DIS­CUR­SO AN­TES DE SER JUL­GA­DO PE­LA JUS­TI­ÇA

Pro­ces­sa­do por fa­vo­re­ci­men­to à Ode­bre­cht em An­go­la, pe­tis­ta se diz ví­ti­ma de ‘law­fa­re’, ma­ni­pu­la­ção de leis pa­ra per­se­gui­ção

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - RA­FA­EL NE­VES

O ex-pre­si­den­te Lu­la au­men­tou na úl­ti­ma quin­ta o nú­me­ro de ba­ta­lhas ju­di­ci­ais que te­rá pe­la fren­te: já réu em du­as ações pe­nais da La­va Ja­to, uma em Bra­sí­lia e ou­tra em Cu­ri­ti­ba, o pe­tis­ta tam­bém pas­sa a res­pon­der a um pro­ces­so de­cor­ren­te de ou­tra ope­ra­ção, a Ja­nus.

Os ad­vo­ga­dos de Lu­la são co­nhe­ci­dos pe­lo for­te com­ba­te ao juiz Sér­gio Mo­ro e ao MPF (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral), que já fo­ram al­vo de re­cla­ma­ção até na ONU.

Os de­fen­so­res de­ram ar­gu­men­to iné­di­to se­ma­na pas­sa­da pa­ra re­ba­ter as de­nún­ci­as: se­gun­do os ad­vo­ga­dos, Lu­la “é ví­ti­ma de ‘law­fa­re’, que na­da mais é do que uma guer­ra tra­va­da por meio da ma­ni­pu­la­ção das leis pa­ra atin­gir al­guém que foi elei­to co­mo ini­mi­go po­lí­ti­co”.

Os ad­vo­ga­dos cri­ti­cam o pro­cu­ra­dor do MPF Del­tan Dal­lag­nol, que apre­sen­tou o pe­tis­ta, em se­tem­bro, co­mo che­fe da “pro­pi­no­cra­cia” que te­ria se ins­ta­la­do no país com a che­ga­da de­le ao po­der. Pa­ra os ad­vo­ga­dos, a acu­sa­ção se ba­seia em “achis­mos e con­vic­ções”.

“Os ví­ci­os do pro­ces­so per­mi­tem que se iden­ti­fi­que no ‘ca­so Lu­la’ si­tu­a­ção de­fi­ni­da por es­tu­dos in­ter­na­ci­o­nais re­cen­tes co­mo law­fa­re. Ou se­ja, o uso das leis e dos pro­ce­di­men­tos ju­rí­di­cos co­mo ar­ma de guer­ra pa­ra per­se­guir e des­truir o ini­mi­go”, diz no­ta.

O MPF sem­pre ne­gou di­re­ci­o­na­men­to po­lí­ti­co e afir­mou “ter com­pro­mis­so com a Cons­ti­tui­ção e com as leis”. An­go­la Acei­ta pe­la Jus­ti­ça Fe­de­ral de Bra­sí­lia, a úl­ti­ma de­nún­cia con­tra Lu­la acu­sa o pe­tis­ta de fa­vo­re­cer a em­prei­tei­ra Ode­bre­cht em obras em An­go­la, na Áfri­ca, fi­nan­ci­a­das pe­lo BNDES (Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to).

Em tro­ca, a Ode­bre­cht re­pas­sou pro­pi­nas ao ex-pre­si­den­te na for­ma de re­mu­ne­ra­ção por pa­les­tras, além de con­tra­tar em­pre­sa de Tai­gua­ra dos San­tos, so­bri­nho da pri­mei­ra mu­lher de Lu­la, já mor­ta, que te­ria re­ce­bi­do R$ 20 mi­lhões por ser­vi­ços não pres­ta­dos. Fu­tu­ro O que cha­mou a aten­ção na de­nún­cia foi a ra­pi­dez: Lu­la foi in­di­ci­a­do pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral em 5 de ou­tu­bro, a de­nún­cia foi en­tre­gue no dia 10 e acei­ta pe­lo juiz Val­lis­ney Oli­vei­ra, da 10ª Va­ra Fe­de­ral de Bra­sí­lia, no dia 13.

Di­fe­ren­te­men­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, os tri­bu­nais de pri­mei­ra ins­tân­cia cos­tu­mam ser ágeis com os pro­ces­sos. O juiz Mo­ro, por exem­plo, le­va em mé­dia 7,5 me­ses pa­ra con­cluir uma ação. Se a mé­dia se man­ti­ver, Mo­ro da­rá sen­ten­ça a Lu­la em maio de 2017.

| FI­LI­PE ARAÚ­JO

Lu­la con­ver­sa por ví­deo com apoi­a­do­res em No­va Ior­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.