DI­NHEI­RO RÁ­PI­DO E FÁ­CIL... PA­RA VO­CÊ QUE É ES­PER­TO!

Metro Brazil (ABC) - - Publimetro - MAR­COS SILVESTRE MAR­COS.SILVESTRE@METROJORNAL.COM.BR

Mo­ney! “Que tal poder mul­ti­pli­car seu di­nhei­ro de for­ma tre­men­da em pouquís­si­mo tem­po? Que tal in­ves­tir pou­co (mui­to pou­co), mas ga­nhar mui­to (ti­po mui­to mui­to)?! Lar­gue já es­ta vi­da de trou­xa, de ten­tar ga­nhar di­nhei­ro tra­ba­lhan­do: tem gen­te mui­to mais es­per­ta fa­zen­do ex­ce­len­tes in­ves­ti­men­tos ar­ro­ja­dos... e fa­zen­do for­tu­na em pou­cos me­ses”! O dis­cur­so po­de ser exa­ta­men­te es­te... ou li­gei­ra­men­te di­fe­ren­te, mas a es­sên­cia não mu­da: um for­te ape­lo pa­ra cap­tar as men­tes de inex­pe­ri­en­tes e ilu­di­dos, gen­te que bus­ca a pros­pe­ri­da­de (is­so é bom) mas o faz de for­ma ga­nan­ci­o­sa (e aca­ba que­bran­do a ca­ra)! O Jo­go do Di­nhei­ro. Ou­tro dia as­sis­ti a es­te in­te­res­san­te fil­me na TV a ca­bo. Ne­le, o bo­ni­tão Ge­or­ge Clo­o­ney faz o pa­pel de Lee Ga­tes, fa­mo­so apre­sen­ta­dor de um pro­gra­ma de te­le­vi­são que abor­da o mer­ca­do de ações, dan­do di­cas de com­pra e ven­da. Du­ran­te uma trans­mis­são ao vi­vo, um in­ves­ti­dor fra­cas­sa­do (Jack O’Con­nell), que per­de­ra US$ 60 mil nu­ma di­ca fu­ra­da de Ga­tes, in­va­de o es­tú­dio com uma ar­ma pa­ra ma­tá-lo: Ga­tes... e o CEO da tal em­pre­sa que ha­via des­pen­ca­do no mer­ca­do! O ri­ca­ço de­ve­ria com­pa­re­cer ao pro­gra­ma na­que­le dia... mas ha­via da­do o ca­no por cau­sa das su­as fal­ca­tru­as! Va­le o in­gres­so. O fil­me é bom, é di­nâ­mi­co. No evo­luir da his­tó­ria fi­ca cla­ro que o jo­vem apli­ca­dor frus­tra­do não era ape­nas um coi­ta­do ino­cen­te sen­do ma­ni­pu­la­do pe­lo jo­go do di­nhei­ro de em­pre­sá­ri­os ines­cru­pu­lo­sos e for­ma­do­res de opi­nião com­pra­dos (o que cer­ta­men­te era o ca­so). O tal jo­vem era tam­bém um per­de­dor na vi­da, um su­jei­to de­so­ri­en­ta­do que ha­via lar­ga­do o em­pre­go na ga­nan­ci­o­sa es­pe­ran­ça de fi­car mi­li­o­ná­rio es­pe­cu­lan­do com US$ 60 mil que a mãe ha­via lhe dei­xa­do de he­ran­ça. Não vou con­tar o des­fe­cho, ló­gi­co, mas... se­ria in­ge­nui­da­de ima­gi­nar um fi­nal fe­liz pa­ra es­te ba­ba­cão. E tu, bi­li­vi?? Que nin­guém se ilu­da: di­nhei­ro ho­nes­to nun­ca foi fá­cil. Nem rá­pi­do. Não é. Nun­ca foi. Nun­ca se­rá. Di­nhei­ro ho­nes­to vem do tra­ba­lho, e tem de tra­ba­lhar mui­to pa­ra fa­zê-lo che­gar até vo­cê. Di­nhei­ro ho­nes­to (le­gal­men­te e mo­ral­men­te fa­lan­do) vem da ati­vi­da­de de agre­gar va­lor pa­ra a vi­da dos ou­tros, pa­ra que, em tro­ca, os ou­tros pos­sam agre­gar va­lor ($$) pa­ra sua vi­da. Es­que­ça o es­que­ma, a man­da­la da pros­pe­ri­da­de, o po­ker on­li­ne, o day tra­de es­pe­cu­la­ti­vo e os mi­ne­ra­do­res de bit­coins. Quer gra­na? Vá ra­lar o cô­co, meu fi­lho! Por­que a vi­da é as­sim: se não qui­ser ra­lar... vai ter­mi­nar ra-la-do­oo!

Eco­no­mis­ta com MBA em Fi­nan­ças (USP), atua co­mo ori­en­ta­dor de fa­mí­li­as e edu­ca­dor em em­pre­sas (Me­to­do­lo­gia PROFE®). Co­men­ta­ris­ta econô­mi­co do Gru­po Ban­dei­ran­tes de Rá­dio e TV, é au­tor de “Os 10 Man­da­men­tos da Pros­pe­ri­da­de” e di­ri­ge o si­te www.edu­car­pa­ra­pros­pe­rar.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.