Cos­ta diz que não é ter­cei­ra via

Can­di­da­to do PEN a pre­fei­to de SCS é o en­tre­vis­ta­do da edi­ção de ho­je

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

Elei­to ve­re­a­dor mais vo­ta­do da his­tó­ria de São Ca­e­ta­no na elei­ção de 2008, com 5.883 vo­tos (7% do to­tal vá­li­do), Gilberto Cos­ta ten­ta pe­la pri­mei­ra vez o car­go de pre­fei­to da ci­da­de. Com ba­ga­gem de 15 anos co­mo par­la­men­tar, o can­di­da­to do PEN pro­me­te qua­li­da­de de ges­tão e não te­me uma con­di­ção fi­nan­cei­ra des­fa­vo­rá­vel nos co­fres pú­bli­cos pa­ra os pró­xi­mos anos.

Qu­al é o fo­co da sua cam­pa­nha?

Mui­to diá­lo­go e es­cla­re­ci­men­to à po­pu­la­ção. Fi­ca­ram mal ex­pli­ca­das mui­tas coi­sas que acon­te­ce­ram com o país e se há se­me­lhan­ça em tu­do is­so com o mu­ni­cí­pio. Qu­e­re­mos mos­trar que meu partido é novo, não pequeno, e que temos ficha limpa. Se­pa­rar da so­ci­e­da­de o joio do tri­go, por­que to­do mun­do es­tá acos­tu­ma­do a co­lo­car (os po­lí­ti­cos) no mes­mo sa­co, e não pos­so ad­mi­tir is­so, afi­nal te­nho 20 anos de vida pú­bli­ca e ne­nhum pro­ces­so tra­ba­lhis­ta, cri­mi­nal, ação ju­di­ci­al ou pro­ble­ma elei­to­ral. Ou­tra coi­sa é es­cla­re­cer pa­ra a po­pu­la­ção o porquê eu nun­ca ter si­do can­di­da­to (a pre­fei­to). Temos que ex­pli­car que quem es­co­lhe o can­di­da­to é o partido, e os par­ti­dos que fiz par­te das fi­li­a­ções não me es­co­lhe­ram. De­pois temos que mos­trar a vi­são de go­ver­no que qu­e­re­mos pa­ra a ci­da­de, bo­as pro­pos­tas e con­ven­cer o elei­tor de que temos as me­lho­res pa­ra re­ce­ber seu vo­to.

Vo­cê fa­lou que tem coi­sas que fi­ca­ram con­fu­sas en­tre país e mu­ni­cí­pio. A que se re­fe­re?

Cor­rup­ção, por exem­plo. Dá-se uma im­pres­são de que a cor­rup­ção só es­tá em Bra­sí­lia, mas ela co­me­ça na ba­se. Temos que mos­trar pa­ra o ci­da­dão que não acontece ape­nas lá.

São Ca­e­ta­no tem cor­rup­ção tam­bém?

Cla­ro que tem. Nin­guém in­ves­ti­ga on­de não tem coi­sa er­ra­da. Temos um pas­sa­do ne­bu­lo­so na ci­da­de. Tem uma bri­ga ju­di­ci­al gran­de on­de um diz que o ou­tro dei­xou dí­vi­da, ou­tro es­tá con­de­na­do no TCE (Tri­bu­nal de Con­tas Es­ta­du­al). Tu­do is­so é coi­sa er­ra­da. Não pas­sei pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co ou Câ­ma­ra abrin­do co­mis­são es­pe­ci­al de inqué­ri­to. Quem pas­sou é por­que cau­sou pro­ble­mas.

Qu­ais são os pon­tos po­si­ti­vos e ne­ga­ti­vos do atu­al go­ver­no?

