po­de acon­te­cer al­go que der­ru­be es­sa sen­ten­ça? Não. São sen­ten­ças de­fi­ni­ti­vas, não tem o que der­ru­bar. Tem o que tran­si­tar e jul­gar no STJ (Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça) ou STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) e o Tri­bu­nal de Con­tas vai ter que abrir de­fe­sa pa­ra nós de no­vo. Se is­so vai ser em um ano, dois, cin­co anos, só Deus e a Jus­ti­ça po­dem fa­lar. Fa­to­res no­vos não in­ter­fe­rem no re­sul­ta­do elei­to­ral.

ME­TRO ABC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.