Lu­la fa­vo­re­ceu Ode­bre­cht em obras em Angola, diz PF

In­ves­ti­ga­ção. Ex-pre­si­den­te foi in­di­ci­a­do com um so­bri­nho da pri­mei­ra mu­lher, Tai­gua­ra dos San­tos, que te­ria re­ce­bi­do R$ 20 mi­lhões em pro­pi­nas

Metro Brazil (ABC) - - Brasil - RAFAEL NE­VES

A PF (Po­lí­cia Fe­de­ral) in­di­ci­ou o ex-pre­si­den­te Lu­la, um pa­ren­te da pri­mei­ra mu­lher do pe­tis­ta, Tai­gua­ra dos San­tos, e se­te exe­cu­ti­vos da Ode­bre­cht, além de um só­cio de Tai­gua­ra. A sus­pei­ta é de que o ex-pre­si­den­te te­nha usa­do sua in­fluên­cia pa­ra que a Ode­bre­cht pa­gas­se R$ 20 mi­lhões (R$ 31 mi­lhões em va­lo­res atu­ais) a Tai­gua­ra por ser­vi­ços em Angola, na Áfri­ca, que não fo­ram pres­ta­dos, se­gun­do a in­ves­ti­ga­ção. O in­di­ci­a­men­to, con­cluí­do na úl­ti­ma ter­ça, foi le­va­do ao MPF (Mi­nis­té­rio Pu­bli­co Fe­de­ral), que de­ci­de se fa­rá uma de­nún­cia con­tra o gru­po.

Tai­gua­ra era so­bri­nho da pri­mei­ra mu­lher de Lu­la, mor­ta nos anos 1970. Ele é in­ves­ti­ga­do por es­ses ne­gó­ci­os há mais de um ano, e che­gou a de­por na CPI do BNDES em ou­tu­bro de 2015.

A PF con­cluiu que a Exer­gia do Bra­sil, em­pre­sa de Tai­gua­ra, re­ce­beu da Ode­bre­cht por 16 con­tra­tos, li­ga­dos à re­for­ma da hi­dre­lé­tri­ca do Cam­bam­be, no no­ro­es­te an­go­la­no, além de ou­tras obras to­ca­das pe­la cons­tru­to­ra com fi­nan­ci­a­men­to do BNDES.

A Exer­gia, se­gun­do a in­ves­ti­ga­ção, não ti­nha es­tru­tu­ra pa­ra aten­der a Ode­bre­cht. Se­gun­do a revista “Épo­ca”, fo­ram apre­en­di­das men­sa­gens de Tai­gua­ra pa­ra o só­cio de­le na em­pre­sa, di­zen­do que os ser­vi­ços eram ‘fic­ção’. À CPI, em 2015, o em­pre­sá­rio ha­via di­to que pres­tou à Ode­bre­cht ser­vi­ços de “son­da­gem e to­po­gra­fia”, e ne­gou ter re­ce­bi­do pro­pi­na.

Ain­da se­gun­do a “Épo­ca”, a PF apre­en­deu no com­pu­ta­dor de Tai­gua­ra, du­ran­te a Ope­ra­ção Ja­nus – de maio des­te ano – uma es­pé­cie de diá­rio em que ele con­ta que o “tio” [Lu­la] fa­ci­li­ta­va os ne­gó­ci­os em Angola.

Es­te inqué­ri­to cor­re em se­pa­ra­do à La­va Ja­to, e de­ve fi­car na Jus­ti­ça Fe­de­ral em Brasília. Em no­ta, Lu­la diz que “não che­gou a tra­tar, em ne­nhum mo­men­to, nem quan­do era pre­si­den­te ou de­pois, das re­la­ções co­mer­ci­ais vin­cu­la­das a Tai­gua­ra”.

| DI­VUL­GA­ÇÃO/AH CAM­BAM­BE

Hi­dre­lé­tri­ca do Cam­bam­be foi usa­da pa­ra pas­sar pro­pi­na a so­bri­nho da pri­me­ria mu­lher de Lu­la, diz PF

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.