VE­JA AS PRIN­CI­PAIS PRO­POS­TAS DOS CAN­DI­DA­TOS PA­RA A SE­GU­RAN­ÇA PÚ­BLI­CA EM SAN­TO ANDRÉ

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

Ire­mos am­pli­ar as ações do po­li­ci­a­men­to de pro­xi­mi­da­de, le­van­do a GCM aos lo­cais de mai­or flu­xo de pes­so­as e ser­vi­ços, com ba­ses mó­veis, den­tro do con­cei­to de po­li­ci­a­men­to co­mu­ni­tá­rio. Tam­bém va­mos am­pli­ar o sis­te­ma de vi­de­o­mo­ni­to­ra­men­to pa­ra to­das as re­giões da ci­da­de e pa­ra o mo­ni­to­ra­men­to dos equi­pa­men­tos pú­bli­cos mu­ni­ci­pais, co­mo par­ques, es­co­las e uni­da­des de saú­de. Ire­mos cri­ar o pro­gra­ma “Vá em se­gu­ran­ça pa­ra o tra­ba­lho e à es­co­la”, que con­sis­te em vi­gi­lân­cia e po­li­ci­a­men­to de vi­as com gran­de flu­xo de pes­so­as em des­lo­ca­men­to, por meio dos pro­gra­mas Ro­mo (Ron­das Ope­ra­ci­o­nais com Mo­to­ci­cle­tas) e Ro­mu (Ron­das Ope­ra­ci­o­nais Mu­ni­ci­pais). Man­te­re­mos a va­lo­ri­za­ção e a ca­pa­ci­ta­ção per­ma­nen­te da GCM, vi­san­do tor­ná-la um agen­te so­ci­al es­sen­ci­al à pre­ven­ção da vi­o­lên­cia ur­ba­na, me­lho­ran­do os ser­vi­ços à po­pu­la­ção. Va­mos am­pli­ar pa­ra to­da a ci­da­de o Pro­gra­ma Ba­nho de Luz, ação que vi­sa mo­der­ni­zar e am­pli­ar o sis­te­ma de ilu­mi­na­ção de San­to André.

Fa­re­mos a am­pli­a­ção e oti­mi­za­ção do efe­ti­vo da GCM. Tam­bém va­mos re­for­mu­lar, am­pli­ar e oti­mi­zar o Cen­tro de Mo­ni­to­ra­men­to in­te­li­gen­te da ci­da­de com as po­lí­ci­as ci­vil e mi­li­tar, am­pli­ar as ron­das nos bair­ros, co­mér­ci­os e pon­tos de ôni­bus. Ire­mos me­lho­rar a con­di­ção da ilu­mi­na­ção na ci­da­de, em es­pe­ci­al nos lo­cais com mai­or ín­di­ce de as­sal­tos.

Nos­sa pro­pos­ta é re­la­ti­va­men­te sim­ples: eu se­rei o se­cre­tá­rio de Se­gu­ran­ça da ci­da­de. Che­ga des­se ne­gó­cio do pre­fei­to fa­lar que a se­gu­ran­ça é pro­ble­ma do Es­ta­do. Va­mos as­su­mir es­se pa­pel aqui. Ire­mos in­te­grar as po­lí­ci­as com sis­te­ma, fa­zer uma aná­li­se do ma­pa dos cri­mes a ca­da 15 di­as, au­men­tar a ron­da da GCM, cri­ar uma co­mis­são de se­gu­ran­ça com os Con­segs. Pas­sa por tu­do is­so equi­par a GCM e ter uma cen­tral de mo­ni­to­ra­men­to. Além dis­so, a manutenção do mu­ni­cí­pio pre­ci­sa es­tar em dia. Uma ci­da­de mais es­cu­ra e su­ja atrai o cri­me. As­su­min­do es­se pa­pel de se­cre­tá­rio de Se­gu­ran­ça co­mo pre­fei­to, acre­di­to que a ci­da­de vai evo­luir mui­to. Va­mos de­se­nhar e im­plan­tar um pro­gra­ma emer­gen­ci­al de se­gu­ran­ça pú­bli­ca di­re­ci­o­na­do ao en­fren­ta­men­to dos prin­ci­pais pro­ble­mas de cri­mi­na­li­da­de, fo­ca­li­zan­do bair­ros, re­giões e zo­nas de mai­or ocor­rên­cia em par­ce­ria com o Es­ta­do, tra­zen­do e re­for­çan­do as ações co­mo o In­fo­crim (Sis­te­ma de In­for­ma­ções Cri­mi­nais), o Ge­a­crim (Gru­po Es­pe­ci­a­li­za­do de Aten­di­men­to a Lo­cais de Cri­mes) e o PPI (Pro­gra­ma de Po­li­ci­a­men­to In­te­li­gen­te).

No­va York pro­vou que se­gu­ran­ça diz res­pei­to ao mu­ni­cí­pio. Ela é um tri­pé. Pri­mei­ro em re­la­ção ao cri­mi­no­so: lei du­ra, ca­deia cer­ta. Is­so de­cor­re da ação do Es­ta­do. Se­gun­do, diz res­pei­to à ví­ti­ma. Ho­je, em San­to André, a pes­soa é ví­ti­ma e ao fa­zer o bo­le­tim de ocor­rên­cia sen­te­se um li­xo, fi­ca uma, du­as ho­ras pa­ra re­gis­trar a ocor­rên­cia. En­tão, va­mos cri­ar um cen­tro de re­fe­rên­cia de apoio à ví­ti­ma. A pre­fei­tu­ra tem que fa­zer to­dos os con­vê­ni­os pos­sí­veis com o Es­ta­do no sen­ti­do de aco­lher es­sa ví­ti­ma. O ter­cei­ro fa­tor é a atu­a­ção no am­bi­en­te do cri­me, e is­so tem tu­do a ver com a pre­fei­tu­ra. Em No­va York, em pon­tos on­de há rein­ci­dên­cia cri­mi­nal, a vi­gi­lân­cia sa­ni­tá­ria, a guar­da e o al­va­rá de fun­ci­o­na­men­to têm de ser uti­li­za­dos. Se há, por exem­plo, um bar na re­gião da ave­ni­da In­dus­tri­al que ge­ra vi­o­lên­cia e rou­bo, é pre­ci­so atu­ar nes­se es­ta­be­le­ci­men­to co­mer­ci­al por meio da vi­gi­lân­cia sa­ni­tá­ria , GCM e cas­sar o al­va­rá. Com is­so, os bol­sões de vi­o­lên­cia se­ri­am evi­ta­dos. Tam­bém pre­ci­sa­mos do mo­ni­to­ra­men­to por câ­me­ras com si­nal aber­to. Des­ta forma, é pos­sí­vel ter um grau de vi­gi­lân­cia enor­me. É pro­va­do que on­de há câ­me­ras os ín­di­ces de vi­o­lên­cia ca­em.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.