‘Má­qui­na Mor­tí­fe­ra’ ga­nha sé­rie de TV

Clás­si­co de ação e hu­mor com Mel Gib­son e Danny Glo­ver é re­pa­gi­na­do pa­ra os di­as atu­ais em sé­rie com elen­co re­no­va­do que in­clui a atriz Jor­da­na Brews­ter

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

A nos­tal­gia em tor­no dos anos 1980 pa­re­ce ter mes­mo do­mi­na­do a TV. Além de “Stran­ger Things”, que vi­rou fe­bre no ser­vi­ço de stre­a­ming Net­flix ao mis­tu­rar re­fe­rên­ci­as da épo­ca, a te­le­vi­são ame­ri­ca­na pre­pa­ra um remake da sé­rie “MacGy­ver” e tam­bém es­treia ho­je, às 22h30, no ca­nal pa­go War­ner Chan­nel, uma no­va ver­são pa­ra o clás­si­co “Má­qui­na Mor­tí­fe­ra” (1987) – só que, des­sa vez, no for­ma­to de epi­só­di­os se­ri­a­dos.

Da­mon Wayans e Clay­ne Craw­ford as­su­mem os pa­péis que fo­ram res­pec­ti­va­men­te de Danny Glo­ver e Mel Gib­son na fran­quia de fil­mes di­ri­gi­dos por Ri­chard Don­ner. A tra­ma é a mes­ma e acom­pa­nha “Nós atu­a­li­za­mos a his­tó­ria pa­ra cri­ar nos­sa pró­pria ver­são. A quí­mi­ca en­tre Mur­taugh e Riggs era mui­to boa, es­se foi nos­so mai­or de­sa­fio.” JOR­DA­NA BREWS­TER, ATRIZ a im­pro­vá­vel du­pla de po­li­ci­ais for­ma­da pe­lo pai de fa­mí­lia Mur­taugh (Wayans) e Riggs (Craw­ford), trau­ma­ti­za­do pe­la per­da da mu­lher grá­vi­da. Jun­tos eles bus­cam cri­mi­no­sos por Los An­ge­les.

Fi­lha de bra­si­lei­ra, Jor­da­na Brews­ter (“Ve­lo­zes e Fu­ri­o­sos”) in­ter­pre­ta Mau­re­en Cahill, uma psi­có­lo­ga que apoia os ofi­ci­ais em su­as vi­das par­ti­cu­la­res e atua na so­lu­ção de ca­sos.

“Riggs é um sui­ci­da. Ele não quer se abrir e ela se es­for­ça pa­ra que ele o fa­ça. Ela é tam­bém a pon­te en­tre Riggs e Mur­taugh”, ex­pli­ca Jor­da­na. Tu­do in­di­ca que sua per­so­na­gem se­rá um in­te­res­se amo­ro­so do po­li­ci­al viú­vo, mas a atriz des­pis­ta.

“É pos­sí­vel, se­ria di­ver­ti­do. Não sei se vai acon­te­cer, mas es­pe­ro que te­nha­mos mui­tas tem­po­ra­das pa­ra ex­plo­rar is­so, por­que ela é uma das pou­cas pes­so­as a quem ele per­mi­te al­gu­ma in­ti­mi­da­de”, afir­ma.

Pa­ra ela, a on­da oi­ten­tis­ta da TV tem a ver com cer­ta nos­tal­gia, mas não ape­nas is­so. “Exis­te a bus­ca por al­gu­ma fa­mi­li­a­ri­da­de, mas tam­bém acho di­ver­ti­do in­tro­du­zir es­ses tí­tu­los pa­ra to­da uma no­va ge­ra­ção.”

Jor­da­na tam­bém de­fen­de o re­bo­ot de “Má­qui­na Mor­tí­fe­ra” e elo­gia o tra­ba­lho de Craw­ford. “Nós atu­a­li­za­mos a his­tó­ria pa­ra cri­ar nos­sa pró­pria ver­são. A quí­mi­ca en­tre Mur­taugh e Riggs era mui­to boa, e es­se era o mai­or de­sa­fio pa­ra (os pro­du­to­res) Matt Mil­ler e McG, mas Clay­ne é um gran­de ator e a quí­mi­ca de­le com Da­mon é mui­to boa”, diz a atriz.

“É em ci­ma dis­so que a sé­rie se apoia e de um ti­po de co­mé­dia mui­to par­ti­cu­lar. Va­mos tra­zer nos­so pró­prio sa­bor a uma fran­quia já es­ta­be­le­ci­da”, con­clui ela. ME­TRO

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Clay­ne Craw­ford (esq.) e Da­mon Wayans se jun­tam à es­tre­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.