Nun­ca é tar­de

Es­tu­dar de­pois dos 30. Não im­por­ta a ida­de, sem­pre é tem­po de in­ves­tir na car­rei­ra e fa­zer o cur­so dos seus so­nhos

Metro Brazil (ABC) - - Educação -

Não são pou­cos os que abrem mão do so­nho pro­fis­si­o­nal. Os mo­ti­vos va­ri­am. Po­de ser por fal­ta de con­di­ções fi­nan­cei­ras de ban­car uma fa­cul­da­de, fi­lhos que che­gam mui­to ce­do ou ain­da por fal­ta de co­ra­gem de as­su­mir uma vo­ca­ção. Mas, por ou­tro la­do, não fal­tam exem­plos de que nun­ca é tar­de pa­ra in­ves­tir na car­rei­ra.

Jo­el­ma Ruiz ti­nha 36 anos quan­do dei­xou de adi­ar seus so­nhos e co­me­çou a cur­sar a fa­cul­da­de de psi­co­lo­gia. “Em 2007, ca­sa­da e com dois fi­lhos, de­ci­di que a ho­ra era aque­la ou nun­ca. Ti­ve mui­to apoio do meu ma­ri­do e dos meus fi­lhos que me in­cen­ti­va­ram a cor­rer atrás do que eu que­ria”. Ela con­ta que é a fi­lha mais ve­lha de cin­co ir­mãos e te­ve que sair do co­lé­gio di­re­to pa­ra tra­ba­lhar e aju­dar em ca­sa.

De­pois de ocu­pa­ções co­mo fren­tis­ta, ven­de­do­ra e ope­ra­do­ra de te­le­mar­ke­ting, Jo­el­ma con­se­guiu jun­tar di­nhei­ro pa­ra re­a­li­zar o an­ti­go so­nho de ser psi­có­lo­ga. Ela lem­bra das noi­tes sem dor­mir pa­ra es­tu­dar, da di­fi­cul­da­de com a tec­no­lo­gia com­pa­ra­da aos com­pa­nhei­ros de sa­la e das fes­tas de fa­mí­lia das quais abriu mão. “Não é fá­cil, mas va­leu a pe­na. Pas­sa­ria por tu­do de no­vo”. Se­gun­do a psi­có­lo­ga, cur­sar uma fa­cul­da­de de­pois dos 30 tem vá­ri­os de­sa­fi­os, mas es­tu­dar com pes­so­as bem mais jo­vens ren­deu uma tro­ca de apren­di­za­do en­tre as ge­ra­ções.

“Mi­nhas ami­gas ti­nham ho­rá­ri­os di­fe­ren­tes dos meus, iam pa­ra ba­la­da, acor­da­vam tar­de e por ter­mos mui­tos tra­ba­lhos em gru­po, no co­me­ço hou­ve vá­ri­os con­fli­tos”, re­lem­bra.

Ape­sar das di­fe­ren­ças, com o tem­po veio o en­ten­di­men­to. “To­dos que­ri­am ir pa­ra o bar nas sex­tas-fei­ras, mas eu não. Pre­fe­ria usar mi­nhas fol­gas pa­ra fi­car com meus fi­lhos, en­tão fi­ca­va com fa­ma da ‘ve­lha cha­ta, mas de­pois mu­dou. Co­me­ça­ram a en­ten­der que eu já não po­dia mais me dar al­gu­mas li­ber­da­des co­mo es­sas”, afir­ma.

Ho­je, Jo­el­ma é psi­có­lo­ga es­pe­ci­a­li­za­da em lu­to, prin­ci­pal­men­te de pes­so­as que per­de­ram seus ani­mais, tem seu con­sul­tó­rio, dá au­las e pres­ta ser­vi­ço em al­guns hos­pi­tais. Com 45 anos ain­da tem mui­tos pla­nos pa­ra sua car­rei­ra, co­mo in­ves­tir em um mes­tra­do.

“Se ti­ver cer­te­za que ama o que faz, se de­di­que. Sem in­ves­ti­men­to emo­ci­o­nal e es­tu­do aca­dê­mi­co a gen­te não che­ga”, acon­se­lha. METRO

AN­DRÉ PORTO/METRO

Jo­el­ma Ruiz co­me­çou a cur­sar psi­co­lo­gia aos 36 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.