GAMETERAPIA RE­CU­PE­RA BRIN­CAN­DO

Vi­de­o­ga­me. Jo­gos es­ti­mu­lam a men­te, a mus­cu­la­tu­ra e re­cu­pe­ram ate 50% dos mo­vi­men­tos de pa­ci­en­tes em ape­nas tres me­ses

Metro Brazil (ABC) - - Tecnologia -

Ca­da vez mais so­fis­ti­ca­dos, os vi­de­o­ga­mes dei­xa­ram de ser uma sim­ples fer­ra­men­ta de en­tre­te­ni­men­to pa­ra au­xi­li­ar, e mui­to, a re­cu­pe­ra­ção de pes­so­as com mo­bi­li­da­de re­du­zi­da. Na gameterapia, co­mo fi­cou mun­di­al­men­te co­nhe­ci­da a so­lu­ção en­con­tra­da por ca­na­den­ses pa­ra in­cen­ti­var a ati­vi­da­de ce­re­bral e o cor­po por meio dos ga­mes, jo­vens e adul­tos com le­sões mus­cu­la­res re­cu­pe­ram a mo­bi­li­da­de de uma for­ma bem di­ver­ti­da: jo­gan­do!

O pro­ces­so é bas­tan­te com­ple­xo, mas pro­me­te re­sul­ta­dos mo­ti­va­do­res. Em ape­nas três me­ses de tra­ta­men­to se­ma­nal é pos­sí­vel re­cu­pe­rar até 50% dos mo­vi­men­tos. Ao me­nos, é is­so o que diz Da­ni­e­la An­to­ni­as­si, te­ra­peu­ta ocu­pa­ci­o­nal da AACD (As­so­ci­a­ção de As­sis­tên­cia à Cri­an­ça De­fi­ci­en­te), en­ti­da­de que des­de 2010 ofe­re­ce es­se ti­po de te­ra­pia. “Po­de até pa­re­cer brin­ca­dei­ra, mas o ga­me es­ti­mu­la a men­te e a mus­cu­la­tu­ra de for­ma mais in­ten­sa do que mui­tas te­ra­pi­as tra­di­ci­o­nais.”

Pa­blo Araú­jo, 10 anos, que tem pa­ra­li­sia ce­re­bral e faz ses­sões se­ma­nais de 40 mi­nu­tos de du­ra­ção, é um exem­plo dis­so. “Ain­da fal­tam dois me­ses pa­ra o fim do tra­ta­men­to, mas o Pa­blo já é ou­tra pes­soa. Ho­je, ele acei­ta re­gras, con­se­gue dar aten­ção ao jo­go e ao ou­tro que fa­la, e te­ve ga­nhos mo­to­res sig­ni­fi­ca­ti­vos”, con­ta Da­ni­e­la.

Pa­ra o jo­vem, sua re­cu­pe­ra­ção foi fa­ci­li­ta­da pe­los jo­gos es­co­lhi­dos. “Ado­ro os de tê­nis e fu­te­bol, além do Ma­rio Kart. No jo­go as re­pe­ti­ções fi­cam me­nos can­sa­ti­vas e é le­gal ver que con­si­go um re­sul­ta­do me­lhor a ca­da par­ti­da.”

Atu­al­men­te, os ga­mes de es­por­te e aven­tu­ra co­mo o Just Dan­ce (Xbox), Ma­rio Tê­nis (Wii), Brunswick (Xbox) e Ma­rio Kart (Xbox) são os mais uti­li­za­dos, mas en­ga­na-se quem ima­gi­na que es­sas es­co­lhas se­jam ale­a­tó­ri­as. “Eles são es­co­lhi­dos com um ob­je­ti­vo pa­ra atin­gir um re­sul­ta­do. Tan­to o ga­me quan­to o nú­me­ro de re­pe­ti­ções e a es­co­lha dos mo­vi­men­tos exe­cu­ta­dos pe­lo pa­ci­en­te de­vem ser de­fi­ni­dos por um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do”, diz Da­ni­e­la, que re­for­ça que o acom­pa­nha­men­to mé­di­co é es­sen­ci­al.

Quem qui­ser ter um vi­de­o­ga­me em ca­sa pa­ra com­ple­men­tar o tra­ta­men­to po­de op­tar pe­lo Nin­ten­do Wii ou Xbox Ki­nect se ti­ver au­to­ri­za­ção mé­di­ca pa­ra tal.

QU­E­RO ME INS­CRE­VER! As au­las da te­ra­pia com ga­mes da AACD pa­ra cri­an­ças com de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca acon­te­cem se­ma­nal­men­te em São Pau­lo com a as­sis­tên­cia de uma te­ra­peu­ta. Pa­ra sa­ber se o ser­vi­ço é ofe­re­ci­do na sua ci­da­de, aces­se: aacd.org.br

Te­ra­peu­ta en­si­na o mo­vi­men­to cor­re­to Exer­cí­cio for­ta­le­ce a mus­cu­la­tu­ra

Pa­blo faz tra­ta­men­to se­ma­nal des­de no­vem­bro de 2014

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.