Ele é mo­ro­so. Tro­cou mui­tos se­cre­tá­ri­os e de­mo­rou mui­to pa­ra co­me­çar a mos­trar ser­vi­ço. Con­se­quen­te­men­te, ele é cha­ma­do pe­la so­ci­e­da­de de go­ver­no mor­no, len­to. Co­mo pon­to po­si­ti­vo, não é en­vol­vi­do em es­cân­da­los, fez o Ter­cei­ro Tem­po da saú­de, o de­par­ta­men­to de cul­tu­ra tra­ba­lhou mui­to bem, tra­ba­lha sem a ne­ces­si­da­de de os­ten­ta­ção. Po­lí­ti­ca de re­sul­ta­do é me­lhor que po­lí­ti­ca de fa­la.

Co­mo in­ves­tir em no­vos pro­je­tos com pou­co di­nhei­ro em cai­xa nos pró­xi­mos anos?

Acre­di­to que nos­sa eco­no­mia não vai per­ma­ne­cer des­se jei­to. Os go­ver­nos de ou­tros paí­ses vão vol­tar a in­ves­tir no nos­so país pois temos um pre­si­den­te de­fi­ni­ti­vo, não mais in­te­ri­no. Is­so es­ta­va tra­van­do os in­ves­ti­men­tos in­ter­na­ci­o­nais. Ao mes­mo tem­po, no mu­ni­cí­pio, a di­mi­nui­ção de alí­quo­ta vai bem e é um ca­mi­nho. Tem que pla­ne­jar me­lhor, tra­ba­lhar com qua­li­da­de e não quan­ti­da­de. A re­cei­ta do mu­ni­cí­pio é ex­tre­ma­men­te boa, tan­to que mes­mo com que­da de 19% no or­ça­men­to ain­da so­mos a mai­or ren­da per ca­pi­ta do país. Ci­da­de pe­que­na e 95% pron­ta. São Ca­e­ta­no tem que ser a pri­mei­ra a sair e úl­ti­ma a en­trar na cri­se.

‘O PARTIDO É NOVO, NÃO PEQUENO, E TEMOS FICHA LIMPA’

O Pau­lo Pi­nhei­ro re­cla­ma de uma dí­vi­da de R$ 263 mi­lhões e diz ter pa­go R$ 158 mi­lhões. A dí­vi­da que so­bra vai di­fi­cul­tar?

Com R$ 100 mi­lhões a mais, vo­cê faz mais, e com R$ 100 mi­lhões a me­nos, faz me­nos. Mas is­so não vai me en­ges­sar. Sou ges­tor e sou po­lí­ti­co. A ci­da­de na mi­nha mão vai ter tran­qui­li­da­de e trans­cor­rer com nor­ma­li­da­de. Es­sa fa­la de dí­vi­da é im­por­tan­te pa­ra sa­ber quem é bom ges­tor e quem não é. Quem gas­ta mais do que po­de é mau ges­tor. A lei de res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal con­de­na es­sa ati­tu­de, en­tão não de­ve­mos acei­tar pa­ra pre­fei­to um que dei­xa mais de R$ 200 mi­lhões pa­ra seu su­ces­sor, is­so é ir­res­pon­sa­bi­li­da­de. Mas não me pre­ju­di­ca por­que te­nho di­nâ­mi­ca e não vai ser pro­ble­ma pa­ra to­car­mos a ci­da­de. Vou apon­tar on­de tem dí­vi­da, mas tam­bém in­di­ca­rei co­mo pa­gar.

Qu­al a saí­da pa­ra pa­gar a dí­vi­da?

Com­pac­tu­ar. Tem or­ça­men­to de R$ 5 bi­lhões ao lon­go de qua­tro anos, en­tão cha­ma os cre­do­res e abre ne­go­ci­a­ção. Com­pro­me­te 2% do or­ça­men­to (pa­ra pa­gar a dí­vi­da). To­do mun­do fi­ca fe­liz, con­ti­nua tra­ba­lhan­do e o po­vo con­ti­nua re­ce­ben­do as ben­fei­to­ri­as que es­pe­ra de um ges­tor pú­bli­co. Qu­an­do tem dí­vi­da no ban­co que te in­co­mo­da, vo­cê ne­go­cia.

