XÔ, PRE­CON­CEI­TO!

Ter­cei­ra ida­de. O Dia In­ter­na­ci­o­nal do Ido­so foi co­me­mo­ra­do nes­te sá­ba­do. Mas, além de lem­brar de­le, é pre­ci­so pa­rar de vê-lo cheio de es­te­reó­ti­pos

Metro Brazil (ABC) - - Dia Do Idoso -

Do­res no cor­po, tris­te­za, can­sa­ço, in­ca­pa­ci­da­de pa­ra tra­ba­lhar ou re­a­li­zar ou­tras ati­vi­da­des co­ti­di­a­nas co­mo sair com os ami­gos e na­mo­rar. Se es­sa é sua vi­são so­bre o que é ser ido­so, é ho­ra de re­pen­sar.

E na­da de fa­lar “Ima­gi­na, eu não sou pre­con­cei­tu­o­so” an­tes de re­al­men­te re­fle­tir. O as­sun­to é tão sé­rio e es­tá pre­sen­te no Bra­sil (e mun­do) afo­ra que a So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Ge­ri­a­tria e Ge­ron­to­lo­gia (SBGG) lan­çou, em ho­me­na­gem ao Dia In­ter­na­ci­o­nal do Ido­so, a cam­pa­nha “Por uma velhice sem pre­con­cei­tos”, pro­pos­ta tam­bém da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de.

De acor­do com o pre­si­den­te da SBGG, Jo­sé Eli­as Pi­nhei­ro, o país es­tá em um pro­ces­so de en­ve­lhe­ci­men­to — já exis­tem mais de 20 mi­lhões de pes­so­as com mais de 60 anos, se­gun­do o IBGE, e a es­ti­ma­ti­va é que es­se nu­me­ro fi­que qua­tro ve­zes mai­or até 2060 —, mas con­ti­nu­a­mos a ver o ido­so co­mo im­pro­du­ti­vo, ve­lho e ul­tra­pas­sa­do.

O mo­ti­vo pa­ra is­so, se­gun­do a psi­có­lo­ga es­pe­ci­a­lis­ta em ge­ron­to­lo­gia Li­gia Py, é uma vi­são es­te­re­o­ti­pa­da e pa­ra lá de in­jus­ta. “Há uma ten­dên­cia de hi­per­va­lo­ri­za­ção da ju­ven­tu­de, co­mo sinô­ni­mo de be­le­za e vi­gor. E a velhice, nes­se sen­ti­do, aca­ba se con­tra­pon­to a is­so e sen­do ví­ti­ma de pre­con­cei­to” ex­pli­ca.

Co­mo re­sul­ta­do, mui­tos ido­sos se sen­tem co­mo um far­do pa­ra a fa­mí­lia e so­ci­e­da­de e têm tan­to a saú­de men­tal quan­to fí­si­ca afe­ta­da. Li­gia res­sal­ta que es­se pre­con­cei­to é tão en­rai­za­do que até mes­mo os mais ve­lhos têm uma vi­são pe­jo­ra­ti­va de si mes­mos. “Da mes­ma for­ma, os adul­tos de ho­je se en­con­tra­rão com a pró­pria velhice, e con­se­quen­te­men­te com o pre­con­cei­to ar­rai­ga­do em tor­no de­la, e te­rão di­fi­cul­da­de de en­ca­rá-la se não fo­rem edu­ca­dos pa­ra is­so” com­ple­ta.

Pa­ra que a ge­ra­ção fu­tu­ra te­nha um en­ve­lhe­ci­men­to sau­dá­vel e pa­ra que os ido­sos atu­ais con­si­gam o apoio e re­co­nhe­ci­men­to que me­re­cem, ve­ja al­guns dos es­tig­mas que pre­ci­sam ser que­bra­dos (ago­ra), se­gun­do a SBGG — por­que, sim, mui­tos de­les são ati­vos, ani­mam reu­niões so­ci­ais e fa­zem par­te da eco­no­mia.

FOTOS: IMAGE SOURCE/FOLHAPRESS

Ido­sos pre­ci­sam ser olha­dos com mais em­pa­tia pe­la po­pu­la­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.