VE­JA AS PRIN­CI­PAIS PRO­POS­TAS DOS CANDIDATOS PA­RA A SAÚ­DE NA CI­DA­DE

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

PAU­LO PI­NHEI­RO (PMDB)

Va­mos ati­var o Hos­pi­tal São Ca­e­ta­no. Tam­bém que­re­mos me­lho­rar nos­so sis­te­ma de saú­de. O prin­ci­pal item é a hu­ma­ni­za­ção da saú­de. Quem pro­cu­ra um so­cor­ro, um hos­pi­tal, não vai lá pa­ra pas­se­ar, vai por­que es­tá pre­ci­san­do de aju­da e es­sa hu­ma­ni­za­ção é o se­tor mais im­por­tan­te não só da área de saú­de, mas de qual­quer se­tor. On­de o fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co tem que aten­der com pres­te­za, com sor­ri­so e aten­ção. A pes­soa tem que sen­tir que o fun­ci­o­ná­rio re­al­men­te quer aten­dê-lo. Es­se é um ga­nho im­por­tan­te na hu­ma­ni­za­ção. Por is­so que lu­ta­mos nos úl­ti­mos qua­tro anos e va­mos lu­tar mais pa­ra me­lho­rar. Va­mos me­lho­rar e am­pli­ar os equi­pa­men­tos tam­bém. São Ca­e­ta­no não ti­nha res­so­nân­cia mag­né­ti­ca, ago­ra fiz uma par­ce­ria com o Hos­pi­tal Be­ne­fi­cên­cia Por­tu­gue­sa e tem res­so­nân­cia no mu­ni­cí­pio, is­so é um ga­nho pa­ra a po­pu­la­ção. Ou­tros ga­nhos vi­rão, ob­vi­a­men­te ten­do re­cur­sos pa­ra is­so. Mas a hu­ma­ni­za­ção vai ser re­al­men­te o car­ro che­fe, por­que os ou­tros itens São Ca­e­ta­no pre­ci­sa me­lho­rar, mas atu­al­men­te es­tá bem.

JO­SÉ AURICCHIO (PSDB)

Que­re­mos re­or­ga­ni­zar os ser­vi­ços, fun­da­men­tal­men­te o “Aten­de Fá­cil Saú­de”. Te­re­mos um no­vo cen­tro de con­cen­tra­ção de ser­vi­ços na ave­ni­da Goiás com a Ro­ber­to Si­mon­sen. Ele te­rá to­das as es­pe­ci­a­li­da­des mé­di­cas, to­dos os exa­mes di­ag­nós­ti­cos, in­cluin­do o com­pro­mis­so pú­bli­co de tra­zer um equi­pa­men­to de res­so­nân­cia nu­cle­ar mag­né­ti­ca pa­ra São Ca­e­ta­no, o pri­mei­ro, e com di­vi­são es­pe­ci­al pa­ra aten­di­men­to ao ido­so. O “Aten­de Fá­cil Saú­de” vai ser o grande le­ga­do que eu qu­e­ro dei­xar. Quan­to aos hos­pi­tais, te­mos aten­ção hos­pi­ta­lar mais do que de­fi­ni­da. Fi­ze­mos dois hos­pi­tais ao lon­go dos oi­to anos do meu man­da­to que dão aten­ção su­fi­ci­en­te. Tam­bém com­ple­men­ta­mos a re­de bá­si­ca. En­tão ago­ra pre­ci­sa­mos de um equi­pa­men­to de mé­dia com­ple­xi­da­de, não de in­ter­na­ção por­que são ser­vi­ços que o pa­ci­en­te tem que an­dar de um la­do pa­ra o ou­tro, de­mo­ra seis, oi­to, dez me­ses al­gu­mas coi­sas e o coi­ta­do do pa­ci­en­te fi­ca per­di­do. En­tão o con­cei­to de saú­de é exa­ta­men­te o con­cei­to de rá­pi­do e fá­cil aten­di­men­to pa­ra ter al­ta pro­du­ti­vi­da­de.

GIL­BER­TO COS­TA (PEN)

Na área da saú­de, va­mos co­lo­car o pri­mei­ro hos­pi­tal-es­co­la da ci­da­de on­de é o Hos­pi­tal São Ca­e­ta­no. Lá vai ter uma par­cei­ra da Pre­fei­tu­ra com a USCS (Uni­ver­si­da­de Mu­ni­ci­pal de São Ca­e­ta­no) e o Hos­pi­tal Sí­rio Li­ba­nês. Va­mos re­a­bi­li­tar os 180 lei­tos que pos­sui o pré­dio e, no pri­mei­ro an­dar, fa­zer o pri­mei­ro cen­tro de di­ag­nós­ti­co da ci­da­de de for­ma com que se­ja aten­di­da a cons­ti­tui­ção, que diz que to­do hos­pi­tal es­co­la pre­ci­sa de um cen­tro de di­ag­nós­ti­co e ter tam­bém 52 es­pe­ci­a­li­da­des fun­ci­o­nan­do. Va­mos pe­gar a dí­vi­da do Hos­pi­tal São Ca­e­ta­no, re­pac­tu­ar e as­su­mir pa­ra re­a­bi­li­tar o pré­dio pa­ra dar o que sem­pre deu: saú­de pa­ra o po­vo. Tam­bém que­re­mos fa­zer a ca­sa do ido­so, en­tre­ga de me­di­ca­men­to em ca­sa, im­plan­te den­tá­rio e or­to­don­tia, sen­do a pri­mei­ra ci­da­de do Bra­sil a dar is­so pa­ra a po­pu­la­ção mais hu­mil­de; um hos­pi­tal ve­te­ri­ná­rio, pois me­xe com a vi­da; e co­lo­car pa­ra fun­ci­o­nar a far­má­cia mu­ni­ci­pal, on­de se fa­bri­ca­va 40 ti­pos de me­di­ca­men­tos e não se fa­zem mais, era um pro­je­to que ti­nha da­do cer­to e era econô­mi­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.