ME­NOS PI­OR

Metro Brazil (ABC) - - Foco - JO­SÉ LUIZ DATENA JO­SE.DATENA@ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

Es­cre­vo es­ta co­lu­na na sex­ta, fe­cha­men­to do jor­nal pa­ra o meu es­pa­ço que gos­to mui­to aqui no metro. Por­tan­to, cla­ro, com es­tas mal tra­ça­das li­nhas, ain­da nem sei o re­sul­ta­do das elei­ções. Sei que a mai­o­ria que vo­tou não es­tá lá mui­to sa­tis­fei­ta.

Mui­ta gen­te foi as ur­nas por de­ver cí­vi­co, qua­se que obri­ga­do por um ato que nu­ma de­mo­cra­cia não de­ve­ria ser obri­ga­tó­rio. O sen­ti­men­to é na­tu­ral, e a cul­pa é da pró­pria des­gas­ta­da clas­se de can­di­da­tos a dis­po­si­ção do coi­ta­do elei­tor. É co­mo se vc en­tras­se num mer­ca­do e não en­con­tras­se um pro­du­to de qua­li­da­de, e aí vai o que tem pa­ra ho­je.

Os po­lí­ti­cos em sua mai­o­ria me­re­ce­ram es­tá des­cren­ça. Al­guns rou­ba­ram mui­to, ou­tros pre­va­ri­ca­ram usan­do mal o di­nhei­ro pú­bli­co, e mui­tos, co­mo aliás, é de pra­xe, pro­me­te­ram e não cum­pri­ram. Mas não há mui­to pa­ra on­de cor­rer. Vo­tar no me­nos pi­or, no me­nos cor­rup­to, no me­nos in­ca­paz dá pa­ra o gas­to, na triste re­a­li­da­de do bra­sil.Um dia, não sei quan­do, não com es­ta gen­te e nem ago­ra, a coi­sa tem que me­lho­rar. De­pois da meia noi­te só po­de cla­re­ar. Fa­zer o seu pa­pel, ten­tan­do aos pou­cos lim­par no vo­to nos­sa in­fe­liz re­a­li­da­de já é um gran­de pas­so pa­ra a cu­ra da nos­sa de­mo­cra­cia do­en­te, qua­se na uti, mas ain­da as­sim o re­gi­me mais pró­xi­mo da li­ber­da­de e prin­cí­pi­os hu­ma­ni­tá­ri­os. Per­de-los se­ria dan­çar com a es­cu­ri­dão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.