No­bel sur­pre­en­de e pre­mia Bob Dy­lan

Li­te­ra­tu­ra. Aos 75, au­tor de can­ções icô­ni­cas co­mo ‘Blowin’ in the Wind’ foi con­sa­gra­do pe­la Aca­de­mia Su­e­ca, que di­vi­diu a opi­nião pú­bli­ca so­bre o ca­rá­ter li­te­rá­rio da obra do ame­ri­ca­no

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

O re­sul­ta­do do Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra cos­tu­ma sur­pre­en­der, mas quem po­de­ria es­pe­rar o no­me que foi anun­ci­a­do na ma­nhã de on­tem pe­la Aca­de­mia Su­e­ca?

Aos 75 anos, o can­tor e com­po­si­tor Bob Dy­lan di­vi­diu a opi­nião pú­bli­ca ao ser pre­mi­a­do por “cri­ar no­vas ex­pres­sões poé­ti­cas den­tro da gran­de tra­di­ção da can­ção ame­ri­ca­na”, con­for­me in­for­mou co­mu­ni­ca­do ofi­ci­al da ins­ti­tui­ção. Ele é o pri­mei­ro le­tris­ta con­sa­gra­do pe­lo No­bel e, além do tí­tu­lo, re­ce­be­rá o va­lor de 8 mi­lhões de co­ro­as su­e­cas (R$ 2,9 mi­lhões).

Nas­ci­do em Du­luth, no Min­ne­so­ta, o ar­tis­ta é um dos mai­o­res no­mes da mú­si­ca ame­ri­ca­na do sé­cu­lo 20 e se apre­sen­ta hoje no ba­da­la­do fes­ti­val De­sert Trip, em In­dio, nos EUA, di­vi­din­do o pal­co com os Rol­ling Sto­nes.

Du­ran­te o anún­cio da pre­mi­a­ção, a se­cre­tá­ria per­ma­nen­te da Aca­de­mia Su­e­ca, Sa­ra Da­nius, afir­mou que a es­co­lha tem re­la­ção com os au­to­res gre­gos Ho­me­ro e Sa­fo. “Eles es­cre­vi­am tex­tos poé­ti­cos que ti­nham co­mo ob­je­ti­vo se­rem en­ce­na­dos, e o mes­mo acon­te­ce com Bob Dy­lan. Nós ain­da le­mos Ho­me­ro e Sa­fo nos di­as de hoje e gos­ta­mos”, dis­se ela.

Dy­lan é o pri­mei­ro ame­ri­ca­no a ven­cer o No­bel de Li­te­ra­tu­ra des­de To­ni Mor­ri­son, em 1993. Ele se jun­ta a um pan­teão que in­clui au­to­res em­ble­má­ti­cos do sé­cu­lo 20, co­mo TS Eli­ot, Wil­li­am Faulk­ner e Er­nest He­mingway.

Em 2012, o no­me do tro­va­dor fi­gu­rou co­mo o se­gun­do en­tre os mais co­ta­dos na lis­ta de apos­tas da Lad­bro­kes, atrás de Ha­ru­mi Mu­ra­ka­mi, es­cri­tor ja­po­nês ti­do co­mo eter­no fa­vo­ri­to ao No­bel, ao la­do do que­ni­a­no Ngu­gi wa Thi­ong’o e do po­e­ta gre­go Ado­nis. Es­te ano, Dy­lan era vis­to co­mo aza­rão e ca­da li­bra apos­ta­da ne­le ren­deu ou­tras 50 li­bras.

O ca­rá­ter li­te­rá­rio da obra do com­po­si­tor já ha­via lhe ren­di­do uma men­ção es­pe­ci­al do Pulitzer, em 2008, em re­co­nhe­ci­men­to a seu “pro­fun­do im­pac­to na mú­si­ca po­pu­lar e na cul­tu­ra ame­ri­ca­na”. Ele so­ma ain­da prê­mi­os no Grammy, Os­car e Glo­bo de Ou­ro.

Em pa­ra­le­lo à car­rei­ra mu­si­cal, Dy­lan tam­bém es­cre­veu (pou­cos) li­vros, co­mo a co­le­tâ­nea de po­e­sia “Ta­rân­tu­la” (1971), es­go­ta­da no Bra­sil, e a au­to­bi­o­gra­fia “Crô­ni­cas – Vo­lu­me 1” (2004).

| GETTY IMA­GES

Há mais de 50 anos na car­rei­ra mu­si­cal, tro­va­dor faz show hoje no Fes­ti­val De­sert Trip, em In­dio, na Ca­li­fór­nia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.