Co­mo co­lo­car o Hos­pi­tal São Ca­e­ta­no em fun­ci­o­na­men­to?

Va­mos fa­zer o pri­mei­ro hos­pi­tal-es­co­la da ci­da­de com par­cei­ra en­tre Pre­fei­tu­ra, USCS (Uni­ver­si­da­de Mu­ni­ci­pal de São Ca­e­ta­no) e Hos­pi­tal Sí­rio Li­ba­nês. Va­mos re­a­bi­li­tar os 180 lei­tos que o pré­dio tem e fa­zer o pri­mei­ro cen­tro de di­ag­nós­ti­co da ci­da­de. Va­mos pe­gar a dí­vi­da que gi­ra em tor­no de R$ 32 mi­lhões e re­pac­tu­ar. Vi­ran­do hos­pi­tal-es­co­la, re­ce­be di­nhei­ro do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção e da Saú­de, fo­ra que não tra­ba­lha ape­nas com mé­di­cos, mas tam­bém com mé­di­cos com dou­to­ra­do, o que au­men­ta a qua­li­da­de.

O ter­re­no da Ma­ta­raz­zo ti­nha pro­pos­ta pa­ra ser trans­for­ma­do em par­que. O que po­de ser fei­to?

A área es­tá li­be­ra­da e não tem mais pro­ble­ma de con­ta­mi­na­ção. Os dé­bi­tos fo­ram qui­ta­dos e o pro­je­to es­tá pron­to, só va­mos co­lo­car o Cen­tro da Ter­cei­ra Ida­de den­tro do par­que.

Qu­ais são su­as prin­ci­pais pro­pos­tas?

É di­fí­cil re­di­men­si­o­nar as prin­ci­pais, pois to­das aque­las que co­lo­ca­mos no pa­pel têm im­por­tân­cia. Na área da saú­de pos­so sa­li­en­tar o hos­pi­tal-es­co­la, a ca­sa do ido­so, en­tre­ga de me­di­ca­men­to em ca­sa, im­plan­te den­tá­rio e or­to­don­tia. Na edu­ca­ção, va­mos fa­zer fa­cul­da­de de ar­te, mu­ni­ci­pa­li­zar to­das as es­co­las de en­si­no mé­dio da re­de es­ta­du­al e en­tre­gar a se­gun­da uni­da­de da Es­co­la de Idi­o­mas. To­da a re­de de edu­ca­ção bá­si­ca e in­fan­til pas­sa­rá por re­for­ma e re­pla­ne­ja­men­to. Va­mos dar o car­tão cha­ma­do “Mais Uni­for­me” pa­ra os pais com­pra­rem os kits de seus fi­lhos na ci­da­de, ge­ran­do eco­no­mia e em­pre­go pa­ra nos­so po­vo. Na se­gu­ran­ça, va­mos tra­zer de vol­ta a es­co­la de sol­da­do, pa­ra que pos­sam for­mar e tra­ba­lhar na ci­da­de. Va­mos co­lo­car a “Mu­ra­lha Di­gi­tal”, on­de te­rá uma ba­se da GCM (Gu­ar­da Ci­vil Mu­ni­ci­pal) por bair­ro, to­das com mo­ni­to­ra­men­to, 20 bi­ci­cle­tas, cin­co vi­a­tu­ras da GCM e du­as da PM. Em meio am­bi­en­te, vou cri­ar três par­ques e tam­bém co­lo­car o IPTU eco­ló­gi­co, on­de tu­do que a so­ci­e­da­de faz pe­la na­tu­re­za re­ce­be des­con­to do IPTU e ta­xas mu­ni­ci­pais. Qu­e­ro trans­for­mar São Ca­e­ta­no na pri­mei­ra ci­da­de sus­ten­tá­vel do país. Na área de es­por­te, qu­e­ro trans­for­mar o Com­ple­xo Lau­ro Go­mes (on­de es­tá o es­tá­dio Ana­cle­to Cam­pa­nel­la) em are­na mul­tiu­so, vai fi­car au­tos­sus­ten­tá­vel, ser uti­li­za­da o ano in­tei­ro. Va­mos se­guir co­mo exem­plo o Al­li­anz Par­que, mas pa­ra 20 mil pes­so­as. Na (ave­ni­da) Ken­nedy, vou fa­zer uma are­na olím­pi­ca, vai ser um es­pa­ço que to­dos os es­por­tes de al­to ren­di­men­to te­rão lu­gar apro­pri­a­do. A are­na vai vir com di­nhei­ro da se­cre­ta­ria de Obras, par­ce­ria com o Mi­nis­té­rio do Es­por­te e in­ves­ti­dor que gos­te das PPPs (Par­ce­ri­as Pú­bli­co-Pri­va­das). Pa­ra com­ba­ter en­chen­te, o pro­je­to são cin­co pis­ci­nões por to­da a ave­ni­da Gui­do Ali­ber­ti. Se­rão por bai­xo dos clu­bes 7 de Se­tem­bro, BM&F Bo­ves­pa, Ta­moio, no da Fun­da­ção e no Cen­tro de Trei­na­men­to do São Ca­e­ta­no.

