DO­MIN­GOS

Metro Brazil (ABC) - - Foco - JOSÉ LUIZ DATENA JO­SE.DATENA @METROJORNAL.COM.BR

Su­bi dois lan­ces de es­ca­da, co­mo nor­mal­men­te fa­ço, car­re­gan­do meu cor­po pe­sa­do, aliás, um jor­na­lis­ta dos bons que in­fe­liz­men­te mi­nha me­mó­ria des­gas­ta­da pe­lo tem­po não me dei­xa lem­brar o no­me, nes­te mes­mo ca­mi­nho até o ele­va­dor (não aguen­to mais um de­grau além do se­gun­do lan­ce) de­fi­niu meu ca­mi­nhar co­mo o mais len­to que ele já ti­nha vis­to. Não er­rou! Te­nho mar­cas dos 59 anos mal­tra­ta­dos pe­la vi­da que le­vei e por es­ta ter­rí­vel do­en­ça que não po­de ser des­pre­za­da (di­a­be­tes). Qu­em tem de­ve se cui­dar com exa­mes, exer­cí­ci­os re­gu­la­res e boa ali­men­ta­ção. Não fa­ço na­da dis­to, mas fa­ça o que eu di­go e não que fa­ço. Bem es­te é o ca­mi­nho diá­rio para o es­tú­dio da Band on­de apre­sen­to o Bra­sil Ur­gen­te. Fiz mi­nha ora­ção diá­ria, cum­pri­men­tei os ami­gos da téc­ni­ca que são me­ni­nos bons de ver­da­de, gen­te sim­ples de ca­rá­ter gran­de que aju­dam co­mo mi­nha pe­que­na equi­pe es­te sur­ra­do jor­na­lis­ta. Veio o di­re­tor exe­cu­ti­vo do pro­gra­ma, Si­mão, no­me de após­to­lo e pro­fis­si­o­nal dos bons sem ser me­ti­do por is­so. Me deu a no­tí­cia. Do­min­gos Mon­tag­ner ti­nha de­sa­pa­re­ci­do. Gra­vou ce­nas da no­ve­la pe­la ma­nhã na lin­da re­gião de Ca­nin­dé de São Fran­cis­co na bei­ra da bar­ra­gem do Xin­gó. Pa­re­ce o pa­raí­so e con­vi­da mes­mo a um re­lax da equi­pe de­pois do tra­ba­lho. Do­min­gos, Ca­mi­la Pi­tan­ga e com­pa­nhei­ros de pro­du­ção se ba­nha­vam nas águas má­gi­cas do Ve­lho Chi­co, que es­tá de­sa­pa­re­cen­do. Ali o rio é ra­so e, em al­guns pon­tos, mui­to pro­fun­do e de cor­ren­te­zas rá­pi­das que le­vam o ba­nhis­ta para o fun­do. Acon­te­ceu. Ca­mi­la até que ten­tou sal­var o ami­go que an­tes de afo­gar su­biu du­as ve­zes à su­per­fí­cie para ser en­con­tra­do já sem vi­da 3 ho­ras de­pois a 18 me­tros de pro­fun­di­da­de. Quan­do dei a no­tí­cia da mor­te de um ator tão jo­vem uma sen­sa­ção es­tra­nha per­cor­reu mi­nhas vei­as. Des­te ti­po de re­a­ção que vo­cê per­gun­ta: por quê? Um mo­ço for­te, atlé­ti­co mes­mo, no au­ge da car­rei­ra. Era pro­ta­go­nis­ta de uma no­ve­la de su­ces­so e em mi­nu­tos is­so tu­do vai li­te­ral­men­te por água abai­xo. Não dis­cu­to os de­síg­ni­os de Deus. Is­to é com ele, pron­to aca­bou! Na en­tre­vis­ta do Zé com qu­em o ar­tis­ta pra­ti­ca­men­te co­me­çou aos 33 anos para aper­fei­ço­ar a ar­te imor­tal do cir­co, vi­mos no Do­min­gos pa­la­vre­a­do pe­lo ami­go co­mo um ca­ra sim­ples e bom que nun­ca es­que­ceu os ami­gos. O su­ces­so não su­biu à ca­be­ça. Sem­pre que vi­nha a São Paulo se reu­nia com os an­ti­gos com­pa­nhei­ros. De­pois a fa­la do mes­tre Ju­ca de Oli­vei­ra, com cer­te­za um dos mai­o­res mons­tros da dra­ma­tur­gia na­ci­o­nal. Ju­ca con­tou que um dia pro­cu­rou o Do­min­gos de­pois de uma pe­ça e con­fes­sou ser seu fã! Pu­xa vi­da, se­ria o mes­mo que o Pe­lé ven­do um ga­ro­to jo­gar lhe ras­gas­se es­te bai­ta elo­gio. Seu de­sa­pa­re­ci­men­to foi pre­mo­ni­tó­rio. Na no­ve­la seu per­so­na­gem, o San­to, tam­bém an­dou de­sa­pa­re­ci­do nas águas do Ve­lho Chi­co. Não sei se mor­rer é bom. Mas ge­ral­men­te os bons mor­rem su­bi­ta­men­te em lu­ga­res má­gi­cos co­mo o lei­to des­te rio len­dá­rio. Acho que o Do­min­gos es­tá fe­liz, afi­nal, para ele o cir­co vo­a­dor ga­nhou mais um no­bre ar­tis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.