Exem­plo sim, mas pe­los re­cor­des

Verô­ni­ca Hi­pó­li­to con­ta sua his­tó­ria até a con­quis­ta de du­as me­da­lhas na Pa­ra­lim­pía­da. An­dre­en­se diz que es­por­te pa­ra­lím­pi­co po­de re­ve­lar ído­los pe­las mar­cas

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - Metro Jor­nal. CADU PROIETI

Co­mo vo­cê ava­lia sua per­for­man­ce nos Jo­gos do Rio-2016? Fi­quei mui­to fe­liz com meu re­sul­ta­do. Ti­ve uma sequên­cia de pro­ble­mas do ano pas­sa­do pa­ra cá. Estava com ane­mia, ti­ve que ope­rar lo­go de­pois do Pa­ra­pa­na­me­ri­ca­no. Não dis­pu­tei o Mun­di­al, per­di 90% do in­tes­ti­no gros­so, au­men­tei mi­nha quan­ti­da­de de re­mé­di­os por cau­sa de um tu­mor na ca­be­ça. Me le­si­o­nei no iní­cio des­te ano. En­tão, te­ve uma sé­rie de coi­sas que po­de­ri­am me im­pe­dir, in­clu­si­ve, de ir pa­ra a Pa­ra­lim­pía­da. Mas con­se­gui ir, re­sol­vi que da­ria meu me­lhor, ba­ti o re­cor­de das Amé­ri­cas em to­das as pro­vas que eu ti­ve, ga­nhei as me­da­lhas de pra­ta e de bron­ze em mi­nha pri­mei­ra Pa­ra­lím­pía­da e fi­quei mui­to fe­liz. Tem mui­ta gen­te que diz as­sim: ah, ti­nha a chan­ce de ou­ro. Cla­ro que ti­nha, to­do mun­do ali ti­nha chan­ce de ou­ro. Mas, com tu­do o que acon­te­ceu, fi­quei mui­to fe­liz. A pra­ta e o bron­ze ti­ve­ram va­lor de ou­ro pa­ra vo­cê? Nun­ca uma pra­ta e um bron­ze va­le­ram tan­to ou­ro pa­ra mim. Tam­bém fui in­di­ca­da a um prê­mio na Vi­la Olím­pi­ca em que es­co­lhe­ram três mu­lhe­res e três ho­mens pa­ra que um de cada se­xo re­pre­sen­tas­se o mo­vi­men­to pa­ra­lím­pi­co. Fui uma das fi­na­lis­tas en­tre to­dos os que es­ta­vam lá. Com 20 anos, em mi­nha pri­mei­ra Pa­ra­lim­pía­da, ser in­di­ca­da a es­se prê­mio foi al­go que me deu um em­pur­rão­zi­nho pa­ra sa­ber que es­tou no ca­mi­nho certo. Não ga­nhei o prê­mio, mas de es­tar en­tre os in­di- ca­dos já é uma vi­tó­ria. Co­mo co­me­çou sua car­rei­ra no es­por­te? Sem­pre fiz mui­tos es­por­tes, mas nun­ca me dei bem em al­to ren­di­men­to. Eu ti­nha me en­con­tra­do no judô, mas fiz uma ci­rur­gia na ca­be­ça com 12 pa­ra 13 anos e ti­ve que pa­rar com o judô. No ano se­guin­te, por brin­ca­dei­ra, meus pais que­ri­am que eu par­ti­ci­pas­se de um fes­ti­val de atle­tis­mo no Clu­be Atlé­ti­co Ara­ma­çan (em San­to An­dré), e eu gos­tei. En­tão, co­me­cei a fa­zer atle­tis­mo por brin­ca­dei­ra. Só que em me­nos de um ano eu ti­ve um AVC (Aci­den­te Vas­cu­lar Ce­re­bral). En­tão sur­giu aqui­lo: co­mo vou con­se­guir cor­rer se não con­si­go nem an­dar? Daí vol­tei pa­ra o atle­tis­mo co­mo re­a­bi­li­ta­ção, pa­ra sim­ples­men­te vol­tar a an­dar e ter o mí­ni­mo de se­que­las pos­sí­veis. Co­me­cei an­dan­do, tro­tei, fui cor­ren­do e co­me­cei a cor­rer mais rá­pi­do. O pro­je­to no Ara­ma­çan aca­bou por vá­ri­os mo­ti­vos e eu fi­quei um tem­po pa­ra­da. Em 2012, en­trei