Go­ver­no quer ele­var jor­na­da de 8h pa­ra 12h

Mi­nis­tro do Tra­ba­lho diz que ideia é es­ti­mu­lar con­tra­tos por ho­ras tra­ba­lha­das e pro­du­ti­vi­da­de

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

O mi­nis­tro do Tra­ba­lho, Ro­nal­do No­guei­ra, dis­se on­tem que a re­for­ma tra­ba­lhis­ta pro­pos­ta pe­lo go­ver­no pre­vê o au­men­to de 8 ho­ras pa­ra 12 ho­ras o má­xi­mo per­mi­ti­do pa­ra a jor­na­da de tra­ba­lho diá­ria, já con­si­de­ran­do as ho­ras ex­tras. O li­mi­te se­ma­nal de tra­ba­lho, no en­tan­to, per­ma­ne­ce­rá em 48 ho­ras se­ma­nais (44 ho­ras + 4 ho­ras ex­tras).

O ob­je­ti­vo, se­gun­do o mi­nis­tro, é dar mai­or se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca a con­tra­tos que não se­guem o mo­de­lo fir­ma­do CLT. Em even­to na CSB (Cen­tral dos Sin­di­ca­tos Bra­si­lei­ros), No­guei­ra dis­se que es­sa me­di­da per­mi­ti­rá que o tra­ba­lha­dor fi­que mais ho­ras em al­guns di­as pa­ra não tra­ba­lhar no sá­ba­do, por exem­plo.

Com a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, o go­ver­no pre­ten­de dar for­ça à con­ven­ção co­le­ti­va na de­fi­ni­ção da jor­na­da se­ma­nal. Pe­la le­gis­la­ção atu­al, afir­ma o mi­nis­tro, um acor­do co­le­ti­vo que au­to­ri­za uma pes­soa a tra­ba­lhar um pou­co mais nos cin­co di­as da se­ma­na, pa­ra com­ple­tar a jor­na­da nos sá­ba­dos, po­de per­der o efei­to por de­ci­são de um juiz. “Com a mu­dan­ça, es­sa cláu­su­la acor­da­da não po­de­rá de­pois ser tor­na­da nu­la por uma de­ci­são do juiz”, afir­mou.

A pro­pos­ta de re­for­ma tra­ba­lhis­ta, que se­rá en­ca­mi­nha­da pe­lo go­ver­no ao Con­gres­so até o fim des­te ano, pre­vê a pos­si­bi­li­da­de de um mo­de­lo de con­tra­to por ho­ras tra­ba­lha­das e ou­tro por pro­du­ti­vi­da­de.

No pri­mei­ro ca­so, pe­la pro­pos­ta do go­ver­no, o tra­ba­lha­dor po­de­rá pres­tar ser­vi­ço a mais de uma em­pre­sa, sem ul­tra­pas­sar o li­mi­te de 48 ho­ras se­ma­nais de tra­ba­lho. “Ele po­de ter di­ver­sos con­tra­tos por ho­ra tra­ba­lha­da. Vai re­ce­ber pa­ga­men­to do FGTS pro­por­ci­o­nal, fé­ri­as pro­por­ci­o­nais e 13º pro­por­ci­o­nal”, afir­mou.

O mi­nis­tro dis­se que o con­tra­to por pro­du­ti­vi­da­de po­de­rá va­ler, por exem­plo, pa­ra mé­di­cos, que se­ri­am pa­gos por “pro­ce­di­men­tos”, sem per­der di­rei­tos. “Quem acre­di­ta que um mé­di­co, que tem um con­tra­to com um hos­pi­tal de uma jor­na­da diá­ria de oi­to ho­ras, tra­ba­lha es­sas oi­to ho­ras em um úni­co hos­pi­tal?”, ques­ti­o­nou. METRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.