Go­ver­no dei­xa saú­de e edu­ca­ção fo­ra do te­to só até 2018

Mi­nis­tro da Fa­zen­da afir­ma que, a par­tir de en­tão, va­le­rá a mes­ma re­gra ge­ral de con­ge­la­men­to de gas­tos

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

O mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, con­fir­mou on­tem os ter­mos prin­ci­pais da PEC (Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção) en­vi­a­da ao Con­gres­so em ju­nho que pre­vê já a par­tir de 2017 o “con­ge­la­men­to” (não au­men­to re­al) por dez anos dos gas­tos pú­bli­cos. Pe­la PEC, eles se­rão ape­nas re­a­jus­ta­dos anu­al­men­te, com ba­se na in­fla­ção dos do­ze me­ses an­te­ri­o­res. O ín­di­ce do re­a­jus­te pa­ra o pró­xi­mo ano já foi de­fi­ni­do: 7,2%.

Mas, por en­quan­to, a me­di­da não va­le­rá pa­ra os gas­tos com saú­de e edu­ca­ção, que em 2017 con­ti­nu­a­rão a ser de 13,2% da re­cei­ta com im­pos­tos pa­ra a saú­de e 18% pa­ra a edu­ca­ção, co­mo é atu­al­men­te de­ter­mi­na­do pe­la Cons­ti­tui­ção.

“Nes­sas du­as áre­as foi de­ci­di­do man­ter o tex­to ori­gi­nal, to­man­do por ba­se os li­mi­tes pre­vis­tos na Cons­ti­tui­ção atu­al, ape­nas to­man­do-se o ano de 2017 co­mo ba­se por­que con­si­de­ra­mos que é um ano em que a re­cei­ta es­ta­rá mais es­tá­vel em fun­ção de já ter re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia de um la­do e não ter re­pa­tri­a­ção de ou­tro”, afir­mou o mi­nis­tro da Fa­zen­da, que se reu­niu com a equi­pe econô­mi­ca do go­ver­no e com o re­la­tor da PEC, de­pu­ta­do Dar­cí­sio Pe­ron­di (PMDB-RS), pa­ra fe­char o tex­to. Ho­je Pe­ron­di vai ler o re­la­tó­rio na co­mis­são es­pe­ci­al da Câ­ma­ra. Ga­ti­lho Mei­rel­les dis­se ain­da que o go­ver­no con­si­de­rou a pos­si­bi­li­da­de de ha­ver um “ga­ti­lho” que per­mi­tis­se mu­dan­ça no re­a­jus­tes dos gas­tos se a dí­vi­da bru­ta caís­se mais do que o es­pe­ra­do. “Con­si­de­ra­mos as ques­tões re­fe­ren­tes a um ga­ti­lho que pu­des­se per­mi­tir a mu­dan­ça an­tes dos dez anos e a nos­sa con­clu­são é de que não. Pre­va­le­ce o tex­to ori­gi­nal sem o ga­ti­lho.”

Mei­rel­les afir­mou que o pra­zo de vi­gên­cia do no­vo re­gi­me fis­cal foi man­ti­do em 20 anos, sen­do que após os dez pri­mei­ros anos, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca po­de­rá re­ver os cri­té­ri­os. De­pois dis­so, uma vez a ca­da man­da­to pre­si­den­ci­al.

“O no­vo re­gi­me fis­cal vai pre­va­le­cer por 20 anos, sen­do que foi es­ta­be­le­ci­da uma adi­ção a is­so: de­pois dos 10 anos, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca po­de­rá pro­por al­te­ra­ção do cri­té­rio uma vez a ca­da man­da­to pre­si­den­ci­al”, afir­mou o mi­nis­tro ME­TRO

| PAU­LO WHITAKER/REUTERS

Mei­rel­les: cau­te­la em gas­tos so­ci­ais es­tra­té­gi­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.