As­sas­si­na­tos em­ba­lam tra­ma so­bre ju­ven­tu­de

Lon­ga de es­treia de Ani­ta Ro­cha da Sil­vei­ra, ‘Ma­te-me Por Fa­vor’ ex­põe an­sei­os e ex­ci­ta­ções da ado­les­cên­cia

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - DIVULGAÇÃO

Sus­pen­se, dra­ma, uma pi­ta­da de hu­mor e me­do. “Ma­te-me Por Fa­vor”, de Ani­ta Ro­cha da Sil­vei­ra, es­treia ho­je co­mo um fil­me ne­ces­sá­rio para qu­em, mais do que es­pe­ra por um ro­tei­ro li­ne­ar que se en­cer­ra em um gran­de des­fe­cho, não evi­ta sen­sa­ções.

Lo­go na pri­mei­ra sequên­cia, ao acom­pa­nhar uma ado­les­cen­te vol­tan­do da ba­la­da a pé, so­zi­nha e bê­ba­da, os pu­nhos se fe­cham, os olhos es­trei­tam e o cor­po re­trai so­bre a pol­tro­na. Seu des­ti­no já é pre­vi­sí­vel, ao con­trá­rio das reações que es­sa mor­te — e tan­tas ou­tras que se se­guem, sem­pre da mes­ma ma­nei­ra — cau­sa­ri­am nas ga­ro­tas de um co­lé­gio da no­bre re­gião da Bar­ra da Ti­ju­ca, no Rio.

En­quan­to se en­vol­vem pe­la sé­rie de es­tu­pros se­gui­dos de as­sas­si­na­tos, qua­se to­dos co­me­ti­dos em me­ni­nas com ida­des pró­xi­mas a de­las, as qua­tro ado­les­cen­tes pro­ta­go­nis­tas vi­vem, des­co­brem o pró­prio cor­po e a se­xu­a­li­da­de, ques­ti­o­nam amo­res e ami­za­de, es­bar­ram no ma­chis­mo que vem de fo­ra e no me­do (e na co­ra­gem) que vêm de­las mes­mas.

Bia ele­va es­ses sen­ti­men­tos ao ex­tre­mo. “Ela é im­pul­si­va, cu­ri­o­sa e, em­bo­ra te­nha uma ca­ma­da de me­do, é jus­ta­men­te is­so que a es­ti­mu­la a pas­sar dos li­mi­tes. Ela pre­ci­sa dis­so”, diz Valentina Hers­za­ge, atriz que in­ter­pre­ta a per­so­na­gem.

Os cri­mes se tor­nam ape­nas pa­no de fun­do para o en­re­do prin­ci­pal: o que é ser jo­vem em meio a tan­tas des­co­ber­tas e di­le­mas.

En­quan­to o as­sas­si­no nun­ca é des­co­ber­to, a cul­pa pe­los cri­mes é apon­ta­da em vá­ri­os mo­men­tos, se­ja no funk que can­ta “as no­vi­nhas es­tão des­cen­do, elas es­tão de ma­lan­dra­gem”, se­ja nos con­se­lhos do na­mo­ra­do de Bia, de que é me­lhor ela não an­dar por aí sem um ho­mem se não qui­ser que na­da acon­te­ça. Co­mo na vi­da re­al, a res­pon­sa­bi­li­za­ção da mu­lher es­tá es­can­ca­ra­da sem que pre­ci­se ser di­ta.

Mas Bia pre­fe­re se ar­ris­car. “Ela se aven­tu­ra, ex­pe­ri­men­ta e, mes­mo quan­do to­das as ami­gas já de­ram um pas­so para trás, se­gue sem se dei­xar le­var pe­la mo­ral vi­gen­te”, diz Ani­ta, a di­re­to­ra.

Mes­mo sem que­rer, ten­de­mos a ado­tar a ideia ma­chis­ta do “vo­cê pe­diu” ao ver Bia an­dan­do ali, no ter­re­no bal­dio em que to­dos os cor­pos fo­ram en­con­tra­dos, por mais tem­po (e com mais frequên­cia e in­ten­si­da­de) do que o es­pe­ra­do. Ela an­da ao la­do da mor­te para se sen­tir vi­va. Vi­va e li­ber­ta. ME­TRO

Elen­co do fil­me ga­nhou prê­mio de me­lhor in­ter­pre­ta­ção em con­jun­to na Mos­tra Oriz­zon­ti, no Fes­ti­val de Ve­ne­za do ano pas­sa­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.