‘ANTÔ­NIO SOU EU COM MAIS CO­RA­GEM’

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - METRO RIO

O no­me de­le é Pe­dro Ga­bri­el Anhorn. Mas po­de cha­má-lo de Antô­nio. Aos 31 anos, ele é au­tor de um dos “tum­blrs” mais co­men­ta­dos da in­ter­net: “Eu me Cha­mo Antô­nio”. Des­de que pos­tou seu pri­mei­ro guar­da­na­po, em 2012, Pe­dro to­ta­li­za 700 mil se­gui­do­res no Ins­ta­gram e qua­se 1 mi­lhão no Fa­ce­bo­ok. E, a jul­gar pe­lo lan­ça­men­to de “Ilus­tre Po­e­sia”, es­se nú­me­ro de­ve au­men­tar.

Qual foi o pon­to de par­ti­da de “Ilus­tre Po­e­sia”?

Acre­di­to que o pon­to de par­ti­da te­nha si­do jus­ta­men­te a ne­ces­si­da­de de me des­pe­dir das pa­la­vras que es­ta­vam in­qui­e­tas em mim des­de a pu­bli­ca­ção do “Se­gun­do” (2014). O meu no­vo li­vro nas­ce de um de­se­jo de ex­te­ri­o­ri­zar, se­ja em de­se­nhos ou em pa­la­vras, os meus si­lên­ci­os. Quan­do es­cre­vo, ba­si­ca­men­te, es­tou que­bran­do o si­lên­cio.

Vo­cê e seu al­ter ego, Antô­nio, têm al­go em co­mum?

Por ser um re­sul­ta­do da mi­nha ima­gi­na­ção, é im­pos­sí­vel ne­gar que o per­so­na­gem tem mui­to de mim. Antô­nio sou eu com um pou­co mais de co­ra­gem pa­ra ex­te­ri­o­ri­zar os sen­ti­men­tos. Ele é a per­so­ni­fi­ca­ção da mi­nha co­ra­gem.

Vo­cê já es­cre­veu três li­vros: “Eu Me Cha­mo Antô­nio” (2013), “Se­gun­do” (2014) e, ago­ra, “Ilus­tre Po­e­sia”. Quais ou­tras fron­tei­ras vo­cê pre­ten­de des­bra­var?

Es­ses três li­vros for­mam uma es­pé­cie de tri­lo­gia de um pré-ro­man­ce. A ideia ini­ci­al sem­pre foi es­cre­ver um ro­man­ce em pro­sa do per­so­na­gem Antô­nio. Tan­to é que, até ho­je, a fra­se de des­cri­ção nas mi­nhas re­des so­ci­ais é: “Antô­nio é um per­so­na­gem de um ro­man­ce que es­tá sen­do es­cri­to, vi­vi­do”. O pri­mei­ro “Eu Me Cha­mo Antô­nio” (2013) foi mar­ca­do pe­la mi­nha in­se­gu­ran­ça. O “Se­gun­do” (2014) já de­mons­tra­va uma von­ta­de – mes­mo que tí­mi­da – de li­ber­tar as pa­la­vras pa­ra além das fron­tei­ras dos guar­da­na­pos. Ago­ra, com a pu­bli­ca­ção do “Ilus­tre Po­e­sia”, dou mais um pas­so em di­re­ção à pro­mes­sa do ro­man­ce. Mas exis­te uma in­fi­ni­da­de de ca­mi­nhos pos­sí­veis a se­guir. Ca­da guar­da­na­po é co­mo se fos­se um epi­cen­tro cri­a­ti­vo, que po­de se des­do­brar em vá­ri­as pla­ta­for­mas. O mais im­por­tan­te é man­ter a sua ver­da­de, a sua per­so­na­li­da­de, en­fim, a sua sen­si­bi­li­da­de em ca­da for­ma que vo­cê es­co­lher di­vul­gar sua po­e­sia.

Em 2013, vo­cê dis­se que não se con­si­de­ra­va “nem um po­e­ta, nem um ilus­tra­dor, mas um de­se­nha­dor de pa­la­vras”. Con­ti­nua pen­san­do as­sim? Por quê?

Sim. Acre­di­to que meu tra­ba­lho é um ca­sa­men­to do tra­ço com a sí­la­ba, do ra­bis­co com o fo­ne­ma. Den­tro do uni­ver­so do “Eu Me Cha­mo Antô­nio”, não con­si­go me ver só co­mo po­e­ta ou só co­mo ilus­tra­dor. Eu de­se­nhei es­se mun­do. Eu es­cre­vi es­se uni­ver­so. Antô­nio – o per­so­na­gem –é o re­sul­ta­do des­se mun­do ilus­tra­do, des­se uni­ver­so ver­si­fi­ca­do.

“ILUS­TRE PO­E­SIA” PE­DRO GA­BRI­EL ED. INTRÍNSECA 224 PÁGS. R$ 40

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.