VER­GO­NHA NÃO É PREN­DER, E SIM ROU­BAR

Metro Brazil (ABC) - - Foco - JO­SÉ LUIZ DATENA JOSE.DATENA @ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

Na po­lí­ti­ca, quan­do se tem al­gu­ma dú­vi­da so­bre o que fa­zer, é me­lhor não fa­zer coi­sa al­gu­ma… Quan­do se es­tá em dú­vi­da so­bre o que di­zer, me­lhor é fa­lar o que pen­sa, a ver­da­de. A fra­se, cla­ro, não é mi­nha, mas de um dos mai­o­res ar­ti­cu­lis­tas, co­ra­jo­sos e gran­de es­ta­dis­ta, sím­bo­lo da re­sis­tên­cia na Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, que nos li­vrou do exe­crá­vel re­gi­me na­zis­ta, Wins­ton Chur­chill, que de­pois dis­to até per­deu elei­ção, mas pas­sou pa­ra a his­tó­ria co­mo um dos mai­o­res per­so­na­gens do sé­cu­lo 20.

Ao con­trá­rio de mui­tos do nos­so pas­sa­do re­cen­te que fo­ram pe­gos na men­ti­ra, rou­ban­do o di­nhei­ro do po­vo, seu di­nhei­ro. Pa­re­ce que pa­ra es­ses vi­lões não bas­ta o po­der que já vem car­re­ga­do de uma série de mor­do­mi­as. Qu­an­tos não têm mui­ta gra­na e na ver­da­de só que­ri­am o po­der? Por is­so não te­nho pe­na de qu­em vai pre­so por as­sal­tar os co­fres pú­bli­cos de um país de mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos, ou mi­se­rá­veis mes­mo que mor­rem à mín­gua nos cor­re­do­res dos hos­pi­tais. Cri­an­ças pe­din­do es­mo­la nos si­nais, en­quan­to o pai em­bri­a­ga­do ba­te na mãe. Um cal­do de cul­tu­ra que es­ses ca­na­lhas fin­gem não ter na­da a ver com eles e sua rou­ba­lhei­ra sem fim. São pre­sos le­gi­ti­ma­men­te, na mai­o­ria das ve­zes, cul­pam a po­lí­cia ou a Jus­ti­ça por des­man­dos, quan­do na ver­da­de são cri­mi­no­sos em lar­ga es­ca­la com me­nos hon­ra que la­drões pés de chi­ne­lo ou ain­da pi­o­res e or­ga­ni­za­dos co­mo o cri­me de fac­ções que in­fes­ta o Bra­sil.

O que me cau­sa es­pan­to é que, mes­mo com de­nún­ci­as e pri­sões ca­da vez mais fre­quen­tes, con­ti­nua o des­ca­ra­men­to co­mo es­ses Ge­deis da vi­da ten­tan­do nos em­pur­rar na ca­la­da da ma­dru­ga­da que cai­xa 2 não é cri­me. Po­de não ser na éti­ca de­le e de seus pa­res, na mai­o­ria cor­rup­tos sem ver­go­nha. Não bas­ta delação pre­mi­a­da e de­vol­ver al­guns tro­ca­dos dos mi­lhões que rou­ba­ram. Tem que apli­car pe­na pe­cu­niá­ria, to­mar tu­do o que o va­ga­bun­do le­vou, pren­dê-lo on­de es­ti­ver e de­pois de le­gi­ti­ma­men­te jul­ga­do, além de dei­xar seu bol­so va­zio, jo­gá-lo na ca­deia. Fo­ra dis­so, não tem jei­to, me aju­da aí.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.