Con­ver­são de­ve dei­xar pis­ta cen­tral na av. Goiás

Mu­dan­ça se­rá ne­ces­sá­ria pa­ra im­plan­ta­ção de fai­xa re­ver­sí­vel nos ho­rá­ri­os de pi­co, pro­mes­sa do pre­fei­to elei­to de São Ca­e­ta­no. José Au­ric­chio Jú­ni­or (PSDB) diz que lu­ta­rá con­tra cor­re­dor ex­clu­si­vo de ôni­bus na via, pre­vis­to em pla­no de mo­bi­li­da­de

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

É qua­se im­pos­sí­vel não fa­zer uma com­pa­ra­ção en­tre os tra­ba­lhos de So­lan­ge Kno­wles e sua ir­mã tam­bém can­to­ra, Beyon­cé. Além de te­rem tim­bres mui­to pa­re­ci­dos, as du­as re­cen­te­men­te se apro­xi­ma­ram tam­bém na te­má­ti­ca, le­van­tan­do su­as vo­zes pe­lo fim do pre­con­cei­to ra­ci­al.

Lan­ça­do seis me­ses de­pois de “Le­mo­na­de”, o dis­co da ir­mã mais fa­mo­sa, “A Se­at at the Ta­ble” não ape­nas dá con­ti­nui­da­de à men­sa­gem da cau­sa ne­gra, mas mos­tra que So­lan­ge é uma can­to­ra tão pre­pa­ra­da quan­to Beyon­cé – em al­gu­mas can­ções, che­ga a ser mais ins­pi­ra­da.

Lan­ça­do de sur­pre­sa, o dis­co é o ter­cei­ro da car­rei­ra de­la, que não di­vul­ga­va no­vos tra­ba­lhos des­de 2011. O tem­po, no en­tan­to, foi usa­do pa­ra ama­du­re­cer seu ta­len­to.

No ál­bum, uma can­ção con­duz à ou­tra, pro­du­zin­do o efei­to de uma con­ver­sa com a ar­tis­ta. En­quan­to Beyon­cé par­te pa­ra a guer­ra, So­lan­ge é mais po­lí­ti­ca e áci­da.

Con­quis­tar um cli­ma in­ti­mis­ta era ob­je­ti­vo de So­lan­ge, que bus­cou trans­mi­tir men­sa­gens for­tes de “iden­ti­da­de, em­po­de­ra­men­to, in­de­pen­dên­cia, an­gús­tia e cu­ra”, co­mo de­fi­ne a ar­tis­ta.

Em “Don’t Tou­ch My Hair’, ela com­pa­ra o ca­be­lo cres­po a uma co­roa. “Vo­cê não en­ten­de o que sig­ni­fi­ca pa­ra mim”, can­ta So­lan­ge.

É na es­co­lha dos rit­mos que ela mos­tra seu ta­len­to, apro­xi­ma-se do R&B e do jazz, so­an­do co­mo uma mis­tu­ra de Beyon­cé, Co­rin­ne Bai­ley Rae e Ja­nel­le Mo­náe. Uma mos­tra da efi­ci­ên­cia des­se mix é a can­ção “F.U.B.U.”, tal­vez a me­lhor do dis­co, em que usa um suin­gue su­a­ve pa­ra brin­dar “à mer­da” que é ofe­re­ci­da aos ne­gros em to­do o mun­do. Ou­tro des­ta­que é “Mad” – com uma in­tro­du­ção em que seu pai, Mathew, fa­la do pre­con­cei­to so­fri­do na ado­les­cên­cia.

Ou­tros des­ta­ques são “Cra­nes in the Sky” – com agu­dos afi­na­dís­si­mos – e “Lo­sing You”. Am­bas ga­nha­ram cli­pes con­cei­tu­ais que re­for­çam a li­nha ge­ral do dis­co: um de­li­ca­do e dan­çan­te ta­pa na ca­ra do ou­vin­te.

ME­TRO BRASÍLIA

| GETTY IMA­GES

Le­tras su­a­ves pro­tes­tam pe­la vi­si­bi­li­da­de ne­gra

“A SE­AT AT THE TA­BLE” SO­LAN­GE KNO­WLES CO­LUM­BIA RECORDS DIS­PO­NÍ­VEL EM STRE­A­MING

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.