Com o des­ti­no nas mãos

Com eu­ta­ná­sia li­be­ra­da pe­lo go­ver­no bel­ga, Ma­ri­e­ke Ver­vo­ort se des­pe­de do es­por­te no sá­ba­do, no En­ge­nhão

Metro Brazil (ABC) - - Esporte - JU­LIO CALMON

“Que­ro ins­pi­rar as pes­so­as. To­do mun­do po­de ter um aci­den­te ou um ata­que do co­ra­ção, en­tão, por fa­vor, cur­ta ca­da pe­que­no mo­men­to da vi­da” MA­RI­E­KE VER­VO­ORT, BEL­GA QUE SE DES­PE­DE DO ES­POR­TE NO SÁ­BA­DO

Exis­tir já é uma ta­re­fa ár­dua pa­ra a bel­ga Ma­ri­e­ke Ver­vo­ort, 37 anos, me­da­lha de pra­ta na pro­va dos 400m em ca­dei­ra de ro­das da clas­se T52 da Rio 2016, no sá­ba­do. Com do­en­ça de­ge­ne­ra­ti­va in­cu­rá­vel na co­lu­na ver­te­bral, o que lhe cau­sa dores in­su­por­tá­veis, ela se des­pe­de do es­por­te no pró­xi­mo sá­ba­do, na pis­ta do En­ge­nhão, quan­do com­pe­te nos 100m em ca­dei­ra de ro­das – pro­va que é a atu­al de­ten­to­ra dos tí­tu­los mun­di­al e pa­ra­lím­pi­co.

Ver­vo­ort foi uma cri­an­ça sau­dá­vel até o iní­cio da ado­les­cên­cia. Di­ag­nos­ti­ca­da com te­tra­ple­gia pro­gres­si­va aos 14 anos, de­pois que seus pés in­fla­ma­ram, ela se lo­co­mo­ve em uma ca­dei­ra de ro­das des­de os 20 anos. A bel­ga en­con­trou no es­por­te uma for­ma de des­car­re­gar a dor que sen­te.

Com di­fi­cul­da­de pa­ra dor­mir, co­mer e re­a­li­zar ou­tras ta­re­fas cor­ri­quei­ras do dia a dia, ela cho­cou o mun­do do es­por­te re­cen­te­men­te ao anun­ci­ar que pos­suía to­da a do­cu­men­ta­ção pa­ra re­a­li­zar a eu­ta­ná­sia des­de 2008. A prá­ti­ca é per­mi­ti­da na Bél­gi­ca.

Ela, no en­tan­to, ne­ga que irá re­a­li­zar o pro­ce­di­men­to em um fu­tu­ro pró­xi­mo. “Eu ain­da es­tou apro­vei­tan­do ca­da dia. Che­ga­rá um mo­men­to em que te­rei mais di­as ruins do que bons. Aí, eu te­rei es­ses pa­péis da eu­ta­ná­sia. Mas es­se mo­men­to ain­da não che­gou”, dis­se Ver­vo­ort.

Além de con­ti­nu­ar vi­ven­do, seu pla­no após a apo­sen­ta­do­ria é or­ga­ni­zar um mu­seu. “Co­le­ci­o­nei tu­do: os ar­ti­gos, as re­por­ta­gens na te­le­vi­são, as car­tas de apoio, meu ma­te­ri­al es­por­ti­vo. Es­se é meu mai­or so­nho, ter to­da mi­nha car­rei­ra em um mu­seu.”

| JASON CAIRNDUFF /REU­TERS

Ma­ri­e­ke já con­quis­tou uma pra­ta nos 400m na Rio 2016. Em Lon­dres 2012, fo­ram dois ou­ros

Ela tem os pa­péis as­si­na­dos da eu­ta­ná­sia des­de 2008

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.