Jul­ga­men­tos do Ca­ran­di­ru são anu­la­dos

Jú­ris que con­de­na­ram 74 po­li­ci­ais pe­la par­ti­ci­pa­ção na ação que re­sul­tou na mor­te de 111 pre­sos em 1992 po­de­rão ser re­fei­tos

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

O Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de São Pau­lo anu­lou on­tem os jul­ga­men­tos que con­de­na­ram 74 po­li­ci­ais mi­li­ta­res en­vol­vi­dos no ca­so que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo mas­sa­cre do Ca­ran­di­ru, no qual 111 de­ten­tos fo­ram mor­tos em ou­tu­bro de 1992.

Até ho­je, 24 anos de­pois, ne­nhum dos PMs en­vol­vi­dos cum­priu ne­nhu­ma pe­na de­vi­do ao ca­so.

Em um re­cur­so da de­fe­sa, a tur­ma jul­ga­do­ra da 4ª Câ­ma­ra de Di­rei­to Cri­mi­nal ava­li­ou que a de­ci­são dos ju­ra­dos era “ma­ni­fes­ta­men­te con­trá­ria à pro­va dos au­tos”. O re­la­tor, Ivan Sar­to­ri, que­ria a ab­sol­vi­ção dos réus, mas os ou­tros dois de­sem­bar­ga­do­res vo­ta­ram pe­la re­a­li­za­ção de um no­vo jul­ga­men­to.

A pro­cu­ra­do­ra de Jus­ti­ça cri­mi­nal Sil­via Jar­dim, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, afir­mou que vai re­cor­rer da de­ci­são.

“Nós va­mos en­trar com re­cur­so no STJ [Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça] pa­ra sus­ten­tar que o jú­ri não er­rou ao con­de­nar os po­li­ci­ais”, dis­se ela. No re­cur­so, a pro­mo­to­ria vai di­zer que os ju­ra­dos con­de­na­ram com ba­se nas pro­vas pro­du­zi­das.

A pro­cu­ra­do­ra res­sal­ta que a ab­sol­vi­ção que o re­la­tor de­fen­deu não ha­via si­do pe­di­da nem pe­la de­fe­sa. “Foi uma de­ci­são inu­si­ta­da.”

No re­la­tó­rio, o de­sem­bar­ga­dor Sar­to­ri jus­ti­fi­cou seu pe­di­do de ab­sol­vi­ção di­zen­do que “não hou­ve mas­sa­cre, mas sim le­gí­ti­ma de­fe­sa”.

Pa­ra o ad­vo­ga­do Ari­el de Cas­tro Al­ves, in­te­gran­te do Con­se­lho Es­ta­du­al dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, a de­ci­são do TJ “abre ain­da mais pre­ce­den­tes pa­ra am­pli­ar os já al­tos ín­di­ces de vi­o­lên­cia e le­ta­li­da­de nas ações po­li­ci­ais em São Pau­lo e no Bra­sil, sob o fal­so ar­gu­men­to de ‘le­gí­ti­ma de­fe­sa’”.

Co­mo a de­ci­são da tur­ma do tri­bu­nal não se deu por una­ni­mi­da­de, a de­fe­sa po­de en­trar com re­cur­so cha­ma­do em­bar­gos in­frin­gen­tes. Nes­se ca­so, os cin­co de­sem­bar­ga­do­res da Câ­ma­ra de­vem se ma­ni­fes­tar se con­si­de­ram que de­ve ha­ver no­vo jul­ga­men­to ou se os réus de­vem ser ab­sol­vi­dos. O ca­so Em 2 de ou­tu­bro de 1992, a Po­lí­cia Mi­li­tar foi cha­ma­da pa­ra con­ter re­be­lião no pa­vi­lhão 9 da Ca­sa de De­ten­ção, que fi­ca­va no Ca­ran­di­ru (zo­na nor­te). Os po­li­ci­ais in­va­di­ram o pré­dio e, no fi­nal, hou­ve um sal­do de 111 de­ten­tos mor­tos.

O co­man­dan­te da ope­ra­ção, co­ro­nel Ubi­ra­tan Gui­ma­rães, foi as­sas­si­na­do. Acu­sa­da pe­lo cri­me, uma na­mo­ra­da do mi­li­tar foi ab­sol­vi­da.

Co­mo em ca­da um dos an­da­res do pa­vi­lhão hou­ve uma qu­an­ti­da­de de mor­tes e po­li­ci­ais que atu­a­ram no lo­cal, o jul­ga­men­to aca­bou sen­do di­vi­di­do por pa­vi­men­to.

| EDER CHIODETTO/FOLHAPRESS

Po­li­ci­ais in­va­di­ram Ca­sa de De­ten­ção, em SP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.