Mis­são é man­ter bo­as es­co­las

Es­co­las su­prem de­man­da por va­gas em São Ca­e­ta­no, mas pro­je­ção in­di­ca es­ta­do de aten­ção. Can­di­da­tos têm mis­são de con­ti­nu­ar ex­ce­lên­cia no en­si­no

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

Úni­ca ci­da­de do ABC sem de­fi­cit de va­gas e com re­de mu­ni­ci­pal de en­si­no en­tre as me­lho­res mé­di­as de no­tas no Ideb (Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to de Edu­ca­ção Bá­si­ca), São Ca­e­ta­no tem co­mo de­sa­fio man­ter a ex­ce­lên­cia na edu­ca­ção nos pró­xi­mos anos.

A re­de mu­ni­ci­pal pos­sui cer­ca de 20 mil alu­nos ma­tri­cu­la­dos em 61 es­co­las, que aten­dem des­de o in­fan­til até o en­si­no mé­dio.

Nos úl­ti­mos qua­tro anos, li­de­ra­dos pe­lo atu­al pre­fei­to Pau­lo Pi­nhei­ro (PMDB), não hou­ve en­tre­ga de no­vas uni­da­des es­co­la­res. No en­tan­to, há uma es­co­la de edu­ca­ção in­fan­til sen­do cons­truí­da com pre­vi­são de con­clu­são ain­da pa­ra es­te ano. A uni­da­de, lo­ca­li­za­da no bair­ro San­ta Pau­la, re­ce­be­rá 200 cri­an­ças en­tre ze­ro e cin­co anos.

Ape­sar de não fal­tar va­ga pa­ra os mo­ra­do­res da ci­da­de, o de­fi­cit é uma pre­o­cu­pa­ção futura de São Ca­e­ta­no. Se­gun­do a pre­fei­tu­ra, “há pro­je­ções da ne­ces­si­da­de de au­men­to no aten­di­men­to de alu­nos, es­pe­ci­al­men­te na edu­ca­ção in­fan­til.”

Se­gun­do o co­or­de­na­dor da Cá­te­dra Cel­so Da­ni­el de Ges­tão de Ci­da­des da Uni­ver­si­da­de Me­to­dis­ta, Luiz Sil­vé­rio, o au­men­to na procura pe­la re­de pú­bli­ca de en­si­no é al­go nor­mal no ce­ná­rio de cri­se e de­ve ser le­va­do em con­si­de­ra­ção no pla­no de go­ver­no dos can­di­da­tos. “A cri­se afe­ta di­re­ta­men­te a re­gião por ter mui­ta em­pre­sa au­to­mo­bi­lís­ti­ca. Há uma mi­gra­ção da re­de pri­va­da pa­ra a pú­bli­ca. A mai­or procura não é só por­que a ci­da­de au­men­tou, mas tam­bém por cau­sa des­sa mi­gra­ção”, dis­se Sil­vé­rio.

Pa­ra o co­or­de­na­dor, ou­tro de­sa­fio dos can­di­da­tos se­rá man­ter as cri­an­ças em pe­río­do in­te­gral. “Os es­tu­dan­tes têm que apren­der e brin­car, ter o lú­di­co. É mais ba­ra­to es­co­la em tem­po in­te­gral com di­nhei­ro pú­bli­co des­ti­na­do à edu­ca­ção do que de­pois as con­sequên­ci­as de uma cri­an­ça fo­ra da es­co­la.”

O or­ça­men­to pre­vis­to pa­ra a edu­ca­ção em 2016 na ci­da­de é de R$ 311,7 mi­lhões.

DIVULGAÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.