Ven­cen­do bar­rei­ras

De­fi­ci­en­tes com ha­bi­li­da­des im­pres­si­o­nan­tes cha­mam a aten­ção no Par­que Olím­pi­co: sem bra­ço, um es­cre­ve com os de­dos dos pés; ce­go, o ou­tro fo­to­gra­fa as com­pe­ti­ções

Metro Brazil (ABC) - - Esporte - RE­NA­TA MA­CHA­DO ME­TRO RIO

En­quan­to pa­ra­tle­tas exi­bem su­as ca­pa­ci­da­des de su­pe­ra­ção, nos bas­ti­do­res da Pa­ra­lim­pía­da ou­tros de­fi­ci­en­tes têm dei­xa­do mui­ta gen­te de quei­xo caí­do. Com ha­bi­li­da­des im­pres­si­o­nan­tes, mos­tram que os gran­des li­mi­tes im­pos­tos pe­la vi­da po­dem ser su­pe­ra­dos. O ale­mão Da­vid Hock, de ape­nas 19 anos, é um de­les. No Cen­tro Prin­ci­pal de Mí­dia do Par­que Olím­pi­co ou no Es­tá­dio Aquá­ti­co, o jo­vem cha­ma a aten­ção de qu­em pas­sa por ele. Des­cal­ço, di­gi­ta seus tex­tos com os de­dos dos pés em um te­cla­do blu­e­to­oth, que fi­ca no chão.

“Apren­di a es­cre­ver as­sim ain­da cri­an­ça e, des­de en­tão, ve­nho apri­mo­ran­do es­sa téc­ni­ca, que es­tá mais apu­ra­da. Ago­ra, es­cre­vo bem rá­pi­do. Meus pés são mi­nhas mãos. Fa­ço qua­se “Me guio prin­ci­pal­men­te pe­lo som e pe­las co­res, mes­mo des­fo­ca­das. Es­tou fe­liz que meu tra­ba­lho es­tá sen­do re­co­nhe­ci­do.” tu­do com eles. Mas, co­mer, por exem­plo, uso a mão, por­que as per­nas fi­ca­ram gran­des de­mais”, con­ta.

De­vi­do a uma má for­ma­ção con­gê­ni­ta, Da­vid não tem o bra­ço es­quer­do e do la­do di­rei­to só tem uma mão, na al­tu­ra do om­bro, com três de­dos. Ele es­tá no Rio par­ti­ci­pan­do de um pro­je­to do jor­nal ale­mão ‘Ta­ges­s­pi­e­gel’, para as­pi­ran­tes a jor­na­lis­tas e re­cém-for­ma­dos, que pu­bli­ca du­as edi­ções so­bre as Pa­ra­lim­pía­das des­de 2004, e es­tá ado­ran­do a ex­pe­ri­ên­cia: “É in­crí­vel po­der ver tan­tos atle­tas com de­fi­ci­ên­cia em ação e fi­quei im­pres­si­o­na­do co­mo o pú­bli­co os en­xer­ga: não co­mo pes­so­as di­fe­ren­tes e coi­ta­das, mas, sim, co­mo pro­fis­si­o­nais e he­róis, co­mo na Olim­pía­da.” Ro­ti­na de en­tre­vis­tas En­tre­vis­tas, fil­ma­gens e fo­tos, tan­to para a im­pren­sa quan­to com o pú­bli­co, já vi­ra­ram ro­ti­na de Da­vid no Rio, que foi cli­ca­do por um ou­tro de­fi­ci­en­te que tam­bém fi­cou fa­mo­so pe­lo Par­que Olím­pi­co. Qua­se to­tal­men­te ce­go (só en­xer­ga vul­tos e co­res des­fo­ca­das pe­lo olho es­quer­do), João Maia, 41, é fo­tó­gra­fo e ati­ça a cu­ri­o­si­da­de de qu­em o vê tra­ba­lhan­do, co­mo mos­trou o Me­tro na edi­ção do dia 6.

“Me guio pe­las co­res e, prin­ci­pal­men­te, pe­la au­di­ção. Não es­tou brincando de ser fo­tó­gra­fo, es­tou pro­du­zin­do com qua­li­da­de e fa­zen­do bo­as fo­tos”, con­ta João, que tem aju­da para edi­tar as ima­gens.

Ele dei­xou o pa­ra­tle­tis­mo para se­guir na no­va car­rei­ra: “Era um atle­ta me­di­a­no, mas che­guei à Pa­ra­lim­pía­da de­vi­do a mi­nha no­va pai­xão. Es­tou mui­to fe­liz por­que es­tão re­co­nhe­cen­do meu tra­ba­lho”, dis­se ele, que fo­to­gra­fa para o pro­je­to #su­pe­ra­ção2016, do mo­vi­men­to mOb­graphia.

JOÃO MAIA, FO­TÓ­GRA­FO CE­GO

| FO­TOS: ERBS JR./ME­TRO RIO

O ale­mão Da­vid Hock fi­cou fa­mo­so de­vi­do à sua téc­ni­ca de es­cre­ver tex­tos com os pés e já per­deu as con­tas de en­tre­vis­tas que deu e fo­tos que ti­rou

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.