Dá pa­ra fa­zer cons­tru­ções gran­des em qua­tro anos?

Ten­do di­nhei­ro, vo­cê faz em um. O que tem que ter é pla­ne­ja­men­to e pro­je­tos rá­pi­dos, e já te­nho. Bus­car fa­zer com or­ça­men­to mu­ni­ci­pal on­de der, on­de não der já sei on­de bus­car. Lá em Bra­sí­lia tem mui­to di­nhei­ro, é só ir bus­car.

Vo­cê se con­si­de­ra a ter­cei­ra via nas elei­ções?

Não me ve­jo co­mo ter­cei­ra via, me ve­jo co­mo can­di­da­to for­tís­si­mo a ga­nhar a elei­ção. Mas de qual­quer for­ma, se­gun­do nos­sas pes­qui­sas in­ter­nas, 55% do po­vo quer um novo no­me. Não que­rem nem o ex e nem o atu­al. Es­sa ou­tra op­ção tem no­me: Gilberto Cos­ta.

Vo­cê apoi­a­va o Au­ric­chio an­tes. Por que is­so mu­dou?

Não apoio por­que sou can­di­da­to a pre­fei­to. Mas fo­ram vá­ri­os mo­ti­vos, um de­les é mi­nha von­ta­de de ser pre­fei­to. Sou can­di­da­to e is­so fa­la mais al­to. Tam­bém tem al­gu­mas re­tros­pec­ti­vas, umas pas­sa­gens não mui­to sau­dá­veis com a for­ma que ele tem de ser, agir e ju­di­ar das pes­so­as.

Vo­cê po­de fa­lar al­gu­ma des­sas pas­sa­gens?

Em 2008, por exem­plo, ele pro­mo­veu um des­man­che as­sus­ta­dor no meu partido pa­ra eu não ga­nhar a re­e­lei­ção. O po­vo deu ba­na­na pa­ra ele e só fui o mais vo­ta­do da his­tó­ria. É o ti­po de mal­da­de que pen­sei que ele não fa­ria mais, mas ele não vai mu­dar não. Nas­ceu pa­ra ser as­sim e vai mor­rer as­sim.

Por que es­co­lheu o PEN?

É um partido novo e que tra­ba­lha a sus­ten­ta­bi­li­da­de. São Ca­e­ta­no é uma ci­da­de que pre­ci­sa mui­to de meio am­bi­en­te. Fo­ra que é ficha limpa e sou o pre­si­den­te par­ti­dá­rio. Foi o úni­co partido que me abriu es­sa pos­si­bi­li­da­de.

