Fo­to­gra­fan­do sen­ti­dos com os

Su­pe­ra­ção. De­fi­ci­en­te vi­su­al, o pi­aui­en­se João Maia usa sua sen­si­bi­li­da­de pa­ra ser um dos fo­tó­gra­fos do Jo­gos Pa­ra­lím­pi­cos Rio-2016

Metro Brazil (ABC) - - Esporte - AN­DRÉ POR­TO

Pa­ra fo­to­gra­far uma me­ni­na dan­çan­do, o fo­tó­gra­fo es­lo­ve­no Ev­gen Bav­car, ce­go des­de cri­an­ça, amar­rou um uma es­pé­cie de si­ni­nho na ga­ro­ta pa­ra se­guir os sons.

Fo­to­gra­far “com os ou­vi­dos” ou ser gui­a­do pe­los sen­ti­dos, no en­tan­to, não é ex­clu­si­vi­da­de de Bav­car.

Se­gun­do o fo­tó­gra­fo pi­aui­en­se de Bom Je­sus, João Maia, tam­bém “é pri­mor­di­al a au­di­ção” no ato fo­to­grá­fi­co. João fi­cou de­fi­ci­en­te vi­su­al aos 28 anos, de­vi­do a uma uveí­te bi­la­te­ral, uma in­fla­ma­ção no cen­tro do olho que des­trói a vi­são, e não de­sis­tiu de seu so­nho. Ho­je, aos 41, vai co­brir a Pa­ra­lim­pía­da a con­vi­te do pro­je­to Su­pe­ra­ção 2016, ao la­do de se­te pro­fis­si­o­nais – in­cluin­do um ca­dei­ran­te – pa­ra cap­tar ima­gens que vão re­sul­tar nu­ma ex­po­si­ção fo­to­grá­fi­ca, um li­vro e um do­cu­men­tá­rio em ví­deo so­bre o pro­je­to. Ou­tras ima­gens de João po­dem ser vis­tas no Ins­ta­gram @jo­a­o­mai­a­fo­to­gra­fo.

Co­mo vo­cê se tor­nou fo­tó­gra­fo?

Com 14 anos eu já gos­ta­va de fo­to­gra­fia. As­sim que co­me­cei a tra­ba­lhar, aos 20, com­prei mi­nha pri­mei­ra câ­me­ra, uma Ze­nit. Em 2008 co­me­cei a pra­ti­car es­por­te, co­mo pro­ces­so de re­a­bi­li­ta­ção, e a fo­to­gra­far de no­vo, em um cur­so es­pe­pe­cí­fi­co ci­fi­co pa­ra pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia.

Co­mo é fo­to­gra­far es­por­tes?

Quan­do per­di a vi­são pen­sei: ‘E ago­ra? Co­mo vou fo­to­gra­far?’ Vo­cê nun­ca vai as­so­ci­ar a de­fi­ci­ên­cia vi­su­al à fo­to­gra­fia, mas a fo­to­gra­fia é sen­sa­ção, sen­ti­men­tos! Sen­si­bi­li­da­de é a me­lhor pa­la­vra pa­ra de­fi­nir. Sen­si­bi­li­da­de do ta­to, au­di­ção, no ol­fa­to. Pa­ra mim, a au­di­ção é pri­mor­di­al. No ar­re­mes­so de pe­so, no lan­ça­men­to de dar­do, ou dis­co, vo­cê ou­ve o atle­ta dan­do aque­le gri­to de ex­plo­são. Is­so é o que com­põe as mi­nhas ima­gens. Eu sem­pre con­ver­so com es­ses atle­tas e eles me dão di­cas de lu­ga­res pa­ra cli­car. Eu tam­bém di­go pa­ra eles vi­bra­rem quan­do che­gam nu­ma li­nha de che­ga­da, pa­ra le­van­tar as mãos, bei­jar o chão, trans­mi­tir ale­gria.

Qu­al é o seu fo­tó­gra­fo pre­di­le­to?

Quan­do co­me­cei no cur­so es- pa­ra de­fi­ci­en­tes vi­su­ais, um dos fo­tó­gra­fos que me foi apre­sen­ta­do foi o [Ev­gen] Bav­car, que é o mai­or fo­tó­gra­fo ce­go do mun­do. Ou­tro ca­ra que eu gos­to é o Se­bas­tião Sal­ga­do.

Bav­car di­zia que vi­ve­mos num mun­do que per­deu a vi­são, que as pes­so­as não têm olhar in­te­ri­or. Vo­cê con­cor­da?

Con­cor­do. So­mos bom­bar­de­a­dos por ima­gens. Não cri­a­mos mais, tu­do es­tá pron­to. É pre­ci­so che­gar num lu­gar e ob­ser­var pri­mei­ro. Não pe­gue sua má­qui­na e vai dis­pa­ran­do. Ob­ser­ve pri­mei­ro co­mo fun­ci­o­na es­se am­bi­en­te; co­mo as pes­so­as es­tão se co­mu­ni­can­do. Eu che­go no lu­gar e fi­co ob­ser­van­do, com os ou­vi­dos, com os chei­ros, pa­ra de­pois cap­tu­rar aqui­lo que es­tou sen­tin­do.

Co­mo vo­cê re­gu­la seu equi­pa­men­to?

In­fe­liz­men­te, não re­gu­lo. Na mi­nha má­qui­na não te­nho to­tal aces­si­bi­li­da­de. En­tão, al­gu­mas coi­sas eu pre­ci­so da aju­da de ami­gos fo­tó­gra­fos pa­ra re­gu­lar e eu ter cer­te­za do que es­tou fa­zen­do. Na Olim­pía­da eu vou uti­li­zar o ce­lu­lar, que tem um lei­tor de te­la, que me dá au­to­no­mia de li­gar flash, ajus­te de luz... Com es­se apli­ca­ti­vo eu pos­so con­fi­gu­rar o ce­lu­lar e fa­zer a fo­to que eu que­ro. Além dis­so, vou es­tar sem­pre ao la­do de al­guém que en­xer­ga, por­que eu pre­ci­so me des­lo­car.

Quan­do vo­cê es­tá fo­to­gra­fan­do sen­te aque­le “cli­que” que fi­cou bom, co­mo quan­do fa­zía­mos com fil­mes?

Tam­bém te­nho es­sa sen­sa­ção. Ago­ra eu acre­di­to na tec­no­lo­gia da câ­me­ra, no fo­co au­to­má­ti­co, por exem­plo. Co­mo é tu­do mui­to rá­pi­do no es­por­te, con­to com os dis­pa­ros con­tí­nu­os que exis­tem ho­je em dia. As pes­soa per­gun­tam co­mo um de­fi­ci­en­te vê o mun­do. Es­tá aí a opor­tu­ni­da­de pa­ra co­nhe­cer mi­nha vi­são! Ve­nho pa­ra mos­trar que a fo­to­gra­fia não é só de quem en­xer­ga, mas é tam­bém uma pai­xão de de­fi­ci­en­tes vi­su­ais.

FO­TOS: JOÃO MAIA

AN­DRÉ POR­TO/ME­TRO

João Maia em ação; aci­ma e abai­xo, al­guns dos clicks fei­tos pe­lo fo­tó­gra­fo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.