TÁ TORTO?

Re­ló­gio de 76 me­tros de al­tu­ra que es­tá sen­do cons­truí­do na UFABC, em San­to An­dré, in­tri­ga os alu­nos, mas ins­ti­tui­ção ga­ran­te que es­tá tu­do em or­dem com o no­vo sím­bo­lo que a ci­da­de ga­nha­rá até mar­ço

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - CADU PROIETI ME­TRO ABC

O ABC es­tá pres­tes a ga­nhar um no­vo sím­bo­lo. Is­so por­que um re­ló­gio de gran­de por­te foi co­lo­ca­do no to­po de um pré­dio que es­tá sen­do cons­truí­do no cam­pus de San­to An­dré da UFABC (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do ABC), que fi­ca no bair­ro Ban­gu.

O for­ma­to e ta­ma­nho lem­bram o do “Big Ben”, si­na­lei­ra da In­gla­ter­ra que pos­sui um im­po­nen­te re­ló­gio. No en­tan­to, o equi­pa­men­to da re­gião se­rá um pou­co me­nor. En­quan­to os pon­tei­ro in­gle­ses fi­cam a 96 me­tros de al­tu­ra, os da ins­ti­tui­ção de en­si­no tem 76 me­tros, 20 a me­nos que um dos mais fa­mo­sos car­tões pos­tais da Eu­ro­pa.

Se­gun­do o su­pe­rin­ten­den­te de obras da UFABC, Gui­lher­me Ma­dei­ra, os re­ló­gi­os (são dois, um de ca­da la­do) fa­zem par­te da “Tor­re do Re­ló­gio” ou Blo­co F, edi­fi­ca­ção con­ce­bi­da pe­lo es­cri­tó­rio de ar­qui­te­tu­ra Li­bes­kin­dl­lo­vet, au­tor do pro­je­to ar­qui­tetô­ni­co da pri­mei­ra fa­se do cam­pus de San­to An­dré da uni­ver­si­da­de fe­de­ral.

Ma­dei­ra afir­mou que es­sa edi­fi­ca­ção de 76 me­tros de al­tu­ra tem por fi­na­li­da­de abri­gar os re­ser­va­tó­ri­os de água po­tá­vel e de água de reu­so que abas­te­cem a mai­or par­te do cam­pus, bem co­mo a re­ser­va de in­cên­dio. “Além dis­so, o pré­dio pos­sui um mi­ran­te que po­de­rá ser uti­li­za­do por to­da a co­mu­ni­da­de aca­dê­mi­ca e, de­vi­do a sua al­tu­ra, tra­ta-se de um mar­co ou uma re­fe­rên­cia da UFABC nes­ta re­gião da ci­da­de”, ex­pli­cou. Es­tá torto? Em um gru­po de es­tu­dan­tes da uni­ver­si­da­de no Fa­ce­bo­ok, mui­tos alu­nos le­van­ta­ram a hi­pó­te­se de o edi­fí­cio em cons­tru­ção es­tar torto. “Não sei se eu te­nho TOC (Trans­tor­no Ob­ses­si­vo Com­pul­si­vo), mas es­se re­ló­gio me cau­sa mui­to des­con­for­to. Ele es­tá torto”, es­cre­veu um in­ter­nau­ta.

Em no­ta, a UFABC ex­pli­cou que es­sa é ape­nas uma sen­sa­ção dos alu­nos. “O edi­fí­cio não es­tá torto. A cons­tru­ção da Tor­re do Re­ló­gio se­guiu o pro­ce­di­men­to pa­drão pa­ra ve­ri­fi­ca­ção de ali­nha­men­to nes­se ti­po de obra: che­ca­gem de pru­mo a ca­da con­cre­ta­gem e me­di­ção por equi­pa­men­to to­po­grá­fi­co a ca­da três an­da­res. É pos­sí­vel que uma ilu­são de óti­ca ou a des­con­ti­nui­da­de - pre­vis­ta em pro­je­to en­tre a es­tru­tu­ra prin­ci­pal e o re­ser­va­tó­rio pro­vo­quem a sen­sa­ção de torto”, diz no­ta di­vul­ga­da pe­la ins­ti­tui­ção de en­si­no.

Se­gun­do a uni­ver­si­da­de, o re­ló­gio ain­da não es­tá em fun­ci­o­na­men­to, mas se­rá li­ga­do nos pró­xi­mos di­as. O pré­dio to­do se­rá con­cluí­do so­men­te em mar­ço do ano que vem. A UFABC diz que a obra cus­tou R$ 5,7 mi­lhões.

| ALES­SAN­DRO VAL­LE/ABCDIGIPRESS

Pré­dio ser­vi­rá co­mo re­ser­va­tó­rio de água de reu­so e tam­bém te­rá um mi­ran­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.