Au­to­es­ti­ma que re­vi­go­ra

Saú­de e bem-es­tar. O tra­ta­men­to de cân­cer de ma­ma é do­lo­ro­so, mas en­fren­tá-lo de bem com o es­pe­lho po­de dei­xar o ca­mi­nho mais le­ve

Metro Brazil (ABC) - - Outubro Rosa -

Du­ran­te os 15 anos que con­vi­veu com pró­te­se de si­li­co­ne, a ex-mo­de­lo ca­ta­ri­nen­se Flá­via Flores fa­zia ul­tras­so­no­gra­fia re­gu­lar­men­te, pa­ra sa­ber quan­do de­ve­ria subs­ti­tuí-la. Até que um ca­ro­ço, des­co­ber­to du­ran­te o ba­nho e não de­tec­ta­do no exa­me, trans­for­ma­ria o ru­mo e a mo­ti­va­ção da vi­da de­la. Na épo­ca, o ci­rur­gião plás­ti­co op­tou por fa­zer a bióp­sia jun­to com a tro­ca da pró­te­se, que só acon­te­ceu 4 me­ses de­pois, em ou­tu­bro de 2012. Flá­via, en­tão com 35 anos, saiu da con­sul­ta pós-ope­ra­tó­ria com um di­ag­nós­ti­co de cân­cer e a certeza da mas­tec­to­mia.

“Em­bo­ra per­der a ma­ma e os ca­be­los se­ja ex­tre­ma­men­te do­lo­ro­so, pa­ra mim, a no­tí­cia foi o mo­men­to mais cho­can­te des­se pro­ces­so”, diz ela. No mês se­guin­te, Flá­via vol­tou à sa­la de ci­rur­gia pa­ra a re­ti­ra­da e a re­cons­tru­ção das du­as ma­mas, de­pois de no­ve ho­ras de ope­ra­ção.

Uma ba­ta­lha ha­via si­do ven­ci­da – nem sem­pre é pos­sí­vel re­cons­truir as du­as ma­mas ime­di­a­ta­men­te –, mas exa­tos 14 di­as de­pois da pri­mei­ra ses­são de qui­mi­o­te­ra­pia, Flá­via não es­ca­pou da que­da de ca­be­lo, do in­cha­ço e da fal­ta de vi­ço na pe­le de­cor­ren­tes do tra­ta­men­to. “Co­me­cei a pro­cu­rar na in­ter­net con­teú­do de be­le­za pa­ra pa­ci­en­tes de cân­cer, mas não ha­via na­da”, lem­bra.

En­tão, ela de­ci­diu cri­ar um blog, o “Qui­mi­o­te­ra­pia e Be­le­za”, pa­ra dar di­cas de amar­ra­ções de len­ços, ma­qui­a­gem e co­lo­ca­ção de pe­ru­cas e cí­li­os pos­ti­ços, por exem­plo. “Fui cha­ma­da de fú­til por pes­so­as que não ti­nham cân­cer e que di­zi­am que não ha­via be­le­za na­que­la si­tu­a­ção”.

Pa­ra a sur­pre­sa de Flá­via,

“Per­der a ma­ma e os ca­be­los é do­lo­ro­so, mas pa­ra mim, a no­tí­cia foi o mo­men­to mais cho­can­te” FLÁ­VIA FLORES, EX-MO­DE­LO

ou­tras pa­ci­en­tes bus­ca­vam es­se ti­po de con­teú­do, o que cul­mi­nou no su­ces­so do site (ho­je hos­pe­da­do no por­tal M de Mu­lher e com 1 mi­lhão de vi­su­a­li­za­ções men­sais) e na pu­bli­ca­ção do li­vro “Qui­mi­o­te­ra­pia e Be­le­za” (Ge­ra­ção Edi­to­ri­al), que já es­tá na ter­cei­ra edi­ção e foi lan­ça­do em Por­tu­gal.

Pró­te­ses

Mu­lhe­res que, ao con­trá­rio de Flá­via, não pu­de­ram fa­zer re­cons­tru­ção ma­má­ria po­dem re­cor­rer a pró­te­ses ex­ter­nas mó­veis, co­mo as con­fec­ci­o­na­das com po­li­e­ti­le­no pe­la equi­pe de vo­lun­tá­ri­as da As­so­ci­a­ção Sem­pre Viva, de Ca­tan­du­va, no in­te­ri­or pau­lis­ta.

A ins­ti­tui­ção, pre­si­di­da por Sô­nia Ce­ne­vi­va, que tam­bém pas­sou pe­la mas­tec­to­mia, já dis­tri­buiu gra­tui­ta­men­te mais de 17 mil pró­te­ses em hos­pi­tais e ONGs es­pa­lha­dos por São Pau­lo. “Re­cu­pe­rar a au­to­es­ti­ma des­sas mu­lhe­res, que mui­tas ve­zes dei­xam de usar blu­sas e ves­ti­dos que gos­tam, dei­xa o tra­ta­men­to mais su­a­ve”, diz Sô­nia.

Além das pró­te­ses, a as­so­ci­a­ção ofe­re­ce ain­da atendimento psi­co­ló­gi­co e fi­si­o­te­rá­pi­co gratuito. A se­de pró­pria de­ve co­me­çar a ser er­gui­da ain­da es­te ano, e a ideia é pro­du­zir pró­te­ses com su­tiãs aco­pla­dos, mais prá­ti­cas. “Vo­cê po­de per­der as ma­mas e os ca­be­los, mas ja­mais de­ve per­der a au­to­es­ti­ma”, diz Flá­via Flores.

|DI­VUL­GA­ÇÃO

Flá­via Flores e seu li­vro “Qui­mi­o­te­ra­pia e Be­le­za”, fru­to de um blog com di­cas pa­ra amar­rar len­ços

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.