MPF acusa Lu­la, ‘ma­es­tro da or­ques­tra cri­mi­no­sa’

Ór­gão de­nun­cia ex-pre­si­den­te e mais se­te por cor­rup­ção e la­va­gem via trí­plex do Gu­a­ru­já, e cha­ma era pe­tis­ta de “pro­pi­no­cra­cia”

Metro Brazil (ABC) - - Brasil - RA­FA­EL NE­VES ME­TRO CURITIBA

O ex-pre­si­den­te Lu­la foi apon­ta­do on­tem pe­lo MPF (Ministério Pú­bli­co Fe­de­ral), na pri­mei­ra de­nún­cia do ór­gão con­tra o pe­tis­ta, co­mo co­man­dan­te e mai­or be­ne­fi­ci­a­do do es­que­ma de cor­rup­ção in­ves­ti­ga­do na La­va Ja­to.

Em acu­sa­ção apre­sen­ta­da on­tem con­tra o pe­tis­ta e mais se­te pes­so­as, por cor­rup­ção e la­va­gem de dinheiro, o MPF apre­sen­tou 14 evi­dên­ci­as pe­las quais Lu­la po­de ser apon­ta­do co­mo “ma­es­tro da or­ques­tra cri­mi­no­sa” re­ve­la­da pe­las in­ves­ti­ga­ções. En­tre es­ses in­dí­ci­os, o ór­gão apon­ta o po­der de de­ci­são de Lu­la, as fa­las de tes­te­mu­nhas e o elo com o mensalão, pri­mei­ro es­cân­da­lo da era pe­tis­ta.

“Ho­je o Ministério Pú­bli­co Fe­de­ral acusa o se­nhor Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va co­mo co­man­dan­te má­xi­mo do es­que­ma de cor­rup­ção iden­ti­fi­ca­do na La­va Ja­to”, dis­se o pro­cu­ra­dor do MPF Del­tan Dal­lag­nol.

Es­ta foi, até o mo­men­to, a ma­ni­fes­ta­ção ofi­ci­al mais con­tun­den­te a co­lo­car Lu­la no pa­pel cen­tral da cor­rup­ção no país. Ao pe­dir in­ves­ti­ga­ção con­tra o ex-pre­si­den­te no STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral), em maio, o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not, foi me­nos in­ci­si­vo, es­cre­ven­do que a cor­rup­ção na Pe­tro­bras “ja­mais po­de­ria ter fun­ci­o­na­do por tan­tos anos e de uma for­ma tão am­pla e agres­si­va no âm­bi­to do governo fe­de­ral sem que o ex-pre­si­den­te Lu­la de­la par­ti­ci­pas­se”.

A de­nún­cia foi en­vi­a­da ao juiz Sér­gio Mo­ro, que, ca­so a acei­te, trans­for­ma Lu­la em réu no Pa­ra­ná. O pe­tis­ta já é réu em um pro­ces­so em Brasília por ten­tar com­prar o si­lên­cio do ex-di­re­tor da Pe­tro­bras Nes­tor Cer­ve­ró, além de al­vo de inqué­ri­tos no STF.

A acu­sa­ção (leia abai­xo) apon­ta que Lu­la foi be­ne­fi­ci­a­do em R$ 3,72 mi­lhões com a re­ser­va, re­for­ma e de­co­ra­ção de um trí­plex no Gu­a­ru­já (SP), além do armazenamento de bens pes­so­ais após dei­xar a Pre­si­dên­cia em 2011. Lu­la ain­da de­ve ser de­nun­ci­a­do por ben­fei­to­ri­as no sí­tio de Atibaia (SP), além de pa­ga­men­tos à em­pre­sa L.I.L.S Pa­les­tras e ao Ins­ti­tu­to Lu­la. ‘Pro­pi­no­cra­cia’ Dal­lag­nol afir­mou on­tem que Lu­la foi o mai­or be­ne­fi­ci­a­do da cor­rup­ção ocor­ri­da du­ran­te o governo de­le, cha­ma­do pe­lo MPF de “pro­pi­no­cra­cia”.

O ór­gão afir­mou que Lu­la te­ve van­ta­gens em go­ver­na­bi­li­da­de (am­pli­an­do a ba­se ali­a­da à cus­ta de car­gos que ge­ra­vam pro­pi­nas), de per­pe­tu­a­ção cri­mi­no­sa no po­der (ar­re­ca­dan­do pro­pi­nas para o PT) e com en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to, nes­te ca­so, do trí­plex.

| RO­DRI­GO FÉ­LIX LE­AL / FU­TU­RA PRESS

MPF elen­cou 14 ra­zões que co­lo­cam Lu­la no co­man­do da cor­rup­ção re­ve­la­da na La­va Ja­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.