Aten­di­men­to só pa­ra mo­ra­do­res de São Ca­e­ta­no

Can­di­da­to que for elei­to no do­min­go te­rá co­mo missão equi­li­brar ser­vi­ços vol­ta­dos pa­ra quem vi­ve na ci­da­de

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

São Ca­e­ta­no tem uma das me­lho­res re­des de aten­di­men­to pú­bli­ca da re­gião. Pro­va dis­so é o tí­tu­lo de me­lhor IDH (Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no) do país des­de 1991. A qua­li­da­de de vi­da na ci­da­de pas­sou a atrair nos úl­ti­mos anos mo­ra­do­res de ou­tras ci­da­des in­te­res­sa­dos em uti­li­zar os ser­vi­ços pú­bli­cos, prin­ci­pal­men­te no se­tor da saú­de. De acor­do com a pre­fei­tu­ra, 70% dos aten­di­men­tos re­a­li­za­dos nos pronto aten­di­men­to são dos cha­ma­dos “es­tran­gei­ros”, pa­ci­en­tes que não vi­vem na ci­da­de.

Ten­tar bar­rar es­sa “in­va­são” sem ne­gar so­cor­ro mé­di­co, o que é proi­bi­do pe­la le­gis­la­ção, é um dos mai­o­res de­sa­fi­os do no­vo pre­fei­to.

Em maio des­te ano, a pre­fei­tu­ra anun­ci­ou uma sé­rie de me­di­das nes­te sen­ti­do. A futura UPA (Uni­da­de de Pronto Aten­di­men­to) do bair­ro Mauá foi trans­for­ma­da em CAPS (Cen­tro de Aten­ção Psi­cos­so­ci­al), on­de o aten­di­men­to é de “portas fe­cha­das”, ou se­ja, pre­ci­sa de en­ca­mi­nha­men­to de mé­di­cos da re­de. As ur­gên­ci­as fi­ca­ram con­cen­tra­das no Hos­pi­tal Al­bert Sa­bin, “de portas aber­tas” e obri­ga­do a aten­der qual­quer pes­soa, in­de­pen­den­te de seu lo­cal de ori­gem.

Ou­tra me­di­da ado­ta­da pa­ra de­sa­fo­gar o sis­te­ma de saú­de foi o “Pro­gra­ma Ter­cei­ro Tur­no”. O pro­je­to am­pli­ou até as 23h o fun­ci­o­na­men­to de três UBSs (Uni­da­des Bá­si­cas de Saú­de) da ci­da­de. As uni­da­des pas­sa­ram a tra­ba­lhar tam­bém com as ur­gên­ci­as, nes­te ca­so, vol­ta­das ape­nas pa­ra os mo­ra­do­res.

Além dis­so, o “Cid Card”, que fun­ci­o­na co­mo ca­das­tro dos pa­ci­en­tes de São Ca­e­ta­no, pas­sou por recadastramento. O atu­al pre­fei­to e can­di­da­to à re­e­lei­ção, Pau­lo Pi­nhei­ro, afir­ma que frau­des fi­ze­ram com que 300 mil car­tões fos­sem ca­das­tra­dos até 2012. Quan­do as­su­miu, Pi­nhei­ro re­du­ziu o nú­me­ro pa­ra 148 mil. Va­le lem­brar que, se­gun­do es­ti­ma­ti­va do IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia), a ci­da­de tem atu­al­men­te 158,8 mil ha­bi­tan­tes.

Hos­pi­tal São Ca­e­ta­no Ou­tra missão que o pre­fei­to elei­to te­rá pe­la fren­te é co­lo­car em ple­no fun­ci­o­na­men­to o Hos­pi­tal São Ca­e­ta­no.

O lo­cal tem dí­vi­da her­da­da pe­la So­ci­e­da­de Be­ne­fi­cen­te Hos­pi­ta­lar São Ca­e­ta­no, an­ti­ga ad­mi­nis­tra­do­ra, que che­ga a apro­xi­ma­da­men­te R$ 60 mi­lhões.

Pau­lo Pi­nhei­ro ten­tou fa­zer com que o lo­cal fos­se trans­fe­ri­do pa­ra ele e pos­te­ri­or­men­te de­vol­vi­do à União e ao Es­ta­do. Por con­ta dos pas­si­vos tra­ba­lhis­tas, a pro­pos­ta não foi le­va­da adi­an­te.

Pi­nhei­ro tam­bém che­gou a pe­dir ao Con­sór­cio In­ter­mu­ni­ci­pal do ABC que ad­qui­ris­se o lo­cal pa­ra que se­ja trans­for­ma­do em es­pa­ço de ca­rá­ter re­gi­o­nal, mas não te­ve apro­va­ção.

Ava­li­a­do em R$ 32 mi­lhões, o es­pa­ço tem si­do uti­li­za­do ape­nas co­mo am­bu­la­tó­rio e re­ce­be men­sal­men­te o mu­ti­rão da saú­de.

METRO ABC

FO­TOS: TIAGO SIL­VA/AR­QUI­VO METRO

Uni­da­de Bá­si­ca de Saú­de pas­sa­ram a aten­der tam­bém no pe­río­do da noi­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.