CALOR HU­MA­NO

Ce­rimô­nia apos­ta na mú­si­ca para co­mo­ver o pú­bli­co. De­le­ga­ção bra­si­lei­ra se des­pe­de da Pa­ra­lim­pía­da em ca­sa com 72 me­da­lhas e sem atin­gir a me­ta de es­tar no Top 5

Metro Brazil (ABC) - - Esporte -

Ex­plo­ran­do o múl­ti­plo uni­ver­so mu­si­cal bra­si­lei­ro, a ce­rimô­nia de en­cer­ra­men­to da 15a Pa­ra­lim­pía­da pro­mo­veu en­con­tros en­tre os mais di­ver­sos rit­mos na­ci­o­nais, na noi­te de on­tem, no Ma­ra­ca­nã. Além de no­mes mais co­nhe­ci­dos, co­mo o da bai­a­na Ive­te San­ga­lo e da ban­da per­nam­bu­ca­na Na­ção Zum­bi, que exi­biu car­taz de pro­tes­to “Fo­ra, Te­mer”, o even­to reu­niu no pal­co o ro­quei­ro pau­lis­ta An­dre­as Kis­ser, Ar­man­di­nho, íco­ne do axé da Bahia, e o gui­tar­ris­ta flu­mi­nen­se Joh­natha Bas­tos, que nas­ceu sem os bra­ços.

Um mi­nu­to de si­lên­cio foi de­di­ca­do ao ci­clis­ta ira­ni­a­no Bah­man Gol­bar­nezhad, que mor­reu após aci­den­te na pro­va do ciclismo de es­tra­da. Ri­car­di­nho, ou­ro no fu­te­bol de 5, foi o por­ta-bandeira bra­si­lei­ro. O es­pe­tá­cu­lo exal­tou a acei­ta­ção às di­fe­ren­ças e foi mar­ca­do por men­sa­gens de paz e to­le­rân­cia. Atle­tas de to­das as de­le­ga­ções fo­ram ins­ta­la­dos no gra­ma­do co­ber­to co­mo es­pec­ta­do­res.

Nar­ra­da pe­la lo­cu­to­ra do Go­o­gle Tra­du­tor, a ce­rimô­nia ser­viu tam­bém para ce­le­brar a 8a co­lo­ca­ção da de­le­ga­ção da ca­sa no qua­dro de me­da­lhas. Fo­ram 72 no to­tal: 14 ou­ros, 29 pra­tas e 29 ou­ros. Es­se é o me­lhor re­sul­ta­do bra­si­lei­ro da his­tó­ria. Con­tu­do, foi abai­xo da me­ta do Comitê Pa­ra­lím­pi­co Bra­si­lei­ro, que es­pe­ra­va al­can­çar o 5o lu­gar.

De acor­do com o ba­lan­ço fei­to pe­lo Comitê Rio 2016, a ci­da­de po­de co­me­mo­rar o su­ces­so na re­a­li­za­ção do me­ga­e­ven­to. “Cum­pri­mos a nos­sa mis­são. Des­de que ven­ce­mos a can­di­da­tu­ra, em ou­tu­bro de 2009, eu sei que pas­sa­mos por um pe­río­do de mui­tas dú­vi­das”, re­co­nhe­ceu Car­los Arthur Nuz­man, pre­si­den­te do Comitê Rio 2016.

Os Jo­gos ter­mi­na­ram, se­gun­do o comitê, den­tro do or­ça­men­to de R$ 7,4 bi­lhões, pre­vis­to em 2009. “Não tí­nha­mos a in­ten­ção de usar re­cur­so pú­bli­co, mas ti­ve­mos mo­men­tos de di­fi­cul­da­de e fe­cha­mos con­vê­nio de R$ 150 mi­lhões com a pre­fei­tu­ra. Mas is­so não pas­sa de 1% do cus­to to­tal”, afir­mou Ma­rio An­dra­da, por­ta-voz da Rio 2016.

De­vi­do à al­ta pro­cu­ra por en­tra­das – fo­ram 2,1 mi­lhões de in­gres­sos ven­di­dos –, hou­ve re­du­ção no bu­ra­co or­ça­men­tá­rio. A ver­ba da pre­fei­tu­ra foi para o pa­ga­men­to de pas­sa­gens de atle­tas de de­le­ga­ções com me­nos re­cur­sos e tras­la­do de ca­va­los do hi­pis­mo. O mon­tan­te ser­vi­rá para des­mon­ta­gem de es­tru­tu­ras e na de­mis­são de fun­ci­o­ná­ri­os.

O Ministério do Es­por­te anun­ci­ou a pro­gra­ma­ção do apor­te fi­nan­cei­ro no es­por­te pa­ra­lím­pi­co até a pró­xi­ma edi­ção, em Tó­quio 2020. Além de man­ter pro­gra­mas de in­cen­ti­vo, co­mo Bol­sa Atle­ta e Bol­sa Pó­dio, vai am­pli­ar o in­ves­ti­men­to para R$ 656 mi­lhões em 2017.

“É a me­lhor par­ti­ci­pa­ção bra­si­lei­ra em Jo­gos Pa­ra­lím­pi­cos. A gen­te sem­pre dis­se que era uma me­ta agres­si­va e am­bi­ci­o­sa.” AN­DREW PARSONS, PRE­SI­DEN­TE DO COMITÊ PA­RA­LÍM­PI­CO BRA­SI­LEI­RO (CPB) “Os pro­gra­mas do Ministério se­rão man­ti­dos e am­pli­a­dos. O re­sul­ta­do do país é um sal­to sig­ni­fi­ca­ti­vo na quan­ti­da­de de me­da­lhas. ” LE­O­NAR­DO PICCIANI, MI­NIS­TRO DO ES­POR­TE

IDE GO­MES/FRAMEPHOTO/FOLHAPRESS

Ar­man­di­nho e An­dre­as Kis­ser to­ca­ram com Joh­natha Bas­tos, que to­ca gui­tar­ra com os pés

| RI­CAR­DO MO­RA­ES/REU­TERS

Ja­po­ne­ses re­ce­be­ram a bandeira pa­ra­lím­pi­ca do Rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.