Va­ga na Câ­ma­ra é mais di­fí­cil que na USP

Can­di­da­tos a ve­re­a­dor te­rão ma­ra­to­na dig­na de ves­ti­bu­lan­do pa­ra con­quis­tar uma das 68 va­gas no ABC. São 1.570 plei­te­an­tes nes­te ano, mé­dia de 23 por ca­dei­ra, con­cor­rên­cia mai­or que em cur­sos co­mo en­ge­nha­ria

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - CADU PROIETI

Não é na­da fá­cil con­quis­tar uma ca­dei­ra nas Câ­ma­ras do ABC nes­ta elei­ção. Ao to­do, são 1.570 can­di­da­tos a ve­re­a­dor em San­to An­dré, São Ber­nar­do e São Ca­e­ta­no. Eles bri­gam por ape­nas 68 va­gas nas três ci­da­des. A mé­dia é de 23 con­cor­ren­tes pa­ra ca­da car­go de par­la­men­tar na re­gião.

Com­pa­ra­da com o ves­ti­bu­lar da Fu­vest, um dos mais con­cor­ri­dos do país, a dis­pu­ta por uma ca­dei­ra de ve­re­a­dor no ABC é mais con­cor­ri­da que 93 dos 113 cur­sos uni­ver­si­tá­ri­os ofe­re­ci­dos pe­la USP (Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo). Por­tan­to, 82,3% das dis­ci­pli­nas da ins­ti­tui­ção têm dis­pu­ta mais fá­cil que a cor­ri­da elei­to­ral pe­la Câ­ma­ra na re­gião.

Cur­sos tra­di­ci­o­nais, co­mo eco­no­mia, en­ge­nha­ria e odon­to­lo­gia, pos­su­em ta­xa de can­di­da­to por va­ga me­nor que 23, por exem­plo.

Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co e pro­fes­sor da FGV (Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas) do Rio de Ja­nei­ro Sér­gio Pra­ça, são vá­ri­as as mo­ti­va­ções pa­ra tan­tas ten­ta­ti­vas de elei­ção a ve­re­a­dor, co­mo o bom sa­lá­rio de par­la­men­tar, a pos­si­bi­li­da­de de al­can­çar um pri­mei­ro de­grau no ce­ná­rio po­lí­ti­co e a ten­ta­ti­va de lu­tar por mu­dan­ças na ci­da­de.

“Com is­so, é na­tu­ral que um mon­te de gen­te quei­ra se ele­ger. O que sur­pre­en­de é os par­ti­dos to­pa­rem lan­çar tan­tas can­di­da­tu­ras. Com sis­te­ma pro­por­ci­o­nal (em que al­guns po­dem ser elei­tos pe­lo co­e­fi­ci­en­te par­ti­dá­rio), os par­ti­dos não têm in­cen­ti­vo pa­ra li­mi­tar o nú­me­ro de can­di­da­tos. O la­do bom dis­so é que há mais op­ções pa­ra os elei­to­res es­co­lhe­rem, gen­te de di­ver­sos se­to­res e ide­o­lo­gi­as po­lí­ti­cas ten­tan­do re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de”, dis­se o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co.

Pa­ra o es­pe­ci­a­lis­ta, o pon­to ne­ga­ti­vo de tan­tas can­di­da­tu­ra é que sur­gem mui­tos “opor­tu­nis­tas” que não le­vam a po­lí­ti­ca a sé­rio. “O re­sul­ta­do é es­se: vá­ri­os can­di­da­tos bi­zar­ros, gen­te que faz hu­mor, tem de tu­do. Os par­ti­dos não fa­zem es­se fil­tro, que de­ve­ria ser me­lhor. Daí a qua­li­da­de da can­di­da­tu­ra é me­di­da pe­los elei­to­res.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.