Ser de um partido novo co­mo o PEN aju­da ou atra­pa­lha na can­di­da­tu­ra?

Tem o la­do po­si­ti­vo e o ne­ga­ti­vo. Partido novo é me­nos co­nhe­ci­do, mas tem me­nos pro­ble­mas. Não pos­so di­zer que vou ga­nhar ou per­der a elei­ção só por ser de um partido novo. Não mu­da em na­da.

A elei­ção pas­sa­da te­ve mui­tas acu­sa­ções, até mes­mo pes­so­ais. Is­so tem ocor­ri­do de novo. Qu­al seu po­si­ci­o­na­men­to?

Es­tou in­do na li­nha das pro­pos­tas. Mas nin­guém aqui é san­gue frio, qu­an­do vo­cê re­ce­be uma agres­são, ten­ta até não res­pon­der, mas tam­bém de­vol­ve com uma pan­ca­da. Es­tou ven­do que vai ser uma elei­ção de um ní­vel ruim e vou ten­tar me man­ter dis­tan­te dis­so, des­de que não me cha­mem pa­ra a bri­ga. O que es­tá acon­te­cen­do é que es­ta­mos co­me­çan­do a sen­tir que es­tão que­ren­do ba­ter em mim, ten­tan­do achar co­lo­ca­ções que não me­re­ço.

Que ti­po de coi­sa eles fa­lam e o se­nhor não con­cor­da?

Fa­lam na rua que vou de­sis­tir. Co­mo vou de­sis­tir tão per­to de uma elei­ção? Meu vi­ce é to­tal­men­te res­pei­ta­do. Não pa­ram com es­sas ma­ni­as, é coi­sa de quem não tem na­da pa­ra fa­zer, e is­so in­co­mo­da.

A La­va Ja­to po­de ter im­pac­to nas elei­ções mu­ni­ci­pais?

Se che­gar aqui, sim. Cor­rup­ção é al­go mui­to de­li­ca­da. A po­pu­la­ção es­tá aten­ta. Se che­gar aqui, faz um efei­to mui­to ruim.

Co­mo ven­cer uma elei­ção com pou­co tem­po e di­nhei­ro?

Ti­ve que fa­zer a op­ção pe­los três “s”, que apren­di com o (Luiz) Tor­to­rel­lo (ex-pre­fei­to). Su­or, so­la de sa­pa­to e sa­li­va. Tem que fa­lar mui­to, an­dar mui­to e o sa­pa­to gas­tar bas­tan­te. Não tem jei­to, é con­ver­sar.

Não me ve­jo co­mo ter­cei­ra via, me ve­jo co­mo can­di­da­to for­tís­si­mo a ga­nhar a elei­ção. Se­gun­do nos­sas pes­qui­sas in­ter­nas, 55% quer um novo no­me. Nem o ex e nem o atu­al. Es­sa ou­tra op­ção tem no­me: Gilberto Cos­ta Qu­e­ro trans­for­mar o Com­ple­xo Lau­ro Go­mes (on­de es­tá o es­tá­dio Ana­cle­to Cam­pa­nel­la) em are­na mul­tiu­so, vai fi­car au­tos­sus­ten­tá­vel, ser uti­li­za­da o ano in­tei­ro. Va­mos se­guir co­mo exem­plo o Al­li­anz Par­que, mas pa­ra 20 mil pes­so­as. Sou ges­tor e sou po­lí­ti­co. A ci­da­de na mi­nha mão vai ter tran­qui­li­da­de e trans­cor­rer com nor­ma­li­da­de. Es­sa fa­la de dí­vi­da é im­por­tan­te pa­ra sa­ber quem é bom ges­tor e quem não é. Quem gas­ta mais do que po­de é mau ges­tor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.