no Se­si de­pois de um tes­te e o trei­na­dor era da equi­pe olím­pi­ca e pa­ra­lím­pi­ca. Ele viu que eu ti­nha uma se­que­la. Em 2013, me clas­si­fi­quei no mo­vi­men­to pa­ra­lím­pi­co, mi­nha quar­ta com­pe­ti­ção ofi­ci­al foi o Cam­pe­o­na­to Mun­di­al, que eu não es­pe­ra­va ga­nhar, mas sai de lá com um ou­ro e uma pra­ta. E até ho­je es­tou no mo­vi­men­to pa­ra­lím­pi­co. Nes­te ano es­tou uti­li­zan­do o Cen­tro de Trei­na­men­to Pa­ra­lím­pi­co, co­me­cei a trei­nar di­re­to com a Se­le­ção Bra­si­lei­ra pa­ra­lím­pi­ca. Por is­so, acre­di­to que meus re­sul­ta­dos fo­ram tão ex­pres­si­vos. Acho que me­lho­rei mui­to ten­do trei­na­do per­to dos gran­des. Vo­cê se con­si­de­ra um exem­plo pa­ra o país ho­je? Não pos­so di­zer nem sim nem não. Re­ce­bi mui­tas men­sa­gens de pes­so­as fa­lan­do que eu era um exem­plo, mas eu nun­ca fiz as coi­sas pa­ra ser um exem­plo no país. Eu sem­pre fiz as coi­sas por achar certo ou er­ra­do. Eu fi­co mui­to fe­liz de que as pes­so­as es­te­jam fa­lan­do que sou um exem­plo. Is­so au­men­ta a res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra mim, e é al­go que eu acho le­gal. Qu­e­ro vi­rar um exem­plo pa­ra to­do mun­do. Quan­do eu era mais nova, eu pen­sa­va as­sim: eu qu­e­ro que as pes­so­as me olhem co­mo eu olho meus ído­los. Es­pe­ro que me ve­jam as­sim. E qu­e­ro tra­tar es­sas pes­so­as co­mo fui tra­ta­da pe­la mai­o­ria dos meus ído­los, com mui­to ca­ri­nho e mui­ta aten­ção. E quais são seus ído­los? É en­gra­ça­do, por­que os meus ído­los vi­ra­ram meus me­lho­res ami­gos e meus pa­dri­nhos no es­por­te. Yohans­son Nascimento, Da­ni­el Dias, An­dré Bra­sil, Dir­ceu Pin­to, da bo­cha. Te­nho que fa­lar que meus ído­los são do mo­vi­men­to pa­ra­lím­pi­co. Acho que to­do mun­do no Bra­sil po­de en­con­trar mui­tos exem­plos e ído­los den­tro do mo­vi­men­to pa­ra­lím­pi­co. Não pe­la his­tó­ria de su­pe­ra­ção, por não ter mãos, per­nas, ter má for­ma­ção, mas pe­lo al­to ren­di­men­to que te­mos. Es­ta­mos en­tre os me­lho­res do mun­do. Quais são su­as pró­xi­mas me­tas? A gen­te tem mais uma com­pe­ti­ção es­te ano pa­ra com­ple­tar o ca­len­dá­rio, que vai ser o Cir­cui­to Na­ci­o­nal da Cai­xa, em São Pau­lo, em no­vem­bro, no Cen­tro de Trei­na­men­to Pa­ra­lím­pi­co. E ano que vem a gen­te já vai ter Mun­di­al, lo­go ce­do, em ju­nho ou ju­lho, em Lon­dres. En­tão, vol­tei a fa­zer aca­de­mia, já que a Pa­ra­lim­pía­da exi­giu de­mais. Qu­e­ro vol­tar a trei­nar for­te, por­que qu­e­ro cada vez mais di­mi­nuir meu tem­po e poder or­gu­lhar to­do mun­do.

‘O BRA­SIL PO­DE TER ÍDO­LOS PARALÍMPICOS’

| GLAUCON FER­NAN­DES/ELEVEN/FOLHAPRESS

Verô­ni­ca Hi­pó­li­to co­me­çou no atle­tis­mo do Ara­ma­çan, em San­to An­dré, e nes­te ano con­quis­tou um bron­ze e uma pra­ta no Rio de Ja­nei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.