37% acham que ví­ti­mas são cul­pa­das por es­tu­pros

Ma­chis­mo. ‘Mu­lher que se dá ao res­pei­to não é es­tu­pra­da’ pa­ra um ter­ço da po­pu­la­ção, se­gun­do pes­qui­sa do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça. Pa­ra Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, nú­me­ros mos­tram dis­tor­ção na no­ção de res­pei­to. Edu­ca­ção é a saí­da apon­ta­da pa­ra mu­dar

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - FABÍOLA SALANI

De quem é a culpa quan­do ocor­re um es­tu­pro, que, di­ga-se de pas­sa­gem é um cri­me? Na opi­nião de mais de um ter­ço da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, é da ví­ti­ma, quan­do ela é mu­lher.

É o que se de­pre­en­de de pes­qui­sa do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça, na qual 37% dos en­tre­vis­ta­dos con­cor­da­ram com a afir­ma­ção “mu­lher que se dá ao res­pei­to não é es­tu­pra­da” e 30% com a fra­se “mu­lher que usa rou­pa pro­vo­ca­ti­va não po­de re­cla­mar se for es­tu­pra­da”.

A par­tir dos da­dos le­van­ta­dos pe­lo Da­ta­fo­lha em 217 ci­da­des do país, a equi­pe do Fó­rum ava­li­ou, no re­la­tó­rio da pes­qui­sa, que seu re­sul­ta­do mos­tra que “mui­tas ve­zes as pró­pri­as mu­lhe­res ain­da são con­si­de­ra­das res­pon­sá­veis pe­la vi­o­lên­cia se­xu­al, se­ja por não se com­por­ta­rem ‘ade­qua­da­men­te’ ou por usa­rem rou­pas pro­vo­can­tes”.

Pa­ra a promotora e co­or­de­na­do­ra do Nú­cleo de Gê­ne­ro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de São Pau­lo, Valéria Scarance, o re­sul­ta­do da pes­qui­sa mos­tra uma dis­tor­ção na no­ção de “res­pei­to”.

“Ca­be­ria en­tão à mu­lher se acau­te­lar e se dar ao res­pei­to, não ao ho­mem res­pei­tar. A pes­soa pas­sa a “É uma dis­tor­ção do con­cei­to de res­pei­to. Ca­be­ria en­tão à mu­lher se acau­te­lar e se dar ao res­pei­to, não ao ho­mem res­pei­tar.”

VALÉRIA SCARANCE, PROMOTORA

me­re­cer res­pei­to por seu com­por­ta­men­to, e não por ser pes­soa”, afir­mou.

O per­cen­tu­al de con­cor­dân­cia com as du­as fra­ses so­be quan­do a pes­soa que res­pon­de é ho­mem (ve­ja qua­dro). Mas cai con­for­me au­men­ta o ní­vel de ins­tru­ção – 19% dos pes­qui­sa­dos com ní­vel su­pe­ri­or pa­ra a pri­mei­ra fra­se e 16% pa­ra a se­gun­da.

“Is­so mos­tra a im­por­tân­cia da edu­ca­ção pa­ra mu­dar es­se pen­sa­men­to”, dis­se a promotora.

De fa­to. A fra­se que te­ve mai­or con­cor­dân­cia é um alen­to: 91% dis­se­ram que ‘te­mos que en­si­nar os me­ni­nos a não es­tu­prar”. Pa­ra os pes­qui­sa­do­res, “o enun­ci­a­do apon­ta pa­ra a ideia de que uma edu­ca­ção so­bre igual­da­de tem po­ten­ci­al pa­ra al­te­rar”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.