TOM HA­MIL­TON

FA­LA SO­BRE O FU­TU­RO DA BAN­DA

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - JO­SE BAR­RE­TO

‘NÃO HÁ PLA­NO B PA­RA QUEM QUER SER ROCKSTAR’

Ste­ven Ty­ler dis­se que es­ta se­ria a úl­ti­ma tur­nê da ban­da. Por quê?

Es­sa ideia es­tá nas nos­sas ca­be­ças já há al­gum tempo. Dei­xe-me es­cla­re­cer uma coi­sa: ape­sar de es­sa ser a úl­ti­ma gran­de tur­nê do Aerosmith, nós ain­da po­de­mos con­ti­nu­ar a fa­zer ou­tras coi­sas no fu­tu­ro, tal­vez em um no­vo for­ma­to e com ou­tro li­ne-up [após a en­tre­vis­ta, a ban­da con­fir­mou par­ti­ci­pa­ção no Rock in Rio 2017]. Va­mos ver o que acon­te­ce. En­quan­to so­ar­mos bem no pal­co, não va­mos que­rer pa­rar. Quão di­fí­cil foi fa­zer mú­si­ca no iní­cio dos anos 1970, quan­do vo­cê e Joe Per­ry to­ca­vam em ba­res? Era mais di­fí­cil do que a mai­o­ria acre­di­ta. Joe e eu tí­nha­mos o so­nho de for­mar uma ban­da e vi­a­jar com ela. Nós que­ría­mos is­so com to­das as nos­sas for­ças. Ste­ven (Ty­ler) ti­nha o mes­mo so­nho que nós, mas es­ta­va em ou­tra ban­da na épo­ca. Quan­do nós nos reu­ni­mos, foi tu­do in­crí­vel. Sa­bía­mos que, sem ele, não tí­nha­mos mui­ta chan­ce de atin­gir nos­sos ob­je­ti­vos. Vo­cê ima­gi­na­va que a ban­da te­ria to­do es­se su­ces­so? Bem, uma vez que nos tor­na­mos o Aerosmith, ad­qui­ri­mos mui­ta con­fi­an­ça. Es­tá­va­mos tão fa­min­tos pa­ra nos dar bem que era im­pos­sí­vel não con­se­guir. Nós es­tá­va­mos to­dos 100% com­pro­me­ti­dos com is­so. Vo­cê não po­de ter um “pla­no B” se qui­ser ser um rockstar. Eu, por exem­plo, que­ria in­te­grar uma ban­da des­de quan­do es­ta­va na es­co­la. Não ha­via ins­tru­ções so­bre co­mo en­trar em uma, mas era is­so o que eu mais que­ria nes­ta vi­da. Vo­cê é a men­te por trás de mú­si­cas co­mo “Swe­et Emo­ti­on”, “Un­cle Salty” e “Kings and Qu­e­ens”. Vo­cê tem al­gu­ma mú­si­ca ou ál­bum fa­vo­ri­to do Aerosmith? Meus ál­buns fa­vo­ri­tos são “Toys in the At­tic” e “Rocks”. Ado­ro as can­ções que vo­cê ci­tou por­que elas ain­da me dão ar­re­pi­os, mas aque­la que eu mais gos­to de to­car ao vi­vo é “Li­vin’ on the Ed­ge”, pois ela é mui­to dra­má­ti­ca e tem uma at­mos­fe­ra in­crí­vel.

GETTY IMAGES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.