Pe­ça dis­se­ca o país via Chico Bu­ar­que

Te­a­tro. Ro­man­ce pre­mi­a­do do can­tor e com­po­si­tor, ‘Lei­te Der­ra­ma­do’ se­gue pro­pon­do re­vi­são da pró­pria his­tó­ria do Bra­sil em adap­ta­ção te­a­tral con­du­zi­da por Roberto Al­vim

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

Per­to dos cem anos, Eu­lá­lio D’Assumpção en­con­tra-se aban­do­na­do em uma ma­ca em um hos­pi­tal pú­bli­co bra­si­lei­ro. En­quan­to ago­ni­za à es­pe­ra de aten­di­men­to, ele lem­bra da his­tó­ria de sua fa­mí­lia aris­to­crá­ti­ca e re­che­a­da de pri­vi­lé­gi­os des­de que che­gou ao país com a cor­te por­tu­gue­sa. As me­mó­ri­as apon­tam con­tra­di­ções e con­vi­dam a uma re­fle­xão so­bre a his­tó­ria po­lí­ti­ca do país.

Es­sa é a tra­ma de “Lei­te Der­ra­ma­do”, ro­man­ce do can­tor e com­po­si­tor Chico Bu­ar­que que con­quis­tou o Prê­mio Ja­bu­ti em 2010. A par­tir de hoje, es­sa his­tó­ria sal­ta das pá­gi­nas pa­ra o pal­co em uma mon­ta­gem te­a­tral adap­ta­da por Roberto Al­vim.

Em uma ho­ra de pe­ça, ele bus­ca sin­te­ti­zar o es­pí­ri­to do li­vro de Chico. “A gen­te vê as trans­for­ma­ções so­ci­ais e his­tó­ri­cas do país pe­las trans­for­ma­ções des­sa fa­mí­lia até che­gar aos nos­sos di­as e vê a cons­ti­tui­ção de uma iden­ti­da­de na­ci­o­nal que é uma tra­gé­dia na­ci­o­nal, oriun­da de cor­rup­ções e fa­vo­ri­tis­mos que vão tro­can­do de mãos”, afir­ma o di­re­tor. Chico deu car­ta bran­ca pa­ra Al­vim, que le­vou um ano pa­ra adap­tar o tex­to – fo­ram ne­ces­sá­ri­as se­te ver­sões até o ro­tei­ro de­fi­ni­ti­vo.

Pa­ra o pa­pel de Eu­lá­lio, o di­re­tor es­ca­lou uma mu­lher: a experiente Ju­li­a­na Gal­di­no, sua co­le­ga na Cia. Club Noir. “Es­se pro­je­to só pô­de exis­tir por­que eu a ti­nha co­mi­go. Ela é uma atriz com um tra­ba­lho mui­to for­te de ca­rac­te­ri­za­ção, e o que ela fez na cons­tru­ção des­se ve­lho é as­sus­ta­dor. O Chico fi­cou cha­pa­do quan­do viu”, lem­bra o dra­ma­tur­go, pa­ra quem a dis­cus­são da pe­ça in­de­pen­de da fi­li­a­ção par­ti­dá­ria do es­pec­ta­dor.

“Es­sa obra não é ide­o­ló­gi­ca. Ela é re­le­van­te pa­ra nos aju­dar a rein­ven­tar­mos for­mas de ação po­lí­ti­ca que tra­ba­lhem em prol do bem. Che­ga­mos no li­mi­te má­xi­mo de des­trui­ção por nós mes­mos. Sem rein­ven­ção, va­mos nau­fra­gar.” ME­TRO

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Ju­li­a­na Gal­di­no in­ter­pre­ta o ve­lho Eu­lá­lio na mon­ta­gem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.