PR prende, mas Mo­ro man­da sol­tar Gui­do Man­te­ga

Ex-ministro, que acom­pa­nha­va a mu­lher no hos­pi­tal, é acu­sa­do de pe­dir ver­ba pa­ra o PT a Ei­ke Ba­tis­ta

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - RA­FA­EL NE­VES

O ex-ministro da Fa­zen­da Gui­do Man­te­ga che­gou a ser pre­so on­tem na 34ª fa­se da Lava Jato, a Arquivo X, por sus­pei­ta de pe­dir R$ 5 mi­lhões de pro­pi­na ao em­pre­sá­rio Ei­ke Ba­tis­ta pa­ra qui­tar dí­vi­das de cam­pa­nha do PT.

À fren­te da pas­ta por qua­se no­ve anos (2006-15) nos go­ver­nos Lu­la e Dil­ma, Man­te­ga foi de­ti­do em São Paulo no iní­cio da ma­nhã e te­ve a pri­são re­vo­ga­da ho­ras de­pois pe­lo juiz Sér­gio Mo­ro, já que acom­pa­nha a mu­lher com câncer no hos­pi­tal Al­bert Eins­tein, na ca­pi­tal pau­lis­ta.

Ao sol­tar o ex-ministro, Mo­ro ex­pli­cou que a for­ça-ta­re­fa e ele pró­prio não sa­bi­am da ci­rur­gia agen­da­da pa­ra a mu­lher de Man­te­ga na ma­nhã de on­tem. A pri­são já es­ta­va au­to­ri­za­da pe­lo juiz des­de 16 de agos­to. Ou­tros se­te in­ves­ti­ga­dos fo­ram pre­sos.

A 34ª fa­se mi­ra a ex­plo­ra­ção do pré-sal. Uma obra de cons­tru­ção das pla­ta­for­mas P-69 e P-70 pa­ra a Pe­tro­bras, na Ba­cia de San­tos, foi as­su­mi­da em 2012 pe­lo Con­sór­cio In­te­gra, for­ma­do pe­la Men­des Ju­ni­or e a OSX, do gru­po de Ei­ke Ba­tis­ta.

A sus­pei­ta do MPF (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral) é que o con­tra­to, de US$ 922 mi­lhões, ge­rou três “ver­ten­tes” de pro­pi­na: uma pa­ra o PT atra­vés de Man­te­ga, ou­tra pa­ra o PMDB, e a ter­cei­ra pa­ra o ex-ministro José Dir­ceu.

Em maio des­te ano, Ei­ke dis­se ao MPF ter se reu­ni­do com Man­te­ga em no­vem­bro de 2012, no ga­bi­ne­te do ministro, e re­ce­bi­do o pe­di­do de R$ 5 mi­lhões ao PT. O en­con­tro foi re­gis­tra­do na agen­da ofi­ci­al de Man­te­ga.

O di­nhei­ro foi pa­go no ex­te­ri­or pe­la offsho­re Gol­den Rock, man­ti­da por Ei­ke no Pa­na­má, à offsho­re Shel­bill, do ca­sal de mar­que­tei­ros João San­ta­na e Mônica Mou­ra. Fo­ram de­po­si­ta­dos US$ 2,35 mi­lhões (R$ 5 mi­lhões no câm­bio da épo­ca). San­ta­na e Mônica já con­fes­sa­ram a Mo­ro ter re­ce­bi­do dí­vi­das de cam­pa­nhas do PT via cai­xa 2.

Ei­ke Ba­tis­ta ne­ga que o pa­ga­men­to te­nha si­do pro­pi­na pe­lo con­tra­to das pla­ta­for­mas, e diz que acei­tou pa­gar a Mônica Mou­ra des­de que hou­ves­se um ser­vi­ço pres­ta­do pe­la Po­lis, em­pre­sa de pu­bli­ci­da­de do ca­sal. A Po­lis che­gou a en­tre­gar à OSX um es­tu­do de mar­ke­ting no ex­te­ri­or, que jus­ti­fi­ca­ria o pa­ga­men­to, mas a sus­pei­ta é que foi uma ope­ra­ção de fa­cha­da.

Se­gun­do Mo­ro, a ver­são de que Ei­ke fa­ria uma do­a­ção lí­ci­ta ao PT é du­vi­do­sa, já que o em­pre­sá­rio tra­tou do as­sun­to com “o en­tão ministro da Fa­zen­da, a quem não ca­be so­li­ci­tar do­a­ções elei­to­rais ao par­ti­do do go­ver­no”.

O ad­vo­ga­do José Ba­to­chio, que de­fen­de Man­te­ga, re­co­nhe­ce que o ministro en­con­trou Ei­ke, mas não pe­diu qual­quer con­tri­bui­ção. “Ele era ministro de Es­ta­do e se reu­nia com to­do o em­pre­sa­ri­a­do bra­si­lei­ro, mas ja­mais fez um pe­di­do des­se ti­po”, dis­se.

A de­fe­sa de Ei­ke in­for­mou a Mo­ro que “o ministro [Man­te­ga] não ofer­tou nem lhe foi pe­di­da ne­nhu­ma van­ta­gem ou con­tra­pres­ta­ção, mui­to me­nos re­la­ci­o­na­da à Pe­tro­bras”.

| NACHO DCOE / REUTERS

Man­te­ga fi­cou pre­so por cer­ca de 7 ho­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.