Fa­mí­li­as vão ‘en­ro­lar’ os fi­lhos no Dia das Cri­an­ças

Pes­qui­sa da Uni­ver­si­da­de Me­to­dis­ta apon­ta que va­lor que os pais pre­ten­dem gas­tar pa­ra com­prar o pre­sen­te di­mi­nuiu 40% es­te ano. Mes­mo as­sim, o Pro­con de São Ca­e­ta­no aler­ta que há va­ri­a­ção de até 150% nos pre­ços dos brinquedos

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - VA­NES­SA SELICANI

Não adi­an­ta cho­ro nem ma­nha: a cri­se econô­mi­ca de­ve im­pac­tar nes­te ano até mes­mo no pre­sen­te do Dia das Cri­an­ças, co­me­mo­ra­do ama­nhã. É o que in­di­ca a Pes­qui­sa de In­ten­ção de Com­pra re­a­li­za­da pe­la Uni­ver­si­da­de Me­to­dis­ta.

De acor­do com o le­van­ta­men­to, que uti­li­zou 814 en­tre­vis­tas nas se­te ci­da­des do ABC, o con­su­mi­dor da re­gião es­tá dis­pos­to a gas­tar R$ 100 com pre­sen­te pa­ra a da­ta. É o me­nor va­lor des­de o início da pu­bli­ca­ção da pes­qui­sa, em 2011, quando a pre­vi­são era de R$ 114,10.

Na com­pa­ra­ção com o ano pas­sa­do, quando o gas­to pro­gra­ma­do era de R$ 153,40, a que­da re­al é de 40% se des­con­ta­da a in­fla­ção de cer­ca de 9% acu­mu­la­da no pe­río­do.

O ano das lem­bran­ci­nhas pa­ra as cri­an­ças fi­ca evi­den­te tam­bém quando a ques­tão é qual o fa­tor de­ci­si­vo pa­ra a com­pra do pre­sen­te. Em 33,4% dos ca­sos, na li­de­ran­ça da lis­ta, os en­tre­vis­ta­dos res­pon­de­ram que o pre­ço do pro­du­to é de­ter­mi­nan­te. No ano pas­sa­do, o mo­ti­vo pre­pon­de­ran­te, com cer­ca de 40% das res­pos­tas, foi o de­se­jo da pes­soa a ser pre­sen­te­a­da.

Se­gun­do a co­or­de­na­do­ra do cur­so de ci­ên­ci­as econô­mi­cas da Me­to­dis­ta, Silvia Oka­bayashi, de­ve-se le­var em con­ta pa­ra o re­sul­ta­do ruim os ce­ná­ri­os re­gi­o­nais de res­tri­ções, co­mo a ta­xa de de­sem­pre­go me­di­da pe­lo Se­a­de atin­gin­do em agos­to 16,4% da PEA (Po­pu­la­ção Eco­no­mi­ca­men­te Ati­va). A in­fla­ção ofi­ci­al já acu­mu­la 8,97% até agos­to, im­pac­tan­do ne­ga­ti­va­men­te no po­der de com­pra do tra­ba­lha­dor do ABC. De olho no pre­ço E se eco­no­mi­zar é a palavra pa­ra a da­ta, o con­su­mi­dor vai pre­ci­sar de mui­ta pes­qui­sa pa­ra che­gar lá. De acor­do com le­van­ta­men­to di­vul­ga­do on­tem pe­lo Pro­con de São Ca­e­ta­no, a di­fe­ren­ça de pre­ços de um mes­mo pro­du­to em lo­jas di­fe­ren­tes po­de che­gar a até 150%.

Fo­ram pes­qui­sa­dos 113 itens, co­mo brinquedos, jo­gos e bi­ci­cle­tas, em três es­ta­be­le­ci­men­tos di­fe­ren­tes. A mai­or va­ri­a­ção de pre­ço foi en­con­tra­da no Hulk da Marvel, ven­di­do en­tre R$ 99,99 e R$ 39,99, di­fe­ren­ça de 150%. Ve­ja na ar­te ao la­do ou­tros brinquedos.

O Pro­con aler­ta pa­ra, além do pre­ço, o con­su­mi­dor fi­car aten­to a in­di­ca­ção de fai­xa etá­ria, com­po­si­ção do pro­du­to, ins­tru­ções de uso, iden­ti­fi­ca­ção do fa­bri­can­te e even­tu­ais ris­cos que pos­sa apre­sen­tar à cri­an­ça. Ou­tra di­ca é não dei­xar de con­si­de­rar o in­te­res­se e o per­fil da cri­an­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.