VE­JA AS PRIN­CI­PAIS PRO­POS­TAS DOS CAN­DI­DA­TOS PA­RA MO­BI­LI­DA­DE NA CI­DA­DE

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

Mo­bi­li­da­de é o que mais pre­o­cu­pou mi­nha ad­mi­nis­tra­ção com a ver­ti­ca­li­za­ção de­sen­fre­a­da que te­ve na ges­tão pas­sa­da de uma ma­nei­ra ir­res­pon­sá­vel e in­con­se­quen­te, que não pla­ne­jou a ci­da­de pa­ra re­ce­ber es­ses no­vos mo­ra­do­res. Mo­ra­dor no­vo não tem cul­pa ne­nhu­ma, quem tem cul­pa é o ges­tor que não fez na­da. Só cons­truiu pré­di­os e dei­xou pa­ra de­pois cor­rer atrás dos pre­juí­zos. Is­so não é ser ges­tor. Com­ba­te­mos na elei­ção pas­sa­da es­sa ver­ti­ca­li­za­ção de­sen­fre­a­da e, por con­sequên­cia, o au­men­to da mo­vi­men­ta­ção de veí­cu­los. As ru­as são as mes­mas. Às ve­zes, apar­ta­men­to com du­as va­gas tem três car­ros. O ter­cei­ro usa a rua co­mo ga­ra­gem. Vo­cê pas­sa a noi­te em São Ca­e­ta­no e vê que es­tá cheio de car­ro nas ru­as, to­dos de mo­ra­do­res que têm a rua co­mo ga­ra­gem. É fal­ta de pla­ne­ja­men­to. A ga­nân­cia imo­bi­liá­ria só pen­sou em ga­nhar di­nhei­ro e dei­xou a po­pu­la­ção so­fren­do. A qua­li­da­de de vi­da do mo­ra­dor caiu mui­to com es­se pro­ble­ma de mo­bi­li­da­de. Já ten­tei fa­zer PPP (Par­ce­ria Pú­bli­coP­ri­va­da) pa­ra cons­truir ga­ra­gens ver­ti­cais pa­ra ti­rar os car­ros das ru­as, mas até ago­ra não con­se­gui e com re­cur­so pró­prio não ti­nha di­nhei­ro. Mo­bi­li­da­de é um gran­de de­sa­fio me­tro­po­li­ta­no. Te­mos que ter ações con­jun­tas, com me­di­da in­ter­mu­ni­ci­pal, que é o nos­so que­si­to. Te­mos que au­men­tar as va­gas de es­ta­ci­o­na­men­to ro­ta­ti­vo pe­las ru­as da ci­da­de, mas di­mi­nuir a frequên­cia de bi­la­te­ra­li­da­de (va­gas nos dois la­dos). Ou se­ja, não adi­an­ta ter uma rua com dois lei­tos de es­ta­ci­o­na­men­to ro­ta­ti­vo e só um flu­xo car­ro­çá­vel. Va­mos ti­rar o es­ta­ci­o­na­men­to de um la­do e le­var pa­ra ou­tra rua que não te­nha o es­ta­ci­o­na­men­to ro­ta­ti­vo, por­tan­to va­mos au­men­tar a ofer­ta des­sas va­gas do ro­ta­ti­vo, mas va­mos ga­nhar uma uni­da­de de lei­to car­ro­çá­vel nes­sas ru­as. Na ave­ni­da Goiás, que é nos­so gran­de gar­ga­lo, va­mos ins­ta­lar ime­di­a­ta­men­te uma fai­xa de ro­la­men­to no con­tra­flu­xo, fai­xa re­ver­sa. Sim­ples ope­ra­ção, bai­xo cus­to, al­ta efe­ti­vi­da­de. Nós va­mos tam­bém au­men­tar uma pis­ta de lei­to car­ro­çá­vel, ou se­ja, au­men­ta 33% no flu­xo. Não adi­an­ta fa­lar­mos em obras fa­raô­ni­cas, vi­a­du­to pa­ra cá e pa­ra lá, tú­nel pa­ra cá e pa­ra lá. Não há re­cur­sos. Tam­bém pre­ci­sa­mos re­ver o con­cei­to de trans­por­te pú­bli­co, por­que es­tá ob­so­le­to e ven­ci­do. Que­re­mos tra­zer uma em­pre­sa ou es­pe­ci­a­lis­ta da ci­da­de de São Pau­lo que en­ten­da de mo­bi­li­da­de, que pen­se em São Ca­e­ta­no co­mo ci­da­de gran­de. O trân­si­to es­tá caó­ti­co ho­je em dia. So­mos a mai­or fro­ta de car­ros e o me­nor ter­ri­tó­rio do Bra­sil, olha o con­ges­ti­o­na­men­to que cau­sa is­so. Vou re­for­mar o ter­mi­nal ro­do­viá­rio, que es­tá feio. Tam­bém vou fa­zer as­sen­to e co­ber­tu­ra nos pon­tos de ôni­bus. On­de eu pu­der, vou fa­zer re­cu­os pa­ra os ôni­bus. Vou ten­tar fa­zer o re­cuo pa­ra o trans­por­te es­co­lar não in­ter­rom­per as ru­as. Fa­rei du­as mãos de di­re­ção on­de for pos­sí­vel. Vi­as com pro­ble­mas de es­ta­ci­o­na­men­to, se pre­ci­sar co­lo­car pla­ca de proi­bi­do es­ta­ci­o­nar na di­rei­ta, nós co­lo­ca­re­mos. Ou­tra coi­sa que te­nho co­mo pen­sa­men­to é fa­zer bol­são com ga­ra­gens ver­ti­cais, além de pe­gar as cal­ça­das e trans­for­má-las em cal­ça­das eco­ló­gi­cas ni­ve­la­das, aqui nin­guém mais vai an­dar no as­fal­to, vai ser to­do mun­do na cal­ça­da. Se ne­ces­sá­rio me­xer­mos em to­das as cal­ça­das, tam­bém me­xe­rei.

GIL­BER­TO COS­TA (PEN)

JO­SÉ AURICCHIO (PSDB)

PAU­LO PINHEIRO (PMDB)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.